Irmandade do Senhor Santo Cristo dos Milagres preocupada com o surto de coronavirus

A Irmandade do Senhor Santo Cristo dos Milagres vai reunir-se, em breve, para decidir os passos a dar nas maiores festas religiosas dos Açores face ao surto de Covid-19, disse à agência Lusa o seu provedor.

Carlos Faria e Maia refere que “neste momento” a Irmandade “não tem nenhum plano de contingência”, indo reunir-se em breve, também com a presença do reitor do Santuário do Santo Cristo, para “decidir o que vai ser feito”.
A Irmandade do Senhor Santo Cristo, que nasceu por iniciativa do Comandante Geral da Ilha de São Miguel, sargento-mor António Borges Bettencourt, foi fundada em abril de 1765 e é desde aquela data a principal responsável pela organização das maiores festas religiosas dos Açores, um culto com mais de 300 anos.
Milhares de pessoas de origem açoriana e turistas deslocam-se a Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, para participar nas festas do Santo Cristo dos Milagres, que este ano decorrem de 15 a 21 de maio.
Para o provedor da Irmandade, “para já, nada invalida que as festas não venham a decorrer normalmente”, mas “há que ter um plano traçado”.
O reitor do Santuário do Santo Cristo, Adriano Borges, também em declarações à Lusa, refere que “manter-se-á tudo igual, não havendo alterações, a não ser que as autoridades sanitárias do país e da região decidam que é preferível fechar fronteiras, aeroportos e não permitir que as pessoas promovam grandes ajuntamentos”.
Para Adriano Borges, que se afirma tranquilo, vão naturalmente “adotar-se as precauções necessárias mas, de resto, será tudo igual”, considerando que um plano de contingência surgirá “na medida em que for pedido”, em harmonia com a Irmandade do Senhor Santo Cristo dos Milagres e com as autoridades da saúde.
O cónego adianta que, durante as festividades, vão ser seguidas as orientações da Conferência Episcopal Portuguesa em relação ao abraço da paz, água benta nas pias e à comunhão.
Fonte: LUSA/ Açoriano Oriental

Ver também

Túmulos que ninguém visita

Pelo padre José Júlio Rocha Franz Jägerstätter (nome difícil) era um pacífico agricultor austríaco, habitante de uma aldeia perto de Salzburgo, marido dedicado e pai de três lindas meninas nos campos idílicos do Tirol, paisagens de cortar a alma, como são as dos nossos insubstituíveis Açores. Um outro austríaco, muito mais famoso e muito menos […] O conteúdo Túmulos que ninguém visita aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *