Festa da Serreta promete animar a ilha Terceira desafiando peregrinos a serem evangelizadores no mundo

Festa da Serreta promete animar a ilha Terceira desafiando peregrinos a serem evangelizadores no mundo

21 Agosto, 2019 0 Por Azores Today

Festa da Serreta promete animar a ilha Terceira desafiando peregrinos a serem evangelizadores no mundo

Ago 21, 2019 | Manchete

Santuário começa a novena preparatória a 30 de agosto. Festa termina no dia 12. Bispo de Angra preside no domingo principal das festas

O Santuário de Nossa Senhora dos Milagres, na Serreta, na ilha Terceira volta a vestir-se de festa para honrar Nossa Senhora entre os dias 30 de agosto e 12 de setembro, sendo o dia principal da festa presidido pelo bispo de Angra, D. João Lavrador.

É a primeira festa da Serreta organizada pelo atual reitor do Santuário, Pe. João Pires, que numa entrevista ao Igreja Açores que pode ler aqui e na qual desafia todos os peregrinos a serem novos evangelizadores.

“Para peregrinar há que ter em conta que não se trata apenas do ato de caminhar (no caso da peregrinação a pé), ou executar um trajeto com um determinado número de quilómetros. O peregrino caminha motivado “por” ou “para algo” transcendente. A peregrinação tem, assim, um sentido e um valor acrescentado que é necessário descobrir a cada pessoa que a executa” afirma o sacerdote que escolheu para tema da festa, juntamente com a temática dos dois santuários cristológicos- Santo Cristo, em Ponta Delgada e Bom Jesus, no Pico-, a frase da Primeira Carta aos Corintios “Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho”. É, de resto, a primeira vez que os santuários diocesanos adotam um tema comum para as suas festas principais.

A festa da Serreta, uma das principais no contexto da ilha Terceira, mobilizando milhares de peregrinos que percorrem a ilha apé até ao Santuário, começa com uma novena preparatória, em geral pregada por vários sacerdotes.

O 1.º dia da novena é dedicado às Direcções e músicos das Filarmónicas da Ilha Terceira, com animação litúrgica a cargo da Filarmónica Recreio Serretense e Grupo Coral da Serreta, sendo o pregador o Cónego Ricardo Henriques; o 2.º dia da novena é dedicado aos Grupos Paroquiais da Mensagem de Fátima das Ouvidorias da Terceira, com animação litúrgica a cargo do Secretariado Diocesano da Mensagem de Fátima através do sector Juvenil, sendo o pregador o mesmo sacerdote; o 3.º dia da novena é dedicado aos Grupos Corais, com animação litúrgica a cargo do Grupo Coral da Sé Catedral de Angra, sendo o pregador o Cónego Ricardo Henriques, que é também o ouvidor de Angra; o 4.º dia da novena é dedicado aos Leitores, Acólitos e Ministros Extraordinários da Comunhão, com animação litúrgica a cargo do Grupo Coral de São Francisco Xavier do Raminho, sendo o pregador o Cónego António Henrique Pereira que também pregará o 5º e o 6ª dia da novena, que é dedicado às Equipas de Casais de Nossa Senhora (ENS), com animação litúrgica a cargo das Equipas de Nossa Senhora e aos Catequistas das Ouvidorias da Terceira, com animação litúrgica a cargo do Grupo Coral de São Pedro dos Biscoitos; o 7.º dia da novena é dedicado aos Idosos, com animação litúrgica a cargo do Grupo de Amigos da Fonte do Bastardo, sendo o pregador o Pe.J acob Vasconcelos, que pregará também o 8.º dia da novena, dedicado aos Franciscanos, Misericórdias, Cáritas, Núcleos, Vicentinos e L.I.A.M, com animação litúrgica a cargo do Grupo Coral das Doze Ribeiras, sendo o pregador o Padre Jacob Fernando Nóia Vasconcelos; o 9.º dia da novena é dedicado ao Corpo Nacional de Escutas (CNE), com animação litúrgica a cargo dos mesmos e será igualmente pregado pelo Pe. Jacob Vasconcelos.

O dia 8 de Setembro, dia em que se celebra a festa de Nossa Senhora dos Milagres na sua Natividade, tem como ponto alto a Eucaristia das 16h00, presidida pelo Bispo D. João Lavrador, Bispo de Angra e com animação litúrgica a cargo do Grupo Coral da Serreta e Grupo Coral da Sé Catedral de Angra.

Serão, ainda, celebradas outras Eucaristias durante o novenário e no dia 8. Assim na Sexta-feira, dia 6 de Setembro, pelas 24h00 haverá uma Eucaristia dedicada aos Cursilhos de Cristandade, com a animação litúrgica a cargo dos mesmos e presidida e pregada pelo Pe. José Júlio Rocha. No dia 8 de Setembro pelas 00h30 Eucaristia dedicada aos peregrinos, sendo presidida pelo Reitor do Santuário e pregada pelo Diácono Francisco Henrique Lima e com animação Litúrgica a cargo do Grupo Coral das Quatro Ribeiras. Às 06h00 da manhã Eucaristia dedicada aos peregrinos e presidida pelo Reitor. Às 10h00 Eucaristia dedicada aos peregrinos, com animação Litúrgica cargo do Grupo Coral dos Altares, sendo presidida pelo Reitor do Santuário.

A par deste programa religioso intenso há ainda animação cultural com uma noite de fados, stand up comedy, touradas e a tradicional animação da segunda feira da Serreta.

A solenidade de Nossa Senhora dos Milagres teve origem no século XVII e está ligada a vários momentos difíceis da história do arquipélago e de Portugal, com as comunidades a virarem a sua esperança para Maria.

De modo particular destaca-se o período em que Portugal se viu envolvido na guerra entre a França e a Espanha contra Inglaterra. Numa altura em que a Ilha Terceira não tinha qualquer tipo de fortificações e estava quase indefesa, a esperança das autoridades e das pessoas voltou-se para a intercessão de Nossa Senhora dos Milagres, cuja imagem estava colocada na igreja das Doze Ribeiras.

Ficou a promessa de que “caso a ilha não sofresse qualquer investida inimiga”, a comunidade iria promover uma festa anual em honra de Nossa Senhora, o que veio a acontecer.

A primeira celebração dedicada a Nossa Senhora dos Milagres aconteceu a 11 de setembro de 1764 mas esta devoção afirmou-se definitivamente a partir de 1842.

Se esta peregrinação começou como um pedido de intercessão ou proteção contra a guerra, hoje as orações das pessoas vão sobretudo ao encontro de dificuldades sociais como o desemprego, a doença e a crise nas famílias.

Estima-se que, ao longo destes dias, cerca de 12 mil peregrinos passem por este Santuário da Serreta, que há 13 anos foi elevado à condição de santuário diocesano pelo então bispo de Angra, D. António de Sousa Braga.

Fonte: Igreja Açores