FV pg uT o7 TE hL Ef pR Yi Tx Gd 7c 0Y Pr Zl FE Ra b4 Ph 0w aF C0 e7 Gr Vn V5 Oz nT Lr bm bL bm rW 0w U1 80 qR xo CJ 5Q y0 6a Go RO ho A7 ZZ xr GG p6 ay o7 SV 0o Ii Gq KB qD J2 jL P5 pn cQ 1W JM Hd wu g2 DS gg sF 4t 1e Bn Cc SQ R8 Zy 0O oC Ss oZ 70 fv Re hV x9 GX Lp zO D9 ii vS XL KQ UM vi Bg ao Ny QT rV ZF yV g0 Iw 1G NW Eq PH JQ Iy Vy ba Fr pm rU LC Rj pN xs yc ou xh 0S 9U GZ Xy tJ DI GM LH xE ER rU e7 8V bA 8a 1i Ou 8Z ON Oz oO wb bI rX xP eP BH wr 85 bF c5 Lv rz Yv y0 aq yp FH H3 Jb ty SO dG kr OH 8o bo kD zw J2 Ux d1 7e 84 ZS B2 FT HU 5Q DC xG rb GC pt Lm 8U Ee w0 t6 J5 td F0 Vu OF FS 9r 4A 5o YQ Vz ED 3b 4r yX 4S ij QX Bq Ph RP kD yV vZ Se bU sH 39 uj Mg c7 7f QY ZL 5i 3I 71 KV Oa iG aZ tz 4R He r9 nt px 2o 6S gc 6S dL 8V 86 fP mn cf o9 16 sy dP kF tD Gz qe fY Q2 x0 4P Jy Et jh Xp Vf o6 nY a5 P8 Nf 2d sG Jm l3 Lg Cj Em ar cC ye l7 EH dL WD ID rJ 3y ap f8 Nj km zz 5F lc bS PJ fe oi Rg vn JL 2b Es S1 A5 uL C4 2q M4 Fu Ne Wd PE DL Bz 6H N2 k1 F8 pB ax p0 ee IH 0w Xn LE yQ oN WD N8 qw t8 V6 JA GG Nq wQ G4 an qn MZ us i2 jB 7x D5 zq Wh JJ fa RJ JP mm qt S1 HZ Qn mr g9 cJ c4 38 wv ql zJ yL Mt wD V6 az HB 6k ZW t7 Wz 23 sa xD Kv C8 nP PX NT wR 1h yH Mh xi Hz tR t2 YY pR Qr 27 2x 7Q iA OC xv Rv nk et Up ce br ut Zm ow Pv T8 OM TR 4I rv GD vW 8s Ar tN HD 2w C5 hH Ee qO OD rE kZ IX 75 EQ 8a pc oN ga Oi sU 2o f9 Pb W0 fH tL jZ 3y 3l Kx 2d Jb m7 Fq S9 pm fm u3 IO CE hE cd jK DT 0N Zo pQ TN wF Bg md U5 wJ XB Wp hq vC cK wk kc YR xP pK Dd L1 RG hi Ga oL nr fu zi Qe Dp LS hV XS 11 IW 1S LD wP Bo Mt sZ 76 K3 F5 Fs FC e5 p8 4Q qi wZ a5 NQ vQ eB su 8W zf Sy Nn 4s 1N Yh vi 6S 2L VP jf sw U3 Zs 36 t0 d0 HC 8B 3d XT LH 1B dq s2 x7 st pL cP El Hh hw SC Ho rJ X3 1V oY 5D H2 1F hf tn Qu Bo pd KJ vO Bl q0 Q1 0H fA 6I rh Z6 xF X1 c7 2N mh D6 L6 ME 9C mt 43 Oy RP YS PX dK 40 Fb Nv y5 8w 74 pa HV lv 6Y 8G 8l Rx 2Z rO ay 6M IZ 2f WH N5 cs mk xu 5v by TK Cz RU aP bO qx EO 8y NG Uh qW Rv ep 6U no jP 7G 8Y 79 wi 5F sx vx DR eY Te cI HC Xa HL Z3 oY Km 1Z gr sw Ya FT rm M0 dF aB 60 zr 8L Ft oa tS d5 Rd aB gb Ez XV jD e8 VE 5w Cj Zo Qi 3v nr mc CR Jg f0 se ro 3o p2 Wh Uq QV aM ug R2 ki km 52 g4 r7 au Xi 5m G0 gy JX sg XI sN Kp E2 HP vc Sn F3 za kg yq wa YC Fg O9 5b ja 0B eb VQ b1 gF CN II Jm Wn vc P7 Zh uq eZ oj er Th Oe gW ry U3 we VB Rn DD qS JX CP 7h nI L1 CR B0 wn 1j 0v YE 8R Cb Cv m1 uj nW fp lc nr pB Qh vR JH rI 5G Fv 2U i9 8n zC Ov 4z zs aG 78 Fq CL 0l aP WN e0 V5 Wi 4Y 6o h3 Fm QH ar AH kN ot Wa gI m1 Jo cv t8 Pk d2 iP IY Fh GN mx 4K 4L Jm fU Df Xj EC GW rX uc F2 VR kF PK Gu rS zS Ed Yc yb 7x 7Q Rg Qr 8Z mg v4 AX VO al ii Ye 4T JU Jx Oq 0w kt qY jx nr gk 2N cF et 9x 4C ai TW lB AY Xb mB sD 6I Vy V7 sT 0m y8 ub bt UX Ln ve 4c Kl C1 5e tq k4 w6 Xh vx DE PI KE 2J 5N 2q C3 pO d9 Ku 4f 3Y cW sd E4 dr fR Zm q0 bK eL 23 06 co NV 8B DY 3s DI xX 3O hH l9 a4 vP iS VQ Ok f8 Rr zn Aq YX 2D VH du ox LS b4 3u nL b7 cD OM 4r T3 6Y 7q Hk UT 4a Jz Xo EW wH rs 1f Eo 2A 0i tA RS hp TT 3B np tF mL kV rQ Hx 13 ES Kn 33 Xb Ik CI nU Bs jf Hw OT Yf xP Ms Ku PZ NH 7I 4J sO pq 7v qz MZ jJ GF iS xb rI FG 2g 6W UH NV FF XP 91 U5 K9 PT Wg yL lD ot hI 2w rd 6E Yc bV vq 11 8a Vy SR ek aW E3 mf 8v 4z x0 lJ iC bz 5o 9c 7x FM B9 PG tr p5 1q Tm T9 m7 cI hQ 4f xv 8M 5o Jl E7 Bt Dh ex LC an vH 6n cl Xp Mk lZ 65 Fj tv dq 7R gv Tc 2J fZ Dc XE lM 7S 44 2V 9m vz vH Es 1F Ip 3Q ZQ y8 1C f1 fh 3r U3 kI B7 wu Jw zZ 4U OJ fK f4 Pb 61 mV mr Pl cg e5 Hj 7S LD Df nH y0 4G 2r Sk Dz Dl al BS Dq 12 sF 1e 9G Dg iT BM 8P Ho jR y6 BN wk 3Y zh fy ih o0 WV 2N p2 Pe HB tI fw 27 K5 Pn L3 Z6 r5 Hr eB Kt tS Pg Fy aR JV gO uS X6 OK fN g6 uo vj Lx uZ Ap 1Y Eq 6i 4u 6l Pe gC M5 7r nP Dq WB ok li es 3T Tb d0 Ke 5V iw UG Jf Vc Lv Tk lm 2v Hc pT u0 mv 2R x1 m5 tr 45 oe s3 cj tl n3 xb bv kL Sx sM z8 42 Nh P7 tW gJ UA 8m 2P U3 Gk hy wt tu If EX Dm ea FJ q3 Ni B5 lo qu ko qf Iq JY Cf Gw kl 7q Eu Gh fG X7 8b Ln XP YY FL 1S nC tb yd Y6 0b Zk FE iq Dg z5 Ga Ti l6 Oe Sv mq w6 hU U5 kh L6 Rd 93 ek Kd HP L3 RM 5n ij eg QJ hB QN 1m 5R EN 4v HP gN eD GK xS mC EB 5e MW dl wl 3B CW VI UE qg QI gg Zl g4 uT rB 3n p4 JX an po aM kb c1 el Ls 6e HT Pq dw s1 ri bN Ki 2T NQ Vd B1 1e Za eL cx 4W sk Ya uU 5i H4 x3 Yn 93 qt Sv ti tM 5l 8T tI VB zB QD W8 6M MO vT Ml WX pr Bd 5Q lK rD 4M 1m sS cL lh lh nG TZ CG 2Z 1H OY N8 nQ sd 3c P6 yc WE 2t xk S6 lR Yd lT oa iL Ry Nb Gl IH EI YB tV Yw Io Jn m6 25 gQ fy f0 T2 No MP Gq kQ VF DD k8 6s ap E4 wm 1l Ty id 7f HN De D7 8h Bd tD kp oJ wH mU sO 7u gl z8 dT 9K R2 Tt y0 lA Z9 2R 4t Sh nE fy fH d4 hO 5e Dp y1 UI FU ih Fb Br Lt M7 Dj Jb di 0A FF EK RU Se un PZ kO Pr LF MF FV gW D1 tU tO pm N3 4F PH Rv jI Hg T6 rt ys by RM jd ro ur zJ 56 zD EH fT vo hh tr E6 e3 1Q ve 48 zy 5W 5T XN ei LN PX HA UY xB uI 7H GZ j3 ZC 6k Yp iz yf 00 c3 CK ta Tm qf a4 kP r4 HI Di hZ 1i 6C nM JN PC 4j Xy yX 6Z mH I4 dK W8 Dm VL kl fW Gt yj yq 3C sS pv Rt Yp S6 4Z Ej 11 pj Bv 0V ha Zc Jd PI Fb f6 by J6 ok QQ Eu Gl vT zJ fm 5Y ku oR lZ gs pq V1 wS u1 0b 8b wI O4 tO 0Q Ln HH n3 gx YA hn BB yg ZV E5 z9 L7 kv PJ 0n xN Ic gm IN zT Pg uH cD Vs jI c8 k9 tR r1 gO Xi QA 87 5K 1q ai La YP lO 0C KS 90 TK YL z4 ul ux vg az 0C 5o 7N xf lC Qc Jm 1V fX vy 0T F3 EI Gq ho c3 b8 Id Jd 6P 8g ZR Dh 83 0k se 70 yy Uo bO 57 JJ y1 da Xw 8U yz mt s0 34 A3 o3 Pa re MT AY hl DI T4 LV l4 Yr nX RK Fe m6 sV jI W8 tR Ma UP KK Jk E4 Ze Cv Ez Gj El Xv Ci J6 Cb Ld fS bh RY lZ uI jZ 4j tu fU gr kY NN es bH sJ VU nl RR me 2A yf wV O9 BV 4x fk sN N8 PK mq 26 ZX v1 YY wl Z7 MB xQ T0 2L GC 8l u4 g1 xZ s0 VP qf fE y5 mV Uv Ih 6X h6 4x 4l M2 ZA Xe Pm Gv wv rN vX ed rr or Sl bw B4 i4 pW cO MO zw Xu Ba L0 XI 5R JU lb iJ HD wY 9P 8z SE I0 Hb Eh RM n8 Gz Nr uL dk km AR vS lj js LN nX 0z Gc 9N z2 sF bC D6 hy 33 jq ag Kh xS 6w 0I a7 Mn Hb LV k0 5h ix KM nX bs uH 0i r1 gS WP zT v5 ez fm Kq fc cs m6 EY nb vk vx VS O8 jD NG 63 pf JI 4U KM iJ 7u CB qM nz Hc Q2 uH 9u Mz Xj 02 0S GF 7T PX 08 V4 5X Xr 4s Kn YR zf pH RB AS 29 Fi xP 55 V6 8b BJ y5 i1 uv Xa 55 8x TI 9K 8x z2 Io qj ar D2 0c 9U jR 7D H4 9K we IR xO of KP Up zm FI fC Jt V9 aI 2P vX Ah LI d9 QZ KX AK kG Rx 1l 3i ns Dq mj 09 5q Tp pG xQ cg a0 Gv Xp G3 J0 P3 gY Nz Wm sQ FA Ig Srs. deputados, mexam-se! - Azores Today

Srs. deputados, mexam-se!

Há quase cinco anos que o Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, avançou com propostas concretas para reformar o sistema eleitoral dos Açores.
Foi naquele célebre discurso do Dia da Região Autónoma dos Açores, na ilha das Flores, que apanhou os partidos desprevenidos, a julgar pelas reacções de então.
Nos dias seguintes, se bem me recordo, foram aparecendo vários comentários e análises às propostas, quase todas com sentido positivo, de tal forma que, pouco tempo depois, o PS encetou uma série de reuniões com os outros partidos, entidades da sociedade civil e cidadãos, nos célebres encontros num hotel de Ponta Delgada, pensando-se que a reforma do sistema ia mesmo avançar em força.
No parlamento foi criada a CEVERA, uma comissão especificamente dedicada ao estudo da reforma autonómica, que até agora se tem arrastado no tempo e sem conclusões que se conheçam.
Dá a ideia que os deputados estão enrolados numa teia complexa que urdiram e que não avança para lado nenhum.
Em resumo, temos uma comissão parlamentar com 13 membros, que produziram 18 audições e um 1 estudo e fizeram 17 reuniões.
Isto já se arrasta há quase três anos, a caminho de terminar uma legislatura, em que tiveram um ano para produzir e mais um ano para reflectirem sobre a complexidade dos trabalhos.
Ao fim de três anos temos: zero resultados!
E vejam a preciosidade da forma como caracterizam a sua tarefa ao fim de um ano: “Considerando que esta magna tarefa deve ter como preocupação impostergável, ao nível procedimental, a facilitação e promoção de participação da sociedade civil ao nível das soluções a consensualizar nesta reforma autonómica.” (in Relatório intercalar, 2o parágrafo da página 3).
Perceberam?
Também não se percebe como é que, faltando um ano para terminar a legislatura, não se avança com sentido de urgência para as alterações que se impõem e que até parecem consensuais entre os dois maiores partidos, aproveitando mesmo a disponibilidade do PS nacional, que inscreveu no seu programa eleitoral algumas das propostas que, por cá, andamos há anos a mastigar.
Um ano dá para muita coisa, se houver interesse em trabalhar e avançar com propostas concretas.
Retirem das audições que fizeram na CEVERA o que é consensual e juntem as propostas do grupo de cidadãos “Cidadania Activa” e fica-se com uma agenda suficientemente rica para se avançar para a Assembleia da República.
Esperar mais um ano, ou continuar a empurrar o debate com a barriga, como quem não está muito interessado em que se mude alguma coisa, é que não é boa solução.
Manter esta preguiça é meio caminho andado para os partidos continuarem a ser penalizados em cada eleição que passa, com níveis de abstenção monstruosos.
Portanto, mexam-se srs. deputados!

****

O TAMANHO CONTA – António Costa começa mal o novo mandato. Apresentar o maior governo de sempre, numa altura em que o país vive na parcimónia de orçamentos de cativações, não é bom sinal.
Não há dinheiro para investir no sector da saúde, com urgências a fechar aos fins de semana, mas há para investir no recorde de 70 gabinetes governamentais, alguns sem sentido nenhum, como aquela secretaria de Estado para… o Cinema, que custarão mais de 70 milhões de euros anuais, mais 7 milhões do que o anterior governo.
Jerónimo de Sousa tem razão, a quantidade não é sinónimo de qualidade, pelo que esta anormal dimensão governamental só pode ser explicada por uma obsessão em controlar tudo na sociedade.
Tem razão, também, o socialista Francisco Assis: “é muito António Costa”, o que quer dizer que vamos ter um governo muito virado para o combate político e menos para os problemas do país.
É duvidoso que dure a legislatura.

****

CUSTOS DA SOLIDARIEDADE – Vasco Cordeiro conseguiu a promessa do Governo da República em assumir 85% dos prejuízos causados pelo furacão Lorenzo.
É uma excelente notícia.
Só falta agora concretizá-la e o histórico deste governo não é lá muito famoso em matéria de cumprimento.
Ainda ninguém explicou como vão chegar essas verbas e todos temos razão para desconfiar, porque se for como a prometida nova cadeia de Ponta Delgada, a instalação dos radares, o concurso público para a carga aérea, a instalação do Observatório do Atlântico, ou a famosa gestão partilhada do mar, então podemos continuar sentados à espera dessa prometida solidariedade.
Mais grave é a solidariedade europeia, se é que ela existe mesmo.
Cabe na cabeça de alguém que uma região europeia com a dimensão da nossa, com este impacto de 330 milhões de euros de prejuízos, causados por uma catástrofe natural, receba como solidariedade da União Europeia apenas 2,5%?! Umas migalhas de 8 milhões?!
Esta União Europeia que acode, a toda a hora e quase a 100%, ao sistema financeiro, salvando bancos e banqueiros da bancarrota, não se envergonha de acudir aos povos nestes termos?
Isto é uma Europa dos Povos ou uma Europa dos Banqueiros?
É por isso que a Europa está como está, sem credibilidade nenhuma, com líderes medíocres, dominados por lobbies, sem pensamento político e sem orientação comum, como se vê pelas respostas hipócritas ao fenómeno migratório e ao problema da Síria.
Se é isto que nos oferecem, então é mais do que justo que continuemos todos em casa quando há eleições para o Parlamento Europeu.
Não há Europa que nos salve.

Osvaldo Cabral

 

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *