Chega Açores defende igualdade de direitos entre população ativa

Carlos Augusto Furtado e José Pacheco estiveram presentes ontem ao final dia, na virgília organizada pelos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica dos Açores, auscultando a argumentação daqueles profissionais de saúde, que traduzem-se em discriminações negativas levadas a efeito pelo Governo Regional, através da respetiva tutela, em relação a estes profissionais.

Carlos Furtado sublinha que, uma sociedade onde não é promovida a igualdade de oportunidades e respetiva remuneração, entre cidadãos, não é uma sociedade justa, situação esta, que fomenta a divisão da população e desmotiva todos os discriminados, além de que, é um forte entrave à fixação de jovens na região, uma vez que estes apercebendo-se das desigualdades a que ficarão sujeitos, tendem a não querer fazer o seu percurso profissional nos Açores.

O presidente do Chega Açores acrescenta ainda, que é da maior importância que virgílias idênticas à que ontem aconteceu, ou outros formatos de denúncia de irregularidades e desigualdades levadas a efeito na região, devem ser levadas a afeito, com vista a que sejam corrigidas as desigualdades laborais que se registam nestas ilhas.

 

Fonte: Chega Açores

Ver também

Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP

Bispo de Angra pede aos católicos que cumpram regras ditadas pelas autoridades de saúde O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse hoje que as comunidades católicas querem “colaborar ativamente” com toda a sociedade para superar o “pico” da crise pandémica e “inverter a curva ascendente” de contágios e mortes por Covid-19. “É uma situação […] O conteúdo Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *