DESCOBRINDO PADRE MELLO – Da Ribeira Chã a Bom Jesus de Itabapoana

Por José Pacheco

Hoje, 27 de Abril, celebra-se o 156º aniversário de Padre Mello. Mas quem foi esta figura e que importância teve para nós ou para outras culturas?

António Francisco de Mello, nasceu no Lugar de Achada Grande (actual freguesia da Achada), concelho de Nordeste, ilha de São Miguel, Açores, a 27 de Abril de 1863. Filho de camponeses de nome Mariano de Mello e Roza Maria de Pimentel.

Frequentou o Seminário de Angra onde termina os seus estudos sacerdotais sendo ordenado sacerdote a 28 de Agosto de 1888, com 25 anos de idade.

A sua relação com a Ribeira Chã inicia-se em 1890 com a sua vinda como capelão local. Esta permanência durou até 1895 deixando algumas marcas que ainda carecem de serem estudadas e divulgadas.

Rua de São José, na Ribeira Chã, onde viveu Padre Mello durante a sua permanência nesta freguesia açoreana

Do pouco que pude apurar até ao momento, residiu na Rua de São José, possivelmente onde vive a família Flora actualmente. Quando ruma ao Brasil deixa a sua moradia para a família Amaro, segundo relatos dos descendentes, mas ainda uma informação escassa e imprecisa.

Segundo os estudos do historiador Miguel Amaral, o Padre Mello teve um papel fundamental durante uma epidemia grave que assolou a Ribeira Chã, durante a sua passagem por cá, tendo uma função de quase médica, em que conseguiu salvar muitas vidas humanas. Assim se confirma que este sacerdote era um homem culto e de grande inteligência que também sabia colocar as suas capacidades ao serviço das pessoas naquilo que é o bem mais precioso: a vida.

Outro facto interessante é o do Padre Mello ter sido o autor do Hino do Seminário Episcopal de Angra.

Após este período rumou ao Brasil onde desenvolveu um grande trabalho cultural, social e espiritual na cidade de Bom Jesus do Itabapoana, até ao seu falecimento em 1947.

Busto de Padre Mello em Bom Jesus de Itabapoana, no Brasil

Esta cidade com pouco mais de 35 mil habitantes, mantém muito viva a memória do Padre Mello quer através dos vários monumentos e toponímia com o nome deste ilustre açoreano.

A ligação com os Açores manteve-se constante através do Culto ao Divino Espírito Santo naquela cidade, que perdura até aos dias de hoje. Introduziu elementos da cultura açoriana, como o Hino do Divino Espírito Santo e a entronização dos Símbolos Sagrados (Coroa, Cetro e Bandeira) na visita às casas.

Mas Padre Mello foi muito mais que um sacerdote. Ele foi um escritor e poeta; redactor do jornal “Meu Campinho”; músico, engenheiro, historiador e, fundamentalmente, um grande líder comunitário e espiritual.

A importância de Padre Mello foi enorme, se bem que por cá há muita pouca informação e até mesmo interesse sobre a sua vida e obra. Todo este puzzle tenho montado ao longo de vários anos com a preciosa ajuda do historiador António Borges, um estudioso desta figura e um entusiasta da sua celebração e homenagem, na cidade de Bom Jesus de Itabapoana, no Rio de Janeiro, Brasil.

Igreja Matriz Senhor Bom Jesus, em Bom Jesus de Itabapoana

A “fama” de Padre Mello chegou aos ouvidos do Padre João Caetano Flores que endereçou uma carta à paróquia no Brasil a tentar obter mais informações. Talvez fosse vontade do Padre Flores fazer a justa homenagem que na Ribeira Chã ainda está por fazer. E até me atreveria a dizer que possa ter sido uma forte fonte de inspiração para aquele que foi a maior figura e obreiro da Ribeira Chã, Padre João Caetano Flores. As semelhanças na vida e nas obras de ambos não serão mera coincidência, mas uma inspiração Divina que acredito vir sempre do DivinoSanto.

Deixo aqui nesta minha cronica a vontade e o compromisso de continuar a estudar a vida e obra deste ilustre Padre Mello para que em breve possamos fazer a justa homenagem e divulgar de forma ampla a sua vida e obra.

Neste sentido já foi dado um passo importante com a geminação e cooperação cultural entre a Associação Filhos da Terra, da Ribeira Chã, e o Centro de Estudos Portugueses, em Bom Jesus de Itabapoana, através do historiador António Borges e a minha pessoa.

 

Ribeira Chã, 27 de Abril de 2019

José Pacheco
In Azores Today (Açores) e O Norte Fluminense (Bom Jesus do Itabapoana)

Fotos de José Pacheco e O Norte Fluminense

Ver também

Coronavírus leva ao isolamento do concelho da Povoação (Vídeo)

Fonte: RTP Açores (clique neste link para ver o video)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *