Comissão Justiça e Paz apela à “frugalidade” da vida

Comissão Justiça e Paz apela à “frugalidade” da vida

Fev 26, 2020 | Nacional

Quaresma começa hoje A Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP) apelou que os católicos, na quaresma que hoje se inicia, escolham “uma frugalidade de vida” em contraponto ao convite “ao consumo desenfreado” com que se deparam no dia a dia. “Tenhamos consciência de que os recursos do planeta são limitados, portanto há que usar responsavelmente aquilo que nos foi dado; façamos face às alterações climáticas através do compromisso com uma vida mais simples, reduzida ao essencial, em que deixar de ‘ter’ se pode transformar numa forma de ‘ser’ mais e melhor”, exorta a CNJP numa mensagem hoje publicada na sua página na Internet. A escolha do “decrescimento” como forma de fazer face ao “crescimento desenfreado” é o caminho apontado pela Comissão Nacional Justiça e Paz, organismo dependente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP). Na mensagem, a CNJP enumera também as coisas de que os cristãos podem “prescindir, na consciência de que há muitos que não possuem nada”. “Ultrapassemos um cuidado excessivo do corpo e da saúde, das dietas de última moda, para pensar em tantos que passam fome e que não têm o essencial para viver. Exercitemos a prática do jejum em contraponto a verdadeiras ‘orgias’ na forma como lidamos com os alimentos, com os objetos, com a palavra (e o maldizer), com aquilo que consumimos (por exemplo o abuso dos telemóveis e das redes sociais)”, escreve a CNJP. Esta comissão, liderada por Pedro Vaz Pato, alerta também que hoje se vive um tempo em que as pessoas se confrontam “de uma forma opressiva com a (…) imagem”. “Usamos de forma pervertida os meios de comunicação social para sublinhar essa imagem. No Facebook ou noutras redes sociais alimentamos narcisistamente o nosso ‘eu’”, sublinha. Por outro lado, adverte para o facto de em Portugal abundarem “os casos de corrupção a tantos níveis, da pequena à grande corrupção”. “Ajoelhamo-nos face ao dinheiro, essa grande tentação? Que dizemos da fuga desenfreada aos impostos que são apenas o dinheiro que pomos em comum para as nossas necessidades coletivas?”, questiona, para concluir que “fugir aos impostos é claramente uma omissão”. A CNJP refere-se ainda ao encontro que se realizará em Assis, na Itália, entre 26 e 28 de março, subordinado ao tema “A Economia de Francisco”, onde o Papa vai encontrar-se com jovens para “traçar as linhas de uma verdadeira ‘economia de comunhão em contraponto à economia do capital’”. No documento divulgado no dia em que os católicos iniciam a quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa, principal festa do calendário cristão, a Comissão Nacional Justiça e Paz alerta também para a situação de Portugal, “um dos países europeus onde existe maior discrepância entre os mais ricos e os mais pobres”, para concluir que “o dinheiro deve circular, senão queima as (…) mãos. O dinheiro tem que necessariamente ser partilhado”. (Com Lusa)

Fonte: Igreja Açores

Ver também

A insustentável leveza da insensibilidade bancária

Vivemos momentos singulares, momentos impensáveis ao comum dos mortais face aos avanços no mundo da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *