MUSEU DA EMIGRAÇÃO DISPONIBILIZA FICHAS DE EMIGRANTES DO CONCELHO DO NORDESTE

O Museu da Emigração Açoriana, na Ribeira Grande, tem vindo a resgatar a documentação municipal açoriana relativa a processos de emigração com o objetivo de salvaguardar e promover a pesquisa entre os emigrantes e a sua terra natal.No seguimento deste trabalho, que tem sido desenvolvido ao longo dos últimos anos, o Museu da Emigração Açoriana terminou a inventariação do concelho do Nordeste, o que significa que já tem digitalizado, inventariado e disponível para pesquisa por meta dados digitais os concelhos da Ribeira Grande, Ponta Delgada, Lagoa e Nordeste.Este trabalho permitiu aumentar para 22049 o número de processos inventariados no período entre 1879 e 1989, compreendendo processos de requerimento de emigração, fichas de emigrantes e processos de instauração para emigrante.O objetivo do Museu da Emigração Açoriana é continuar a trabalhar na recolha destes dados e alagar a inventariação aos concelhos da Povoação e Vila Franca do Campo.Em média, o Museu da Emigração Açoriana recebe sessenta pedidos de consulta de processos de emigração por mês, pedidos que podem ser formalizados por e-mail ou pessoalmente, de forma gratuita.
Fonte: Câmara Municipal Ribeira Grande

Ver também

Túmulos que ninguém visita

Pelo padre José Júlio Rocha Franz Jägerstätter (nome difícil) era um pacífico agricultor austríaco, habitante de uma aldeia perto de Salzburgo, marido dedicado e pai de três lindas meninas nos campos idílicos do Tirol, paisagens de cortar a alma, como são as dos nossos insubstituíveis Açores. Um outro austríaco, muito mais famoso e muito menos […] O conteúdo Túmulos que ninguém visita aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *