Chineses do avião puderam circular livremente em Ponta Delgada

Chineses do avião puderam circular livremente em Ponta Delgada

3 de Fevereiro, 2020 0 Por Azores Today

Tripulação e passageiros estão hospedados no Azor Hotel, junto à avenida marginal de Ponta Delgada, tendo a assistente de bordo confirmado à VISÃO que os 11 passageiros, incluindo o originário de Wuhan, saíram para jantar fora

Um avião Gulfstream, considerado um dos o mais luxuosos aviões do mundo, aterrou ontem em Ponta Delgada com 11 passageiros a bordo, entre eles um cliente vindo da cidade infetada de Wuhan, na China. O avião, que habitualmente transporta milionários, composto por uma tripulação de três pessoas – o comandante Richard Miller, o co-piloto Jefrey e a assistente de bordo Lie – , fez o percurso Hong Kong, Tóquio, Paris, Islândia, Bermudas e, por fim, Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, Açores.

Após contacto com a assistente de bordo e face às dúvidas existentes relativamente ao estado de saúde do passageiro chinês originário da cidade chinesa de Wuhan, a VISÃO pode adiantar que, tanto os 11 passageiros, como a tripulação não foram autorizados a sair do avião, tanto na escala nas Bermudas como em Reiquiavique , na Islândia. Não lhes sendo permitido abandonar a aeronave por razões de segurança, as 14 pessoas tiveram que pernoitar a bordo em ambas as escalas. Tripulação e passageiros estão hospedados no Azor Hotel, junto à avenida marginal de Ponta Delgada, tendo a assistente de bordo confirmado à VISÃO que os 11 passageiros, incluindo o originário de Wuhan, saíram para jantar fora.

Lie adianta que durante toda a viagem teve a preocupação de medir a febre do passageiro chinês, que manteve, até aqui, temperaturas normais.

A infeção pulmonar aguda provocada por este coronavírus, altamente contagiosa, leva 14 dias a incubar, podendo dar-se o contágio nesse período de tempo.

O Gulfstream descola amanhã de Ponta Delgada rumo a Chambery, na França, rumando seguidamente ao seu destino final, Hongkong.

 

Fonte: Visão