Quatro Ribeiras assinala aniversário da tragédia que vitimou mortalmente duas pessoas durante uma procissão

Quatro Ribeiras assinala aniversário da tragédia que vitimou mortalmente duas pessoas durante uma procissão

13 de Maio, 2020 0 Por Azores Today

Quatro Ribeiras assinala aniversário da tragédia que vitimou mortalmente duas pessoas durante uma procissão

Mai 13, 2020 | Em destaque

Celebração eucarística conta com a participação do bispo de Angra e do clero da Praia da Vitória

Esta quinta feira, a partir das 19h30, as comunidades paroquiais da Praia da Vitória vão estar unidades em torno da paróquia das Quatro Ribeiras para assinalar o primeiro aniversário da morte de duas pessoas na sequência de um atropelamento numa procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima.

A celebração, que conta apenas com o Bispo e os padres da ouvidoria da Praia, começa com a bênção de um nicho, seguindo-se uma missa.

“Vamos celebrar este aniversário na igreja de Santa Beatriz através desta concelebração, que será presidida pelo bispo de Angra, para as vitimas- as mortais e as que ainda estão em recuperação- deste trágico acidente” referiu ao Igreja Açores o Padre Emanuel Valadão Vaz, ouvidor da Praia.

“Há algumas feridas, não só físicas mas interiores, e esta memória é uma maneira de dizermos à comunidade das quatro Ribeiras que estamos solidários e somos irmãos na fé e na esperança”, referiu ainda.

“ Queremos consolar e fortalecer o percurso que foi feito por esta comunidade; é uma forma de estarmos unidos pela fé. Por causa da pandemia não estarão fieis fisicamente, mas estarão presentes na nossa intenção”, esclarece o ouvidor.

Para o pároco, padre Carlos Cabral, “a ferida leva tempo a curar” mas a comunidade “tem tomado consciência dos perigos que. corremos no dia a dia”.

No dia 14 de maio de 2019, um carro atropelou várias pessoas que participavam numa procissão nas Quatro Ribeiras, na Ilha Terceira, Açores. Morreram duas pessoas mortos e 13 ficaram feridas, quatro delas em estado grave. O condutor saiu ileso do acidente. O processo decorre em Tribunal.

Fonte: Igreja Açores