Papa reforça apelo por cessar-fogo global, para ajudar vítimas da pandemia

Papa reforça apelo por cessar-fogo global, para ajudar vítimas da pandemia

19 de Julho, 2020 0 Por Azores Today

Papa reforça apelo por cessar-fogo global, para ajudar vítimas da pandemia

Jul 19, 2020 | noticias do vaticano

Francisco manifesta preocupação com novos confrontos entre Arménia e Azerbaijão

O Papa reforçou hoje no Vaticano o seu apelo em favor de um cessar-fogo global, que permita ajudar as vítimas da pandemia, em particular nos territórios mais pobres.

“Neste momento em que a pandemia não parece abrandar, desejo assegurar a minha proximidade aos que estão a enfrentar a doença e as suas consequências económicas e sociais”, disse Francisco, desde a janela do apartamento pontifício, após a recitação do ângelus.

“O meu pensamento vai em particular para as populações cujos sofrimentos são agravados por situações de conflito”, acrescentou, perante centenas de pessoas reunidas na Praça de São Pedro.

O Papa recordou que, neste mês de julho, o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade uma resolução que pede um cessar-fogo global, de forma a facilitar a luta contra a Covid-19.

“Renovo o apelo a um cessar-fogo global e imediato, que permita a paz e a segurança indispensáveis para oferecer a ajuda humanitária necessária”, disse Francisco.

A pandemia provocou a morte de mais de 600 mil pessoas em todo o mundo desde dezembro de 2019, refere hoje o mais recente balanço da agência de notícias France-Presse (AFP); em Portugal, morreram 1684 pessoas e houve 48 390 casos confirmados de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

O Papa mostrou-se ainda preocupado com os confrontos fronteiriços entre as forças da Arménia e do Azerbaijão, que provocaram várias mortes nas últimas semanas.

“Sigo com preocupação o agudizar, nos últimos dias, das tensões armadas na região do Cáucaso”, declarou.

“Asseguro as minhas orações pelas famílias do que perderam a vida, durante os confrontos, e desejo que, com o empenho da comunidade internacional, e através do diálogo e da boa vontade das partes, se possa chegar a uma solução pacífica duradoura, que tenha no coração o bem daquelas amadas populações”, prosseguiu Francisco.

Francisco comenta parábola do trigo e do joio

A partir da liturgia deste domingo, o Papa falou da luta entre Deus e o diabo, a partir da parábola do trigo e do joio, na qual Jesus pede simbolicamente que se espere pelo “momento da colheita”, para arrancar e queimar as ervas daninhas.

“O dono age abertamente, à luz do sol, e o seu objetivo é uma boa colheita; o outro, o adversário, no entanto, tira proveito da escuridão da noite e trabalha com inveja, hostilidade para arruinar tudo. O adversário tem um nome, o adversário a que se refere Jesus: é o diabo, o oponente por excelência de Deus”, referiu Francisco, durante o encontro dominical com peregrinos, para a recitação da oração do ângelus.

A intervenção alertou para os “semeadores de escândalos”, que procuram impedir a “obra de salvação” de Deus.

“A boa semente e o joio representam não o bem e o mal em abstrato, não, mas nós seres humanos, que podemos seguir Deus ou o diabo”, acrescentou o pontífice.

Francisco destacou que a parábola de Jesus procura ensinar os seus discípulos a ter “paciência”.

“A intenção dos servos é eliminar o mal imediatamente, isto é, as pessoas más, mas o dono é mais sábio, vê mais longe: eles precisam de saber esperar, porque suportar as perseguições e hostilidades faz parte da vocação cristã”, observou.

“O mal, é claro, deve ser rejeitado, mas os iníquos são pessoas com as quais é preciso ter paciência. Não se trata da tolerância hipócrita, que oculta ambiguidade, mas da justiça mitigada pela misericórdia”, afirmou.

Num comentário improvisado, Francisco sublinhou que, na linguagem moderna, se poderia dizer que “o terreno está devastado por herbicidas que, no final, fazem mal à erva, à terra e à saúde”.

O Papa identificou duas “maneiras de agir e viver a história”, a partir desta passagem do Evangelho: “Por um lado, o olhar do dono, que vê ao longe; por outro, o olhar dos servos, que veem o problema”.

“Os servos preocupam-se com um campo sem ervas daninhas, o proprietário com o bom trigo”, acrescentou.

“Aqueles que procuram os limites e defeitos de outros não cooperam bem com Deus, antes aqueles que sabem reconhecer o bem que cresce silenciosamente no campo da Igreja e da história, cultivando-o até à maturidade”, disse.

O Papa destacou que será apenas Deus a “recompensar os bons e punir os iníquos”.

“Que a Virgem Maria nos ajude a entender e imitar a paciência de Deus, que deseja que nenhum dos seus filhos, a quem ama com amor de Pai, se perca”, concluiu, despedindo-se com os tradicionais votos de “bom domingo” e “bom almoço”, para todos os presentes.

(Com Ecclesia)

Fonte: Igreja Açores