Aparentados

A existência de mais de 30 relações de parentesco no governo socialista do país ultrapassa toda a decência e demonstra como os actuais detentores do poder usam a democracia de acordo com os seus reais interesses. A desfaçatez é tanta, que os aparentados vêm, inclusive, para a praça pública afirmar que tudo isto é normal e que o Povo inculto é que não percebe nada.
Ora, o que para nós não é normal é nomear para o aparelho governativo do Estado familiares que acabaram de sair da juventude socialista sem emprego. O que não é normal é nomear familiares para desenvolver o país, quando estes nunca deram provas das suas qualidades profissionais. O que não é normal é nomear familiares para credibilizar a actuação do governo, quando estes sempre viveram do carreirismo político. O que não é normal é nomear familiares porque são confiáveis, quando o que se exige é competência e lealdade dos nomeados.
O que não é normal é este governo ignorar que existe uma linha que separa a verdadeira ética republicana do voraz oportunismo da família socialista!

Pedro Nascimento Cabral

Ver também

Para trás do sol posto, se lá houver vagas

Por Carmo Rodeia Volto ao tema do covid. Este fim de semana, a ministra da Saúde, Marta Temido, e o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, cada um a seu tempo, admitiu, que todo o sistema de Saúde, incluindo SNS, setor social e privado e estruturas de retaguarda, está próximo do limite. O presidente […] O conteúdo Para trás do sol posto, se lá houver vagas aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *