Dia dos Açores

Assinalamos na próxima semana mais um dia da Região Autónoma dos Açores. O significado desta data não pode continuar assente em meros discursos de circunstância, sempre inconsequentes e insistentemente adornados por meio de diversas citações de poetas e escritores alusivas à vivência de um Povo que há quinhentos anos optou por permanecer nestas Ilhas e associar esta celebração à Segunda feira do Espírito Santo.

O Presidente do Governo tem o dever de falar claro sobre os desígnios da Autonomia e comprometer-se com a adopção de propostas concretas para elevar a sua qualidade, não só mediante a introdução de medidas de combate à abstenção eleitoral, como também das que se revelam indispensáveis para fomentar a participação de cidadãos independentes na política.

A Autonomia não pode permanecer refém de uma casta de políticos – pouco credíveis, segundo o recente estudo da nossa Universidade – que apenas irão contribuir para o seu definhamento.

A Autonomia é do Povo dos Açores, que anseia pela melhoria das suas condições de vida. E que quer ser respeitado!

 

Pedro Nascimento Cabral

Ver também

Para trás do sol posto, se lá houver vagas

Por Carmo Rodeia Volto ao tema do covid. Este fim de semana, a ministra da Saúde, Marta Temido, e o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, cada um a seu tempo, admitiu, que todo o sistema de Saúde, incluindo SNS, setor social e privado e estruturas de retaguarda, está próximo do limite. O presidente […] O conteúdo Para trás do sol posto, se lá houver vagas aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *