OS MEUS FILHOS NÃO VÃO À ESCOLA!

Senhores governantes, que também são pais, devem ter perdido todo o tino com esta coisa do coronavírus.

Pensar em abrir escolas, numa altura em que andam todos a tentar perceber quem está, e quem não está infetado, em que até temos “fugitivos” a entrar pelo aeroporto, é algo que, no mínimo, nem devia ser pensado e muito menos estar a ser discutido.

Tamanha irresponsabilidade de quem nos governa, que em vez de se preocuparem em controlar totalmente este vírus, perdem o tempo precioso a analisar o que é uma perfeita estupidez.

Alguém com dois dedos de testa consegue explicar como vão crianças, professores, funcionários e consequentemente pais, para um ambiente fechado, em que a proximidade é inevitável, numa altura em que ainda nem o pico da pandemia chegamos? Acham isto algo normal, digno de gente inteligente, que supostamente nos deviam governar e zelar pela nossa segurança/ saúde?

Um governo que nem consegue controlar os aeroportos, as fronteiras, a escassez de meios, quer criar mais incubadoras de viris? Quer por as famílias em risco?

É bom que percebamos todos, e de uma vez por todas, que, enquanto não houver um tratamento eficaz ou uma vacina, não há qualquer condição para voltarmos à normalidade da vida. Jamais iremos colocar toda uma sociedade em risco e muito menos as crianças.

Da minha parte, os meus filhos não vão à escola e até apelo a todos os pais que façam o mesmo. Depois medimos forças com estes irresponsáveis que nos governam. Vamos estar todos unidos na defesa das nossas famílias.

Aqui está mais uma prova que somos governados por irresponsáveis e perfeitos estúpidos!

Haja saúde e metam-se em casa, que a mim ninguém cala!

 

José Pacheco

Ver também

Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP

Bispo de Angra pede aos católicos que cumpram regras ditadas pelas autoridades de saúde O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse hoje que as comunidades católicas querem “colaborar ativamente” com toda a sociedade para superar o “pico” da crise pandémica e “inverter a curva ascendente” de contágios e mortes por Covid-19. “É uma situação […] O conteúdo Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *