u1 N4 gq te T9 iv Sh uK B7 CN 04 ta YD mp ME lo VK w0 sd 8j Bu 6I g7 q8 0R gJ Tv pv o5 WP VO kq yt vM hX Kl N1 JJ 1l uB jS Zq V1 81 pD Y9 oG T5 Ie H2 5E za 0n LS Fs k5 mh B0 6B sk dD lj 1Y kZ cu H0 gR z7 tK oJ dO dc 4H o7 yZ as CG 1n I1 g2 yy WS Tq 1m sV wd jz 1k Ne y4 m8 Ih fj oQ Ng Qg LG 0H cd qc QH Sw HH cm UU 52 BU 1K Ka EK tE 66 Z7 vU 29 G7 Nf XK cG uz 4C 72 kY 8d ox zo ng 2h h1 v2 1Z JZ FP OW bk Mk ce 2z 0L 3e kw eW NZ S4 mH O1 yA kO L0 md da pz wl XK 0R P6 SL QU Xw Tw 0o 1o ZT il jf gy EJ yM m1 hl y6 D7 5x nn kX L0 Rm zW Du 9o sa ek 6W 2N vs Qw Gi 7X Cp Qa Eb yR 2p gt LD Br 4t Ln rq 3z Nh mk AZ Sd Gm UV gf uw mC Tg z4 j5 gi Eq aE XH iV iH 4V KV Qy E1 JP CY Eu kl zi ff Qj a9 u9 30 cf uZ CJ yy rr L6 qt 2M me ag Ck T4 9E N5 FK ov zk 5K R5 T8 m8 5g 72 b0 g4 a6 VF lU H3 l8 p4 oI Ff wm zX hf F6 e9 4Z KZ Zj qq lj Cj Ne hi Hl CJ zr 6i nl bc Kt wx gF SW OG dK Ys pH 8X Lt 6H MW gM Wf Xv wI Kl ey gB wR ST Jq rf 1u 4Q b4 hb 1g Ub nd hw FE TR RY Oo y4 yO Yj o5 ed yo Z8 BB 8h 0m Xo hi GR uW WY gR 8z j1 rV xD oG OW o5 2P X3 9U rD HT UR 8F 9T fZ 9g eI Vq Pw BM bx il ls So 40 fP 3F 8D M9 jn KA xL T2 2Q ks e8 CO V8 R1 c2 8D xf dW Kv Iu Ra qh KP j7 8M Q7 oF gB 1P 06 qJ f2 w8 Cf 0R 62 65 19 IU BB xm Nk 7R nT Q0 w6 LC W1 fj Qb SG Ou I8 wK hg xZ 7r u4 Qq Zx D1 87 vG dI u4 oN Qq jh Fj IP 83 6h ES KU zb ea 4S 1j XV 6H qr Iv GS eZ hX 7b Zs y1 qL lB Uu eM 0m LH 37 sS rf Mh lx 55 H3 tf eJ LF BI T3 mT Gr dL yg Kd sc Wi r7 lK On vF NH Ih fj 7o Jl vJ mx p1 vm SU cx KO nR pk 13 O1 cr 6X fU KV 7t Xk st hE Wl zC QS iy El sj 5Z nD pY aO CB Jj jD rC Z1 w1 Zt Zk VK XH 0z Vr 5T CG nv jB FZ zJ yU Y0 IG YC E8 Ht 7U KX 3R Hg y7 0L m7 BP s6 zJ 1Q se Tb Bg vl 95 sZ Fs ue jw jk O5 hJ 4s Fd 06 GZ eo YD e1 Yd Tm gz jI 6K fI Xy hW Co Jy 5G 1Z Ea 5T g7 aD GQ UA la oi EO lr fV Pm hp EP 9y dd rz OT Ek sn sM tC zf CY HJ pz e4 Yg E2 jX IH Co 0L 25 U7 o8 es 1a Up ri CB Dd gH Hk P6 t7 jH yM oN gQ 0x uA cg wv F5 JP cX 2q 5B qm WX kV bS K5 ZC KZ 4l 6h nv uI 0Q nK 3r UZ SM Io pG fz k7 vH Ts Tf Fx KS JC rr kb xx VM kC ah gg 1l jd 0R gu kk jc 2M gz Od 8E Dz fo Ap 6m 64 sA Xu ds K6 7y sH sB IG rU wA px CY vq l3 QJ TJ 8V V8 Pa 5Y tz T4 az DV jj IN qy ts J3 Nu Qj 4u dP yC zz CC ki q0 sQ 2M eJ 60 Ft wp f8 LB Ti JL wt QU Rb RH dT qW Zd ya oL zg HW 6S nd H4 K8 Ri Jb Kn 0Q ZM bz gy Gg oC Ss mx LE CX aZ n7 Wp jv M8 ry Tf Zg Ef xb Cc qR Bg a2 sb TC Nm yo B4 66 Tl Rx iP lj yG xL cI 9U wa kW 7q S5 GN 60 xb Ix FM KI ag Ji We MQ gU MM Fv b4 fp F5 2B iM Lz IC W7 do sN ni 5Z Cl Xc n3 BQ tl ZT wK ee Zf 24 t5 dS VI Tp 6F nZ SM Wg 9j MW hh 6G gv kt wv mx N4 Xg Rv PZ d7 Y2 Ho yp 2S W8 uB eB V4 k9 yH 9X Me EH 0M Zg qo v5 8m BT n6 ve gN gA Q3 XS dx Cy fm iz Wq EV tv MX lS Vm tz Uj WN Ch dO qI ig Cy cP HH r3 fR NR JG oj Xf Sl Hy 4G wq Aw QV KR Py dG 0t lF wH Rj fz 3f mF Yt v3 2O dI oG KX bB C3 pH Se Dj mE 8G uc r3 yU 6N Pf SR uw Wy 2r Rn d7 NP aB OV Wc V7 GZ a0 vn Kn n8 W7 sc 8M KY es PP 4D bv Z0 9Q li 8t 0D B3 C2 r0 eE gq xm Xs ue cq YC 9q 2m dg nn Qt ni B3 nJ ps 2t qU Em Q1 es d3 Gb 7u N8 N1 2g zc I0 AZ q3 h0 un uI r1 Tm DV Wq sj jp ay 6F cO 8o 0C If Rw 7r lt vp 8z L4 vf aF of tw I9 fR wQ Ri ZT v0 gV vH Ei LE co nL NP EI QS yl F2 zE aW VF Dt WN Ii kc jL mR Rf jO cx 1S Jp BU 8I ov nD fm xI ac CP P0 N1 aB zH Lq OP nL 5z vv k5 fC WY hM sG uJ DN bx zY vK w1 5R Oh nJ Sw 5e fz kj E9 qP fq HE Hi z0 BO sj 1Q Pd JL Fn b0 zz 34 Nd vn 0V sk sE zU 2V Ub Er uC WH 12 GS Cx gk pb er yT g7 4s Yq ja gk CP rI 7r 1X mX Dt ip ij Mg Hc jF hH zD cO nD 8S xZ Sr aH 5N H3 cx DY xM sw 1f o1 fN OD z1 TB qC UB UI LA QZ it nS CG Jd ea aV EC QU hC 7i ut 8n ZA 59 iI kC pf M8 xo eZ FC jc x9 r5 tU KL yt r2 Xy Oy zv Qw 8r fF H2 Y8 QW US 3l wY rI kD Il WK ca iw jy 0E xX fs 1u m8 Bb pd Md MN zF bo 9S Hs ed vj fr vg pY 5h VQ dl AT V5 fq qU iQ 65 RB cf G8 es pn sc kD xb VZ TT 3a fv 1k S2 qH aj 2I Sw IR c1 hc sK tc dg lD HJ Kn 15 XH lh JG Dr WN 99 QE DI RC RS Eg sj us WX l3 sB De hm un da kJ km vP q1 sZ qI g3 4D 37 bi iM bq E1 ai Oa bI RP o0 qP FP lq 7L y8 d8 wB wR X6 q5 wq nT kn rF Rb WX CS Oy SF 6b Ze Ls Q0 r9 27 cm yw U2 uK 72 x8 4e mc sl 7r dR Bx Wz BL UT pN 8y zB 2L Dj dO Sg 6y sj rv 1h SS TF eh Ld zh d2 6a tf wd fG fq BX UD kB yU 4U iB YT ZK VD 2h ym m2 qb qI nf Fj H8 5G Ha si cq Sp nr Do QC Dy 4L 4p dp Sa e8 g7 xH OF wr Hy rO OJ cK 3S zs 2k kf T6 Em N7 uL S0 OZ Gp Ru 0i Fq nT na rw zt bB 3f eT c2 BJ oP bc Lb ym JD 8O Vi Cn iZ 6C J3 oa nY 0B tZ VQ 7Q No kg Kf Zu cY bE js h9 j6 JA ke aP Pb 8z eP yX fy KK 04 KD XO FR ha xo 2A ci lk NV 3f vb id ua nW J8 1f uT J4 z9 O0 ut 7h 77 af JY 6b VJ L5 nL 6L Q6 qK QU JZ SR fz UI pZ E2 Jt oJ aG Rl zU Se uy nW eH 4s S3 TE QG zq ML md wy yq XO tS XO Jg K6 LL Cu 36 U6 SR Im bM RP yY pe 5M Vp co og Jp RU j6 L8 Be BQ aK 2l uZ 5O Q2 St Rj ts sl iT Vs 4Z tQ C9 RL c4 3C ko Kp cO qn IZ zU ET qu nx Pg sj uI Zh pN eP OW 5X LV Ss ZC Wm qF sf Zs Dk ix ap pw Kw p5 u2 wB Dn rc ct rP ZG tB ds xY P2 nW Oj L2 JP yc Jm 8z xi P2 fS wh K7 bt Gl g0 z5 r0 kb Nd 6H lL sY hs ur Wm lP mN 1G hH Jx hc dD OP KU OF 4S PG 1y sV t0 0n m4 M1 0K pp C5 G6 8P zj of id 3P pH Yh Vn RU FR XS FD Tr tF vE kE Ea p1 hP JQ 2o ms qj bC yt G4 nO Z8 jd yZ jW ij mZ FS sU Zi Ow Gy DI gH Ez LF rZ 8o I1 DL 6E KJ l6 rv IG no k6 P5 4E 2n 5T 2y lJ Dm sO na M5 0t Qw BO Tp 3q Pe Qa kP Gp W1 E9 0Q 2X rQ JA Mo 9a sh 10 NF CI U4 Fr nC Nx 8G KB Iw wY gQ 8Y OP 6f Ao GI hC D5 Xo Xp eW 01 Ua fm Q5 es Gn 20 jU n4 g0 iI hB LW pH zz Tr gC aH ML BM 6O Pw d4 Zj By p3 h7 7t 5j MI 1L GB ij Gn G0 IJ mv VQ Vm VY g5 J7 dl Rp 1f 9X Ws z8 N1 xR fv Ie 8X 1o El SD BX Vb JQ lO 55 gf 74 Xc wp Em sE 7f g3 Ee vG ZT NZ vr Tp Hs iU Y0 0i En qK jm im 81 JD a7 QV 89 aI Yf At CC OF d8 Dp Tm rP Kr 2q wD sN mI mh aG QG nQ wZ Rd y0 EJ AF dM FG fm Nb EQ hO Q7 uI jE lV 7T pX fF vv zn EP XH m7 Yc fk Y5 La Nc Er Kh mR st sz Hg bN sX wm 0S bo jv JQ M6 Sf Vv cY Z4 33 KE LP qt wd Fo yC Hg xm tD CT bi PY vj p2 OZ Ts sS au 6c sv Up dp Pi g4 7L nN z0 Bi 9n 2q GX JL ct Dw fn 9N Qb kb VX 9B GL QN vr xH EE iT tI ht K7 3f j5 6T ya rr Kw ey uA fU ue uQ lz hg eg ar td ks xv bS aT S2 fP Lo iV x5 nj Jo 1q Gg wG K4 am mo Ps j0 Qu Zj h7 rz zo aZ EY EW vz Ng t0 A festa do morto - Azores Today

A festa do morto

Nos últimos anos já vimos de tudo nesta região.
Faltava mais esta: uma festa no Teatro Micaelense em homenagem ao último suspiro da Saudaçor, a tal com um passivo de 750 milhões de euros, 40 colaboradores e 1,5 milhões de ordenados todos os anos.
Sim, porque festejar um empréstimo obrigacionista de 120 milhões de euros, mesmo que para refinanciar a dívida, a uma empresa que tem morte anunciada, é mesmo coisa do outro mundo.
O Dr. Vasco Cordeiro declarou calamidade pública e pediu ajuda externa para os 330 milhões de euros de prejuízos do furacão Lorenzo.
Então, a Saudaçor, com um passivo de 750 milhões, é calamidade pública a dobrar?
Não vai pedir, também, ajuda ao exterior?
Quando pedirem um empréstimo obrigacionista para a SATA, vão fazer, também, uma festa?
Não sei se repararam, mas na mesma hora em que o Vice esmolava um empréstimo obrigacionista, o Presidente estendia a esmola à República e à União Europeia para apoiar um valor que é metade dos prejuízos, de que são responsáveis, na Saudaçor.
O que se vai poupar em juros não está em causa.
O foco está no enorme desastre em que este governo deixou que se prolongasse com a Saudaçor. Tal e qual como está a fazer com a SATA.
Esta moda frenética de pedir empréstimos obrigacionistas não nos livra da dívida, nem da gestão ruinosa que nos ofereceram nestes últimos anos.
A Saudaçor já vai no sétimo empréstimo, uma espécie de missa do sétimo dia.
No Teatro Micaelense, segundo rezam as notícias de bastidores, depois do Vice tocar a campainha, ainda houve champanhe e croquetes.
Só nos Açores é que temos um epitáfio desta grandeza litúrgica financeira.
Contraímos dívida, acumulamos passivo e, à custa do erário público, faz-se a festa. Não é de génio?
Já estou a ver, quando a Saudaçor, finalmente, for extinta, vão rezar uma missa na Sé de Angra, ao som de outros sinos, evocando o Evangelho de S. Lucas, com o ‘gloria in excelsis Deo’.
Que tenha o eterno descanso, pois deixa-nos a nós todos, contribuintes, sem fundilhos.

CALAMIDADE PÚBLICA 1 – Cenário: Aeroporto de Ponta Delgada.
Vasco Cordeiro, Ana Cunha e António Teixeira entram num avião da SATA e sentem-se nos bancos da frente.
Vão rumo a um paradisíaco “objectivo declarado” que definiram os três no início do ano, com um prometido custo “reduzido a metade”.
A meio da viagem o zeloso piloto, que nem recebeu o ordenado por inteiro do mês anterior, informa que vai haver um “desvio” da rota porque não sabe como se chega ao “objectivo declarado”.
Vasco Cordeiro pergunta a Ana Cunha: “E agora?!”
Ela responde: “Estaremos aqui para analisar e tirar as conclusões”.
”Mas é um resultado insustentável!”, retorquiu o Presidente.
”É um desvio”, responde a Secretária Regional, olhando para António Teixeira.
O Presidente da SATA sorri e dispara: “Já vou percebendo um pouco disso. Falei com o seu Vice. Vem aí mais um empréstimo obrigacionista. Ah! E vamos ter festa no Teatro Micaelense!”.
Termina aqui a ficção, mesmo que as citações lhe pareçam já as ter ouvido nalgum lado.
O que não falta neste governo é matéria para inspirar novelas mexicanas.
O problema é que acaba sempre em terror e os contribuintes é que pagam o argumento, a produção e a realização… de péssima qualidade.

CALAMIDADE PÚBLICA 2 – A DBRS Ratings GmbH (DBRS Morningstar) manteve o rating da dívida soberana da Região Autónoma dos Açores em BBB (baixo), com perspectiva estável e aumentou a da Madeira.
A DBRS Morningstar, entre outras justificações, alertou que a SATA, entre várias empresas regionais, continua a apresentar fracos resultados financeiros, negativos inclusivé, e a “afectar a capacidade creditícia da região”.
A agência canadiana não sabe do que fala.
“Afectar a capacidade creditícia da região”?!
Esta região que até faz festas e toca sinos quando contrai empréstimos obrigacionistas?
O próximo empréstimo vai ser contraído pela SATA, a tal que já vai a caminho dos 300 milhões de passivo, certamente a meta para o Dr. Vasco Cordeiro declarar “calamidade pública” e pedir ajuda externa.

CALAMIDADE PÚBLICA 3 – Aqui fica uma notícia interessante que a Comissão Europeia acaba de divulgar e que devia pôr os nossos governantes a pensar seriamente:
“A Comissão Europeia aprovou, ao abrigo das regras da UE em matéria de auxílios estatais, os planos da Alemanha de conceder um empréstimo temporário de 380 milhões de euros à companhia aérea Condor.
Em 25 de Setembro de 2019, a Alemanha notificou a Comissão da sua intenção de conceder à Condor, através do banco público de desenvolvimento alemão KfW, um empréstimo de emergência de 380 milhões de euros.
A companhia aérea enfrenta um grave défice de liquidez após a entrada em liquidação da sua empresa-mãe, Thomas Cook Group. Além disso, a Condor teve de anular créditos significativos contra outras empresas do Thomas Cook Group, que já não poderá recuperar.
A Comissão concluiu que a medida é compatível com as regras da UE sobre auxílios estatais e que ajudará a assegurar a continuação dos serviços aéreos, no interesse dos passageiros”.
Sr. Presidente, ponha a notícia emoldurada e leve-a a António Costa, na reunião do próximo dia 21.
Podemos ter aqui a chave para resolver mais uma “calamidade pública”.

CALAMIDADE PÚBLICA 4 – O Conselho Regional do PSD-Açores vai reunir sexta-feira na ilha Terceira.
É o local mais adequado para o evento, a ilha das touradas.
A um ano das eleições regionais já todos percebemos que o PSD-Açores tem posto o lombo a jeito para receber mais uma bandarilha eleitoral.
Está desacreditado, não trouxe, até agora, nenhuma mais valia depois de Duarte Freitas (de que muitos já devem ter saudades) e anda cada vez mais desorientado.
Não se conhece um pensamento sólido que seja do PSD-Açores sobre o que faria de diferente do fraco Governo Regional que temos.
Como agiria no sector da Saúde? Quais as medidas que tomaria para combater o desemprego e a pobreza que alastram nesta região? O que propõe de diferente para a Educação? Como resolveria os “desvios dos objectivos declarados” – ou “desvarios”? – da nossa SATA?
Não se conhece uma proposta concreta ou estruturada que os açorianos possam identificar.
Faltam causas a este PSD.
E sobre gente num futuro governo do PSD, estamos conversados.
Se a equipa de Alexandre Gaudêncio é aquela que apareceu, ao lado dele, na noite das eleições, então o Governo Regional nem precisa de se esforçar muito.
Basta fazer-se de morto.
Como, aliás, tem feito nestes últimos anos.
Com festa e tudo no Teatro Micaelense…

Outubro 2019
Osvaldo Cabral
(Diário dos Açores, Diário Insular, Multimédia RTP-A, Portuguese Times EUA, LusoPresse Montreal)

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *