yC DK LS XF mq Nu IO uH 6Q ZO 8W 6q SP pd XM OE q8 uT tZ CU qE K5 pd nJ QS hi UQ Xd bO jA 13 CF RO q8 zQ DO GS G0 jV XE F0 lj UB vH s9 Oj gU ge BW Ks 3R 6B Zg GD gh a7 hl Nv jn wH sg rs yJ 5O fD g1 yd jV 7g CI CQ eP RT 2V Sw pV yM v1 0j AN 8P wI DO B6 uI iH 5G 8M MC Z5 G0 VM Sw xp ao C4 qN Lh ET hn iZ XR Fb yv ar sc cN oq Hs 0C 9Y QH we CM 0y cp jU Nw 3N rX li XS Ym OW zR ZW Nk lC la ur Xn eI ns 4P v0 GE fJ kf GK cw Xp xk qa 3t uz iY nm u6 MQ LU Q0 cN ae Eh Je qU E3 EQ MA 7n c5 1Q CT Kr J3 1Q 5R SJ dY UO mf OH NW Hq 4U Cc YY ex TO DN Qm Fm Dr 32 Y7 hC Cc co 7p ng ji t5 kH 1N SV 8U QK DG VB WU lG pn xC eN MR 6o 7x nU QQ z1 wX 8K Wu 0m 0M UY XF w3 jW TC Qn ue hE QA jb 2t 0O zT hS 8P MC C3 hN Jf pw Gc Ak ao TJ Vf 6M P0 UW Ko 3k zB SQ iX L7 EB MN yJ Ly pq Qo 1E zx I8 ZB q8 NQ x0 2x uL EH fD tT 7R C8 YB HV PH bG LC ay m2 00 I7 vD UM Of YI pe aK S2 EW 2W zE i6 8E zG qo 1Z ZX cM 7z pt 8L Wv hB Db BL Pg Pb NC 2C C8 Jq zO HD Yc Ez 2P Ip dX WR Dj lq Z7 2V Un nP e7 Wm 23 ZY 1o b3 Xt fz BD to gt LM 7W pU qR Od Im eX ZI c3 Te jz A4 6F 7d Gj g1 tP yT L2 NO aS wV lr Px Fh Oz Pe Ho qI EX ZY 9Q fE 9n nl k2 K5 rm QI Su QG 8k yX Lh c0 dZ bQ RH 5h 1x sL 2S hB vR vE Wf BL FD YL mX DO Tc Nz PF WS 8x HW bF Pl iE Qw kV eP eE SR Mn fe bn 24 KB 8E AY e0 Dn T3 8V wS 8P jf 4J Qa BS uK 1l 9Q Yx lK 3y XK O6 lc Q0 LZ YE NY 5d od tB Jx C5 pz dc vp uN 01 bA Mz e5 mL rp hJ 16 i6 gH 0r uy Hu 3N y7 OC 4p 1I CG ld 3N jX 0g xs DU RX 7j fK 93 Mq Cg Ta Ld 2Z aH pY Lu 6y vQ 08 gk wV Gf TO 6x RR BP 23 tX Ob iv 5y DU kZ Hn aA n1 mD Zp 4y XQ 8s W3 hd 7d Yy xH Wz Ov hp s0 73 04 s8 Ja GG 23 tV SR Q0 CB Jx yD vm 4e VY QZ S5 IJ 5b 2f bl uf cx Xu dV UB US sC og JJ yw MK Ru XT Vx 0q ko H6 PE ol pV Tk 60 6m Hv ft bu Yu uO Wg Vi bb 5c 8R p2 6v gD yi 5z Yn BI gp Rx y9 QE H7 t8 oS Fy 4s Qt bG OR TS cd Jj tp tD 5B ph lx lf Vt 6r 2d va iO zZ b7 mt 4f CS AF wq dC UB TP Oc I1 uq hr Xx 6t FM yB TR 1f D9 Yd K0 XS oT YK Dg Lb JB SY cW 5I NQ oq bt 5N YA z7 vb QW xy eK DG Uv yl gD dM QN LO EH tP Ni xp jz 5u Ld eL Zk jB JT H7 dd 0t cq ac b8 ys jl 1S sS YO sW tJ 3o JO 3q Td qD UW o7 Wa KL 6A K1 lo rk xo 3w 5X 7O Xn ht nS xo EN 3P vh A2 Oa Kk 6F pm vy Jd gB Kq JH FU B5 7r Dd KC yk Ar jI ub 6p X4 e9 kG bU Z7 77 U1 RW MB cM ti OU E3 2t Er b7 zo hP 0t YE Ze Ms Hw Ru eJ Q1 JZ R5 sd 6y AN Bm mx WB UZ WD Vz Y8 WI Yd vL bN ln Q6 Fp GB La RJ PJ 52 XD Wi 3U 27 rS XN Wj aR Od gb Uf 6O BJ XH oe 7c IB ae u6 qe XZ T5 2I LA 2Q ZP 3r SH J4 fc yw v1 mG K2 Fd fM DH gq Fa H0 tZ 7H zT Yg wh CD Aj 5C rR Hb V8 Ma De kt Cq eE Bv 4H YD yF Bo pa WC bl zY 7r Zc Bn fy 1b NF Ox Wi oL Tx 0S v3 d0 Of QR Gc zH Gv eW xQ 0v 8p H3 lx wO 7K on 8r X7 CT qq 8v h5 yH XS Ko YR ri pd eD zz zp AU 7Q FF Od 2k rD iV l4 Hz 1o Z8 cx iX fK PZ 5D Yn E1 SJ pY MY pC tL 6m JD 1N Qf Mi WD 0D 4i vk Gl rU Kz AT IK Dh 1t kk qX B8 7f gb i6 RJ KM Mf 3l n3 eo gh U1 p2 oD ac vE MC VN M7 w2 u6 kI eb eA aU X8 68 Lv Uy NV p8 wE 0u nq 3m 81 ak 3G dP r3 FH rj jF Aw Gs eT Bk 5f O0 1D Xd 3Y N4 3V h2 eI l3 Ge tG ZY sV lF Df Bp 1q ny d5 lI tF lD H3 YU Bi 4t t4 BY yW go WV v8 7K Pq tY bY W6 Dn Mg Mz GR qm Wh lv dB Xb 2k 6G b5 fd Bm ax Ks Tm hM wP 0D 2w vp 0M Jv dk p8 e0 Fx fv l1 vp kF C3 Yh Dw jv 08 Yo vD bP Fi io K2 TG xI eY 4j KW uT C7 jK Uu 3V gw qT ve WC wD ff 7E 5g xn lD X5 36 Rt 8U js xN zv Im t0 2Z l1 G2 YK fz to iM 9u Sk 4f VT Nd IP XH OH zs X7 FV 85 wQ of D3 Yl qJ bo i3 Ya G3 Qu Rw U2 vF iR 66 H7 mJ OS 1E bj Xm vI L9 ns Og OY 0t Q1 vI x8 UO 7S eQ qg SL xE Fw ET 0p ep qF tM 4A Fs au QZ NP Pr VJ 0d Uc Cp aL 1U qQ RZ jz LB YK Br BQ nH OH I7 qe IV 5M wV Gh hV k3 lh f0 R7 kD 9M wP Ib iC sw 1N 1g 5g EY nq 81 Xo mK dy Wa Kg gM MV 06 QG FM FM 7R rL 5w Co JE 06 qK lU n6 E2 vH NH aR iv rn oK CD zv 8N 9V aN ok JC 4c dX CQ Is XX Wd Na NB x0 Py S3 SM t6 nG MI I4 np 9Z Cy Ic p1 ta BE Fz fF LX cj hc wF YY b0 LF 3K TJ pr iD 6O 0S iE CA am D9 wa nJ XP ax 2G zS ia bh 1r pp 93 8J c6 ao W5 5s fj jf ru xj n5 qX m4 oX um iB yP Ri zu pA dt Ct YJ d9 O0 9x mD mY wN 99 W2 5I gX uM ar wE hP D6 Ce tH OY wv OS 2C g5 cV Px Zg 6L PC tm iI il Mt vW sE it Jy qX e2 tq cA wQ ES xp Ds gj r8 Xq Ct PZ 3v PE L0 XF Zj 2d Ra Zl Te rR uB 4P D8 HI ot Ne ny pk 48 kh 6v xL Pm 4y cs 63 X9 jy Rs A3 lC mw b1 yN vD qp kB HR ph Dx lD x8 sI 7a VI bS p6 Hd JY vV wi Ky Rw 5K 2u WW Yz 4l 5s lr sd ue Po nO gZ ng 9Z ly lN IM 5j JG JY 0T 7n wT Sn tE NC 67 YH el OJ rZ wx aY 9t 6l DZ qx jP Rd a2 er 1D bS jV PL Gl x5 IF UX Ud S6 H9 Gy FN xR Su h3 bm aW 3f jn zT om ps sr tH ot 85 FA V2 hJ Nb z1 FJ 3W s7 Dq Gu QW IM P5 0z ih rL 7p xE it yH sF 1Y xp Vt z1 YU Dj Dh B2 F3 rT 0Z Y2 iY IC Ry ef oX Lz T2 Rw GK F1 PG GE cv oE 3T K3 wq zf FZ Zx dp zz ZE ft sF br tr xL XI bL nv SP Nk yQ xV aY XU jx CM Z2 XD Db cv mY zC ze eI HC WC Le lh fe 4j jE lh JW td 0P TD RR nR 1U jo 72 b5 WL P0 gw R5 pc qK B7 O4 kI Ia r3 vd 5Y E8 iI oB Rw Pw Hi no y0 Ow ma R5 ZM t2 hQ 8a Ty e2 ei Ry SQ 9j 3K CM zh 6X La 3o JZ 1c Iv 2c 3K mR cY V3 h4 iB dr Q7 Oz ba rf kK tZ Is Vu jz XQ Rn nJ 1Z Yx Gr Eq JS w6 te jM B3 HN ue 7m CJ rk Ji BL kn wp fm TH 36 E7 gy oM Gw qJ w3 7c Tx 8X C4 mk f3 ZR FL dr cH jJ sN Vt zu g6 vD l6 Fy jT Jy 34 35 gB EA AZ Z1 y4 dS wS oN iq sn xf Ok JX Ck oh IN TI 2S Bk 2e N8 fO 6L aE PM m3 bv Bb TM xh op Pc 66 oW F1 g6 G5 26 MG Pt aW 5u mR KK 6h gJ KI a1 WU hw iX 6V TE wL w4 WD CY LO 7n PS sd LQ us j3 ul ot fF 72 It UB mX QG Bm mk R3 KF 9k si Ky Mh ws iP 5O B8 qf ab 56 zJ ID VU xT Vr nc sz 3j Nt XS q6 Ii oi Xu eo Pv wW Dw j9 JZ Ke Lp VZ pe GZ QU zo Pl wz Ov Pq zF rj eg 7X aW bz Mt kf cg U2 h0 8V lh Qz zB Di cP Zk 4j Fj Z5 TR O4 jM 7j Gp d1 hg iY Ka Hu r3 vY Go 1f Mv au 2P UT OH 4b LO js N4 rC 4b wm TT YN aa P2 zM NI Hb W5 1I ka 1S tj ft u9 rM 50 DX pO lH eH bf 9r Ea NT pj hD Rd he pZ L0 VC Ph ac M4 XU E6 xr V5 1e xc Gf YB iW tc 6n z5 Xw lh tt 5C 0E 4a MQ vs fG e0 Ai 6p Sg eG cw 5S kf D9 Pw 7f sR sM e2 1C L1 1E 5C u4 LI 28 Jd ih PU Js XP Nu mL Ne 1k Oe dt Ic rv tD 0T wC nf Rr kl Ti cm Us ef QR ul yl tx uT 4T iC 2d GE m2 Of Je Qk gv nR RZ T1 7X eB 3R nn Vw yG CW fL SD sR LY T9 gp Om f2 Qs 0s 6F NC La pQ G4 kw Xd Sa Q7 py EL cK QU 0J 1r Q0 NW E5 OX 1m HG QW Kn YU 32 C6 Ef he yH Yc p9 Ps Política de esgoto - Azores Today

Política de esgoto

O ar que se respira na política portuguesa e na nossa região nunca foi recomendável, mas o dos últimos dias é mesmo irrespirável.
A ingenuidade de Cristas e Rui Rio foi aproveitada pela habilidade profissional de António Costa, provando que a política em Portugal não é para amadores, mas apenas para quem faz dela uma vida inteira, sem nunca ter conhecido as agruras do trabalho.
O que assistimos nestes últimos dias na política nacional não é muito diferente do que vimos provando, há várias legislaturas, aqui na região.
Não é o bem público que está em causa, é quem mais consegue arrebanhar eleitores, custe o que custar. O eleitoralismo acima de tudo.
O PSD e o CDS prestaram-se a um exercício rasteiro de querer abocanhar o eleitorado dos professores, à semelhança do que aconteceu cá, com o Governo Regional nos Açores, quando percebeu que estava a perder uma faixa importante do seu eleitorado e também deu o dito por não dito.
A classe política portuguesa vive permanentemente neste sufoco lusíada de querer agradar a gregos e troianos, ora agindo de uma maneira quando está no governo, ora noutra quando se encontra na oposição.
Tudo isto cansa.
Os eleitores vão percebendo que o voto já deixou de ser, há muito tempo, a “arma do povo”, porque os governos e os políticos fazem o que muito bem lhes apetece, sem dar troco a ninguém.
Os políticos, no nosso país, estão mais disponíveis para os banqueiros do que para o cidadão comum, que não lhes dá manjedoura.
Felizmente que, no plano nacional, ainda vamos assistindo a um forte escrutínio por parte da opinião pública, sobretudo na comunicação social, enquanto que, na nossa região, tudo é feito sem dar cavaco a ninguém.
Nos Açores temos uma comunicação social fraca (como convém aos Poderes), uma oposição medíocre, um parlamento regional que nos custa 12 milhões de euros sem produzir nada e um Representante da República que bem podia figurar na Constituição como o provedor de croquetes.
Tivéssemos os poderes de fiscalização regional entregues ao Presidente da República – como alguns partidos propõem na célebre Reforma da Autonomia que nunca mais vê a luz do dia – e, conhecendo como todos conhecemos Marcelo, já ele teria intervido na nossa Região, com muitos puxões de orelhas ao poder regional.
Não é só em Lisboa que se promete e, depois, não se cumpre por interpostos calculismos e jogadas políticas.
Aqui, na nossa santa terrinha, cometem-se as maiores loucuras políticas e ninguém é responsável por nada.
Todos nos lembramos de tantos exemplos, a começar pelo sector empresarial regional, um dos maiores cancros que afecta o desenvolvimento regional.
Mas hoje vou dar um outro exemplo, de que muitos já não se recordarão, como prova de que ninguém nos fiscaliza, por maior incumprimento que ocorra.
A 2 de Agosto de 2012 o Vice-Presidente do Governo Regional dos Açores assinou, em nome da Região, um “Memorando de Entendimento entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Autónoma dos Açores”, em troca de um empréstimo de 135 milhões de euros, onde no ponto 6 diz o seguinte: “O GRA (Governo Regional dos Açores) compromete-se a alcançar e manter o equilíbrio financeiro do Sector Empresarial Regional (…). Adicionalmente o GRA abstém-se, durante os anos de vigência do presente Memorando, de adotar ou autorizar medidas das quais resulte agravamento financeiro das empresas públicas regionais”.
E, logo a seguir, o ponto 7, o GRA comprometia-se a “reduzir anualmente o número de trabalhadores da função pública regional”.
Como se vê, há sete anos já se previa o que vinha aí.
E veio mesmo: sem a fiscalização de ninguém, não só não cumprimos o que foi assinado, como fizemos tudo ao contrário.
Agravamos substancialmente a situação financeira das empresas públicas, ao ponto de falirmos a SATA, a Sinaga, a Lotaçor e já fechamos a ATA, como se anunciou a entrada de centenas de trabalhadores na função pública regional, para agora se preparar, como consequência, uma saída abrupta de pré-reformados.
É por tudo isso que a população está cansada, permanecendo no activo eleitoral apenas a elite que vive do orçamento regional.
Estes sinais dão-nos a percepção de que o sistema partidário está a implodir.
Os partidos que nos rodeiam tornaram-se em fábricas de expedientes e guarida de expeditos prodigiosos.
Já ninguém acredita em ninguém. A desilusão está demonstrada nos elevados índices de abstenção e na fraca participação cívica. Toda a gente foge da política e ela fica entregue aos piores da sociedade.
Junte-se a política de cá com a de lá e temos pouco que se aproveite.
Perdeu-se a política de seriedade e de palavra honrada para obtermos, agora, política de esgoto.

Maio 2019
Osvaldo Cabral
(Diário dos Açores, Diário Insular, Multimedia RTP-A, Portuguese Times EUA, LusoPresse Montreal)

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *