Paulo Gonçalves morre no Dakar 2020

Paulo Gonçalves morre no Dakar 2020

12 de Janeiro, 2020 0 Por Azores Today

O motociclista Paulo Gonçalves morreu na sétima etapa do Dakar 2020 este domingo na sequência de uma queda, confirma organização do Dakar. O português tinha 40 anos.

O motociclista Paulo Gonçalves morreu no Dakar 2020, na Arábia Saudita, este domingo. O piloto português de 40 anos morreu na sequência de uma queda refere a organização do Dakar em comunicado.

O acidente ocorreu ao quilómetro 276 da sétima etapa da corrida, entre Riade e Wadi-al Dawasir, que se estava a realizar este domingo. Ao todo, esta prova tinha 546 quilómetros.

Depois de anos a competir pela marca japonesa Honda, Paulo Gonçalves participava pela primeira vez no Dakar pela indiana Hero.

DAKAR RALLY

@dakar

Portuguese biker Paulo Gonçalves passed away.

Décès du pilote portugais Paulo Gonçalves.

Fallecimiento del piloto portugués Paulo Gonçalves.

+ info: https://www.dakar.com/en/news/2020/portuguese-rider-paulo-goncalves-passed-away-1/165577 

Ver imagem no Twitter
1.474 pessoas estão falando sobre isso

Segundo conta o El Espanol, o piloto australiano Toby Price (KTM), vencedor da última prova do Dakar, tentou ajudar o português.

A organização da prova foi avisada do acidente às 10h08 (hora local) e, às 10h16, um helicóptero de apoio chegou ao motociclista mas este já estava “inconsciente depois de entrar em paragem cardíaca”. O piloto português ainda foi levado de helicóptero para o Hospital de Layla, em Riade, onde foi declarado o óbito.

“Passei a tentar a disputar cada dia como se fosse uma corrida nova”

Este sábado o piloto português deixou no Instagram um vídeo com um “breve resumo” sobre a prova que estava a realizar.

No vídeo explica: “Comecei o rally de forma regular. Infelizmente, no terceiro dia, tive um problema mecânico que quase me colocava fora da corrida. Consegui resolver, mantive-me na corrida. A partir desse dia o objetivo foi alterado, obviamente”, diz. E continua: “Sem conseguir um bom resultado final passei a tentar a disputar cada dia como se fosse uma corrida nova. Consegui bons resultados até ao momento. Consegui ser 4º numa etapa, 8º e 1oº”.

Paulo Gonçalves estava a participar na sua 13ª prova do Dakar. Foi o vencedor do Campeonato Mundial de Rally Cross-Country em 2015. O piloto natural de Esposende participava no Rally Dakar desde 2006 tendo ficado quatro vezes no top 10 da prova. O motociclista começou a carreira a participar em provas de motocross.

Foi em 2015 que o motociclista conseguiu o seu melhor resultado nesta prova quando terminou o Dakar no segundo posto, a 16m53s do vencedor, tempo de atraso causado pelos 17 minutos acumulados nas três penalizações que lhe foram impostas durante a corrida. Na altura, tinha 35 anos.

Em 2016, falava da vontade e ambição de conseguir ganhar a prova: “Vejo pilotos que ganham um Dakar com 40 e 50 anos, com performances incríveis. Se olhar para as idades dos pilotos de motas que estão em competição, tenho pelo menos mais 10 anos de Dakar pela frente. Continuo a acreditar que é possível, cada vez mais, e Portugal nunca esteve tão perto de o conseguir. É a minha grande motivação”.

Paulo Gonçalves parou, em 2016 para ajudar Matthias Walkner. O piloto português ficou junto do austríaco até a equipa médica chegar. Por causa disso perdeu perto de 11 minutos, que foram compensados posteriormente pela organização.

[O momento em que Paulo Gonçalves ajudou Matthias Walkner]

No mesmo ano, o piloto contava também sobre esta prova: “Bem, não me considero o senhor azar, porque tive a possibilidade de regressar sem problemas de maior. É um Dakar que teve partes muito positivas e uma parte menos boa, que foi o facto de não ter conseguido alcançar o resultado final ao qual me propunha. Ou pelo menos um que me satisfizesse. Fiz uma corrida de altos e baixos”.

A última vez que alguém morreu durante a prova do Rally Dakar foi em 2015, quando o motociclista polaco Michal Hernik morreu por desidratação.

O Dakar 2020 começou a 5 de janeiro e terminará a 17 deste mesmo mês. Com um percurso de quase oito mil quilómetro, começou em Jidá e vai terminar em Al-Qiddiya.

“Morreu a tentar alcançar o sonho uma das mais duras e perigosas provas de rally do mundo”, diz Presidente da República

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa lamentou a morte do motociclista Paulo Gonçalves apresentou “à família enlutada as mais sentidas condolências”. “Paulo Gonçalves morreu a tentar alcançar o sonho de vencer uma das mais duras e perigosas provas de rally do mundo, na qual foi sempre um digníssimo representante de Portugal, chegando a alcançar o segundo o lugar em 2015”, disse o chefe de estado numa mensagem.

Jorge Viegas, presidente da Federação Internacional de Motociclismo (FIM), disse à Rádio Observador que Paulo Gonçalves “era um exemplo a seguir”. Como conta o responsável na modalidade: “Fui acordado pela notícia pelo diretor da prova. Não posso estar mais triste. O Paulo era uma excelente pessoa, era um amigo que corria desde pequenino. Era um grande piloto. Era um exemplo a seguir”.

O presidente da FIM lembrou ainda o momento, em 2016, em que Paulo Gonçalves recebeu o Prémio de Ética no Desporto, atribuído pelo Instituto Português do Desporto e da Juventude.

É muita estranha a circunstância da morte porque foi numa reta. Ele nem sequer ia àquelas velocidades loucas que por vezes há no Dakar. A verdade é que foi encontrado já sem vida. Não se sabe [a circunstância da morte]. Mas pouco importa, estamos de luto carregado”, diz Jorge Viegas.

Sendo uma reta, Jorge Viegas justifica ainda a afirmação: “Não se sabe se aconteceu alguma coisa fisicamente antes da queda. É preciso esperar pela autópsia”, termina.

Manuel Marinheiro, presidente da Federação de Motociclismo de Futebol falou também à Rádio Observador referindo: “Foi uma grande perda para o motociclismo e para o desporto nacional, até porque o Paulo era desportista de eleição mas também um excelente homem e um exemplo a seguir por todos e qualquer desportista”. O responsável lembrou também o momento em que o motociclista ficou a apoiar um rival: “Foi merecedor de prémios de Fairplay da federação de desporto e da federação de desporto de internacional”.

O clube Sport Lisboa e Benfica, do qual Paulo “foi parceiro”, também lembrou o piloto. “Foi parceiro do Sport Lisboa e Benfica em vários anos e sentia grande orgulho em ostentar a águia no equipamento de motard, nomeadamente no capacete, durante as provas sobre duas rodas. O Sport Lisboa e Benfica endereça sentidas condolências à família e amigos de Paulo Gonçalves neste dia de luto para o desporto motorizado”, escreve o clube no seu site oficial.

A reações à morte de Paulo Gonçalves não tardaram a surgir também nas redes sociais. No Instagram, Miguel Oliveira, motociclista português que participa em provas mundiais como o Moto GP lembrou o piloto do Dakar. “Paulo, deixaste uma marca profunda na vida de quem teve o privilégio de se cruzar contigo. A tua coragem e valentia são exemplo para todos nós. DEP [Descansa em paz]”, escreveu Miguel Oliveira

A partilha de Miguel Oliveira no Instagram

O automobilista português António Félix da Costa também utilizou a mesma rede social para prestar homenagem ao piloto. “Um dos maiores guerreiros do nosso desporto. Deixou nos a fazer o que mais gostava. És um tigre Paulo. Descansa em Paz!”, escreveu.

À SIC Notícias, o motociclista Bernardo Vilar, prestou as condolências à família e a todos os motards. Era “uma pessoa super gentil, era uma referência”. O piloto salientou ainda que Paulo Gonçalves “teve uma carreira excelente”. “Começou como piloto privado com a suas dificuldade”. Por fim, salientou: “Perdemos um grande piloto (…) perdi um grande amigo”