Não há terra mais bela do que o coração dos outros» – Papa Francisco

Não há terra mais bela do que o coração dos outros» – Papa Francisco

Fev 19, 2020 | noticias do vaticano

Audiência pública semanal abordou terceira bem-aventurança

O Papa afirmou hoje no Vaticano que a vida dos cristãos deve ser marcada pela “mansidão”, uma atitude espiritual que contraria a ira e a violência contra os outros.

“Não há terra mais bela do que o coração dos outros. Pensemos nisso: Não há terra mais bela do que o coração dos outros. Não há território mais belo a conquistar do que a paz restabelecida com um irmão. Esta é a terra a ser herdada com a mansidão”, referiu, na audiência pública semanal que decorreu no auditório Paulo VI.

A reflexão de Francisco abordou a terceira bem-aventurança, “Felizes os mansos, porque eles herdarão a terra”, prosseguindo o ciclo de catequeses sobre este tema.

“Manso é quem defende a sua paz, a sua relação com Deus e os seus dons, protegendo a misericórdia, a fraternidade, a confiança e a esperança. Porque as pessoas mansas são pessoas misericordiosas, fraternas, confiantes e pessoas com esperança”, observou.

Em causa, segundo o Papa, está o desafio a ser “doce, gentil, sem violência”, particularmente quando se está numa situação hostil, como aconteceu com Jesus, na sua morte.

A intervenção sublinhou que, na Bíblia, a mansidão se refere também a quem não tem propriedades terrenas, pelo que se entende a ideia de receber a terra em herança, em vez de a “conquistar”.

“Há uma ‘terra’ – permitam-me o jogo de palavras – que é o Céu, isto é, a terra para a qual caminhamos”, apontou Francisco.

Na saudação aos peregrinos de língua portuguesa, o Papa desafiou os visitantes de Portugal e do Brasil a ser “testemunhas de esperança e caridade”.

“Se alguma vez tiverdes de enfrentar situações que vos turvam a alma, ide procurar refúgio sob o manto da Santa Mãe de Deus; lá encontrareis paz e mansidão. Sobre vós e vossas famílias desça a bênção do Senhor”, concluiu.

(Com Ecclesia)

Fonte: Igreja Açores

Ver também

Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP

Bispo de Angra pede aos católicos que cumpram regras ditadas pelas autoridades de saúde O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse hoje que as comunidades católicas querem “colaborar ativamente” com toda a sociedade para superar o “pico” da crise pandémica e “inverter a curva ascendente” de contágios e mortes por Covid-19. “É uma situação […] O conteúdo Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *