Amar é ficar em casa

Amar é ficar em casa

Abr 8, 2020 | amar e ficar em casa

Pelo Pe José Júlio Rocha

«Tornei-me um estranho para os meus irmãos, um desconhecido para a minha família.» (Salmo 69) Estamos na Semana Santa: os três dias mais importantes da nossa fé já começam amanhã. Pela primeira vez e – esperamos todos – última, não vamos poder celebrar em comunidade o Tríduo Pascal. Alguma coisa positiva? Sim. O facto de a podermos viver intensamente na Igreja doméstica, a família. Não a família alargada, como tanto gostávamos, mas aqueles que vivem na mesma casa. Estes dias de confinamento são uma prova tremenda para os laços familiares. Descobrimos defeitos, falhas, pomos à prova a nossa resiliência. Quantas vezes nos sentimos sós dentro da nossa própria família… Pensemos como o cardeal Tolentino: “A nossa condição de mais precários do que nunca, mais impotentes do que nunca é em si mesma uma oração”. Façamos do nosso sofrimento uma oração. O Outro, o marido, a esposa, o pai, a mãe, os filhos, os irmãos são, neste momento, a nossa oportunidade de salvação. O Amor, hoje, não é um mar de rosas. É uma prova de fogo.

Fonte: Igreja Açores

Ver também

“Domingo da Palavra”: O desafio “imenso” de traduzir a Bíblia, entre a língua original e o português de hoje

Padre Mário de Sousa coordena comissão responsável pelo novo texto que vai ser adotado pela Conferência Episcopal O padre Mário de Sousa, coordenador da Comissão da Tradução da Bíblia para a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), disse à Agência ECCLESIA que este trabalho é um “desafio imenso” de conciliação entre a atualidade e a fidelidade ao […] O conteúdo “Domingo da Palavra”: O desafio “imenso” de traduzir a Bíblia, entre a língua original e o português de hoje aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *