ùltimas Notícias

Papa assinala Dia Mundial contra tráfico de pessoas, falando em «ferida» na humanidade

Papa assinala Dia Mundial contra tráfico de pessoas, falando em «ferida» na humanidade

Jul 30, 2020 | noticias do vaticano

Vaticano alerta para «terrível aumento» da exploração, durante o confinamento

O Papa assinalou hoje o Dia Mundial contra o tráfico de pessoas, considerando que esta é “uma ferida no corpo da humanidade contemporânea”.

“Agradeço de coração a todos aqueles que trabalham em favor das vítimas inocentes desta comercialização da pessoa humana. Há muito ainda a ser feito”, escreveu Francisco, no Twitter, numa mensagem acompanhada pelo hashtag ‘#EndHumanTrafficking’.

A secção Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral (Santa Sé) dedica o seu mais recente relatório à questão do tráfico e exploração de homens, mulheres e crianças vítimas de trabalho forçado, prostituição ou tráfico de órgãos.

Segundo dados da ONU, cerca de 40 milhões de pessoas são vítimas do tráfico de seres humanos; 71% do total são mulheres e meninas.

O cardeal Michael Czerny, subsecretário da secção Migrantes e Refugiados, refere ao portal do Vaticano que nestes meses de pandemia “houve um terrível aumento do tráfico”.

“Isso deve escandalizar-nos”, sustenta.

O responsável indica que as raízes do problema estão “nas casas, nos corações das pessoas, dos cidadãos”, como fica provada no recente período de confinamento.

“Esta conexão entre o tráfico e a vida aparentemente normal de pessoas aparentemente normais é um grande escândalo que nos deve fazer refletir, pedir perdão a Deus, para procurar a conversão necessária para reduzir e eliminar a procura, que é o motor do tráfico”, afirma o cardeal Czerny.

A resposta da Igreja Católica neste campo está concentrada na rede ‘Talitha Kum’, que reúne religiosas de todo o mundo contra o tráfico de pessoas.

A irmã Gabriella Bottani, coordenadora internacional da organização, salienta que as condições de vulnerabilidade estão a aumentar e afetam mais pessoas, especialmente por causa de situações de pobreza extrema.

A rede ‘Thalita Khum’ sublinha ainda que a violência doméstica contra mulheres e crianças está a aumentar durante a pandemia.

A irmã Marinês Biasibetti, secretária-geral da Comissão Episcopal para Migrantes, Refugiados e Pessoas Deslocadas (CEMIRDE) de Moçambique, denuncia em entrevista ao boletim da secção Migrantes e Refugiados que “nos últimos meses, tem havido vários casos de extração de órgãos e venda de crianças albinas na região centro do país”.

A religiosa destaca ainda que os ataques armados nas regiões norte e centro de Moçambique estão a originar deslocamentos em massa de pessoas.

“Nesta mobilidade, podem estar criadas condições favoráveis para a ocorrência de casos de tráfico, pelo que a CEMIRDE intensificará as suas ações na comunidades e estruturas locais para estarem atentas a esta problemática”, indica a irmã Marinês Biasibetti.

Já a irmã Milagros García, coordenadora da Comissão Local de Migrações da Diocese de Mindelo, abordou os projetos de assistência a vítimas de tráfico e exploração em Cabo Verde.

“O nosso principal trabalho na Ilha de São Vicente é com mulheres na prostituição ou em risco sério de exclusão, embora também atuemos no aumento da consciencialização e deteção de jovens traficadas”, explicou.

(Com Ecclesia)

Fonte: Igreja Açores

Ver também

PS limita campanha por causa da pandemia

Fonte: RTP Açores (clique neste link para ver o video)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *