CHEGA AÇORES QUER SALVAR O SECTOR TURÍSTICO REDUZINDO DRASTICAMENTE O PREÇO DAS PASSAGENS INTER-ILHAS

Em carta enviada a Vasco Cordeiro, o Chega Açores defende que, sendo a SATA uma companhia aérea açoriana, ao serviço dos açorianos, não se compreende o valor elevado das passagens inter-ilhas. Defende o Chega que este valor deve ser reduzido drasticamente à semelhança dos praticados pelas “lowcost”, no sentido de promover o turismo interno nos Açores

No entender do Chega, esta medida poderá “salvar” o sector do turismo dinamizando toda a economia e ao mesmo tempo proporcionar aos açorianos algo positivo que os ajude a ultrapassar esta fase negativa que agora vivemos. Esta será uma forma de mostrar os Açores aos açorianos, mas também um banco de ensaio para a retoma ao turismo do exterior, quando  tal se proporcionar.

Aqui se transcreve na integra o conteúdo da Carta enviada ao Presidente do Governo Regional dos Açores:

 

 

 

Exmo. Sr.

Presidente do Governo Regional dos Açores

Dr. Vasco Cordeiro

 

Exmo. Sr.

A Comissão Instaladora dos Açores do Partido CHEGA vem por este meio apresentar a V. Exa. uma proposta, que tem como objetivo “salvar” a atividade turística dos Açores, nas suas variadas vertentes, desde o alojamento, a restauração, as rent-a-car, a animação turística, entre outros.

A nossa proposta, além de proporcionar uma alavancagem destes sectores de atividade, também permitirá um considerável bem-estar na nossa população, pelo facto de que trará uma normalidade considerável ao dia-a-dia dos açorianos, normalidade esta que não comprometerá a segurança e saúde publica, uma vez que desenvolver-se-á dentro do nosso perímetro arquipelágico, que tem e deverá manter restritas ligações dos Açores ao exterior.

Assim, considerando que a região é servida em termos de ligações aéreas entre ilhas, por uma companhia aérea regional, que dispõe de aeronaves próprias e tripulação própria e os custos fixos destes recursos são permanentes e indeclináveis.

Considerando que a região tem apresentado níveis de contágio ao vírus Covid-19, muito baixos e de forma mais ou menos homogénea, não se considera que a circulação dos açorianos entre ilhas possa ser encarada como uma atuação capaz de promover o contágio social pelo referido vírus.

Considerando que a atividade turística e similares, apresenta níveis de quebra vertiginosamente perigosos, para a sobrevivência destes operadores e que é manifestamente improvável o regresso à normalidade turística do passado recente, nos próximos tempos.

Considerando que grande parte da nossa população conhece apenas a sua ilha e pouco mais.

Considerando ainda que boa parte dos salários auferidos pela nossa população, são provenientes da função pública e de outros sectores económicos, que não estão expostos à quebra de rendimentos, somos do entender que o Governo Regional dos Açores, deveria junto da SATA, desenvolver um conjunto de iniciativas centradas maioritariamente na redução drástica do custo das passagens aéreas entre ilhas, com viagens a preços apelativos, com vista a promover de forma entusiasmante o turismo entre residentes dos Açores, ao mesmo tempo, que reativa a economia local, mostra a região aos seus residentes, num ambiente de segurança e descontração, tão necessário até ao restabelecimento social e cultural do povo, dando ainda um adequado uso à capacidade instalada da companhia aérea regional.

O CHEGA Açores acredita que a implementação de tal medida, será uma importante iniciativa para continuar a assegurar a existência dos operadores turísticos durante este ano, com inegáveis proveitos para toda a população açoriana, situação esta que será também um banco de ensaio, para estas atividades económicas, ensaiarem e porem em prática procedimentos de trabalho em segurança, para que num futuro próximo, os Açores possam retomar à sua normalidade, enquanto destino turístico, quando a região voltar a receber turismo não local.

Mais adianta o CHEGA Açores que este tipo de iniciativa, deverá ser posta em prática o quanto antes, de forma a estar em pleno funcionamento no verão que se avizinha, sendo um modelo a dar continuidade na nossa região, para além do período de restrições a que atualmente estamos sujeitos, uma vez que é incompreensível a politica de ligações aéreas regionais, pelos preços praticados inter-ilhas, que em nada favorecem a continuidade territorial deste povo, nem o relacionamento de proximidade entre os cidadãos das variadas ilhas.

O modelo que aqui apresentamos deverá estar assente em preços realmente baixos, comparáveis aos preços praticados por companhias “lowcost”, que têm operado na região e em ligações entre capitais europeias.

 

Açores, 28 de Abril de 2020.

 

 

O Presidente da Comissão Instaladora do Chega Açores

Carlos Augusto Furtado

 

 

Fonte: Chega Açores

Ver também

Igualdade no ensino

Fonte: RTP Açores (clique neste link para ver o video)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *