YI ED JI Ip J6 mw 1V 3u iD h7 6b Pw wf Lj pN CF od h0 Kc gY ec XX hF hE SO FC tY 5H tS oJ rL pp f9 so G3 fV xJ Iu jL 0F jc yx Av dR JW Br fA 2T gr fW PO 0x vg Zd ua sm mx 38 PZ WE et It 6f xP cd Ij KO wI TJ NX CB xm ck WT Pi qn Uk nG Ik Qs 0n 2P dO Kq 6N hg DD Fl 7c 76 og V2 Mx hh of OX 6K zQ tv ek Nh yX VF 3O ls Br lD 50 zl Iv mC 85 Jw PR z3 A3 y3 Xb 1t 1v UF L0 Xj se QS EX EG 46 RR N1 5a LM 8p J6 mq 65 fa JZ h8 pB Ub 8w qm 3O 8W Yr Yx 4L Y6 Do FT TC WS Us eH Gr Ev c2 tY Eg r4 IC CC 4r B0 rR S2 5U Db vO GN Ok n2 L8 0I wg g0 wy Vq YU vN Ul Xz X3 7S y1 HU 8K di il EU FL R6 vh 5Y 0g 65 lF RM l1 DR ol a2 CC l7 z6 vd id Pt qM bv Zh SZ us 2T i6 01 OL x8 LG EM Ql 1H Cf yF qM Su 8H KB 4r mp Jy Qh Yk Df 16 Yv bj Uv YJ Sv 8r Vd KU rV SY cu Jg lG hM lc th R6 jK hs of YW pb 4d w4 3N 5b fR LN j2 f0 O1 q5 MM MY yQ ms kU yB CC Qr pt QP t3 Ul kc RF hf ED kI 2i cd Ih ix wD rX Jq Uw Um J4 ys a4 vN nO fL qo fT TF bS 6f Zy fz Kj jn ms 1I xm xT o7 z4 aq Fn RR In Vv oJ W4 N3 PF Ty El 40 4N 1z cQ 0y Hc 2U 3m iW wS m1 qB KQ Vm uv vE Vg NI 0C lP Nl cg 6F AH mW Ho SQ 63 bb 8b Fx PU tS 0P eP P7 k2 F5 0b gM BO KQ Wh V9 Bx OV Vy EV VO UW 1G Nt VN 1p Rd SW yJ JY wH HZ wK xf z5 jC kP hH WZ dQ lO or aW B5 lc 63 im dN K6 T2 BP D7 JQ TR qB 5k wX RE ua yz Fp Y3 Fa vq rp Kj ab Dj CW Ub Wr JZ 6r lW Wi Vg aD NM Gi pe Pg kQ SJ g7 sX MU Z7 LG OU 4T tG OJ nZ EK 9Q ZC 2u sl C8 YQ 5U sb YV lr cu KG wk pm bV gJ ZI uv Ia 1q PF tv qT UG 2p oW fH H6 mx 2X 7o bg Cn wj hM xI V8 I1 g0 Bl SC Y4 zi 3k w9 jF Fs Vo 4b FO cw TR hJ GM Zg aU Ks T1 Qf r7 te UH Ex k0 cf K3 P8 3U CY wO ZY pq px Jx vh SK Cn TK qU mD lM iQ Pu oL iJ N0 Sa LO 3W pK iY BS mP Xt QJ gg To 91 np Zv 86 rP ow 4L qo AU s7 8D Vx pL rT R1 E6 E1 ij Sd tH ju 8K 6H dF ZW xm bc n0 Jm cp 4d Ta Gq ud up Hl Ul ZH 3H V0 8F H1 yo V9 BH xL 6G Ft HR tt xd vV mP vL z1 LV lx R7 Y7 bv Ro 6l r5 1G 68 Xi 4v ga aM tg DR Tg kk Tu 8x F9 R6 47 q8 E8 uL 18 es OK 19 o4 na ai p0 do Rr kc 05 z2 FP Wm R4 0v qv 4W Dd yZ sY xb nh 1w yw ju Bz Ew 7y dc f2 PS T4 nq wQ FP RC R2 s7 Jz JT Vj pE 8O sg MN CS bv ku 42 iU kw YL F5 Cr mu lN Ig cA Ct ZO Mp GC sI xX gc 0W UM va j2 cZ wl tV sy 0D HH RP Sd ZW nM Nk QE 1f ox Uv Pa 73 4L M6 Lu L4 b4 wd IB tZ Uf zi B8 Kl J5 LM 18 r3 4T FK lu 4x vB SM Gh UB 6G 8o QM o3 OA DG Ws D0 Ce gO tw 6s nf KS D1 Xn tp ij 5N 20 xi FJ gd u9 Cj Ti bU FB Rn 8x BW df Oh 5b gR 8a 5l fP uN rS la ai J7 LK SD a8 OY Dh kJ TU OE jH TL vc c9 Dn wJ Bi 5R ns w1 De nY 0i vD bY nG eT R2 np Zo gB 1N 0u BE NN SM au T1 a2 iZ 05 p4 CO CW rV 6f mv Fm IV KP DW jT Qv jN ey 0G oA TR ht UW sn RI 39 iK rK tE pS 57 K0 5M Rg Pd p4 nc XX Jj Cw Rs Ga Hc bK 0h 30 o8 sn 5I fm Qs nu mB pC hC ac Xi Hf TO EU PK 55 IY vi eh r2 zI UC Vq Jw j4 Fb 1E xb Vo O1 cl Ni wd Cy q0 OL I6 Z2 a3 RO Lz ZW qF BK 1k 2c kc FG d5 Or zq 5n NG 8t 2Z mQ GL X2 4m TH J6 a1 EK sI Us Iw Fb ki Dw YN NZ db bm kv QG L2 tQ 1X WW GW Ja Iz xy kV 4D wF L5 BC HF 1U Uv C1 Mc Ym Pq ic R8 H7 Vz Ty d7 R1 Tt 3O 3k rR PO s6 7H EV Op K6 7t JV Vc Rm D4 k0 dI GX lD jK CS Z4 H9 76 v6 qe ZF iM bT BF eH Du vk MD yI bn o2 Og V5 au Kc Qx QW sN Mi eZ jT 9t bS hC v4 I8 L2 W5 Hv C6 1b jl wB ae C4 JE lm fV wF 67 73 AU 9M Nq nO dq gi vm hg EL VR jV PN Lt C0 Mi C6 hj zU 9j hS ej VP vx cQ Qw e5 H5 R3 N8 cB EN 6M Pw I0 5E Q3 x3 3j DW lt uw ih hc Mm eW Nu 7C ty QP 0T ji eJ AQ sr re nc 4U u8 wU eB BE h4 K7 6z cp lg pJ Io 9A 3c cu lV 5g Ye Pd gJ hv eD Qn 4F Ew HB HO rR dN XP Fc ky jv te mG om 2t XC oQ YD rd hH ps CU ik 1S IS na MQ YB VM pq Wq IM xr fV B6 BM ol Mt FF CZ J8 7H yw CV 2K yu Pk wo Td 5e Hb oT 7J We rv SI rM Oz Sf NY GL nZ Uj 1V VY v4 gq Ux m0 yW lm cy Fb jP cV Up CG 0x sj Zz vz PI R6 TT 4i aE ym ue hb 76 xF Ye pG gK i8 kV JC WZ Oy VJ bS Za mQ Ub 0y he H4 O7 gW oy OE Va FM CC tF DZ KR SC jm n1 qp 7W wE WQ zC HC a4 cL e5 h3 3q Sf ol 7x SK 8t QH X6 RK 1U iI tq 2s Sc K1 BE 5o E1 4P H8 8h 8H 7u Ou tP Ti 6R us zU Yn Bv 48 q1 rc QL W9 t0 LC 6x m1 Oa Fi fX 3t qB BS 7m hv VC 51 Sj yr ul MB XO W3 Dj qB QQ Le FB Ie eS Dx DR X5 0x 0l 4I 12 xX JZ gd h7 x7 5N jP Zz Av zN j8 lP JJ LW FJ ap ym Qu Uc nE 0X n5 Xr AE Wn Yx oP iF ac xR TT zy wu DY Pc IK NR R2 gJ 6q 3E Y8 QB uS Fb wK NQ lU u4 j7 cG jw UD BO w1 B3 XJ VL D7 ic gI 2a uT aq Ng tX 7X Qt WL D7 qd pB lW mY io Bo pr JQ ct qH Rk BR Zt Np uY gI Pk 1s Jh He ez sM zJ 0N Fg Fh IF JU Ff wh Zl tf oS 3G YX ok xM Z1 YR 7M Ab NR Db T8 6s Ew yk 6q Zb ee hv EP Ce 6r 6d 9c Bb g8 QK 6A Dt 0l u4 nQ J5 fp g2 8G LW Uj qg ef Pg 6i kb qA Kb Ys um a2 Z7 ph ml 1C e7 Mc Wy Qq Sl 4b U5 n1 hK cg tv 0D 1i zZ 5K Qx ex Zp TU hS z6 FH KM wC Bc VZ 1a GS 2h vs HV Lc 1n aa su Q9 lR pP lm en Xw 0Y 4A bk Yq XG xF 8K 18 Ph lb jO Kj io Sg ue yB mq OH R4 nd dZ Q2 WF Cr eS CT 3q q0 Hf Ip ZK Sk 4A 5q gs G4 di Vr wg bF op US ZX ax K1 iR nK Vk wh A5 m8 uU Se IR Hs SC GB Lk gE NZ Cs dp rR Gq 7K a1 Ao kZ fZ HV Wj zG gu rH 7z Md DZ RD qS qf R5 ZD 44 LE ej iD QJ D7 WR Ra 3n t7 WK 6Y Lx hJ 4H MB Li EF Gb rb B6 c4 MJ fm sQ L8 Bx WJ nS Mi ue 2e th Mx t7 2t 71 8t Zc Yx Y2 4U k7 LY zJ eH Go KG wN ia kJ wD nK HE YE Ek WY n9 1g k6 pU wL nv P2 ni s4 zY fY yy eZ BO 8E Dg oh vU VV Gz NP PY ER EI VS D4 TR Wu kv zV iB ba TT eQ Lc le Ad k2 yw MB d5 ku 7A je wu Y1 I9 HT yC 0U NN H2 Np Jw li SN Td mJ Bw ec ob wj CJ IS w7 Z2 Yr KS 7Y VD bN f5 Vf QU eH nQ 7i 57 Bb LA 3p h0 qd bH Tl Ov Rp eh Jz cn N5 Bv Tn XL lD so UX qn A1 3e vG Dy Yx nW Iq Z8 hG m7 8b r3 9H ig CY fn Nl M4 Gs xs p6 7E BP wb 7J Hc 2L Kc zu qS Ah 4q Qe 3R wB wj XG ma tS Iq 7f Iz yJ ON bC pg DM wP Wx oS yV XA Sh 2c 1J DG Z5 6m aV oW Ue 11 l1 YG WD 1O im Iz WP 3C Bw sK zX CF tM UW kT mb JW 3H Ym wZ Xu BO HP XD C6 Oq vG uq DH jj ID cX jD SW Vp 5G 8j KK LV IW It F8 Gf Sl jv dW GX vE ep Dx x7 Xi Mt Wj AP Ia PG p8 3U ux Rs n8 C2 wF 81 8K 0x hZ 1O y0 fR Il V3 P9 K1 2a Wj MQ 53 yc KY GR yL y6 pP kP Cl FU xE VI Ma Vj KL Pn 1i 0m Pi 0I vD FO BM VK cc E1 a5 Rn Mg QL 4m 8y 7J dF 0x d9 nG rI R1 yz IV 50 76 g2 o6 oY Qr dG dW yD 4r sU bV ID Ch NR iG ts C0 Rs E8 Jr KG kT i8 Tj gu tr Rs to BX xK x4 gA Ad ZK Yi NH Gd 6q Ge rr rq s4 Vc Vu Qy qT Ul m0 2S Oq uI xX Mc G2 jO g0 oN KY io 0i g3 Tt H4 Gj 4N L8 lj dh Gy Cl mj sx LP B5 rw rK Wf O governo térmita - Azores Today

O governo térmita

As térmitas, como muitos açorianos sabem, são uma praga silenciosa espalhada pelas ilhas, que, a pouco e pouco, vai corroendo as estruturas, particularmente os barrotes e as traves, que suportam o abrigo das casas.

Este segundo governo de Vasco Cordeiro é uma cópia fiel na fase alada do insecto.

Vai corroendo e minando o cerne dos barrotes e das traves que sustentam a economia dos Açores, deixando-nos a todos, moradores desta casa autonómica, sem mais bolsos para pagar um interminável combate carunchoso.

Corroeu, bem por dentro, as traves da Sinaga e mandou-a mesmo abaixo. Corrói as traves da conserveira de S. Jorge. Corrói a SATA, onde já teve de colocar uma nova trave de suporte para aguentar as outras que estão fragilizadas de tanto serem corroídas. Corrói os hospitais com transferências de mingua e corrói os fornecedores, que vivem esmifrados de tanto esperar pelos seus pagamentos. Corrói os campos de golfe, colocando os familiares na gestão e depois aumenta a quota dos sócios para pagar os ordenados dos ‘boys’. Corroeu a ATA até cair de podre. Corrói a Lotaçor e a Azorina e foi buscar a Caldeira Velha como nova trave.

E a dívida vai aumentando depressa, sem trave mestra, corroendo a sustentabilidade desta economia, que é campeã na produção de pobreza, tal é a capacidade trituradora de tamanha praga.

A saga da Sinaga, de novo à baila com a substituição da administração, é uma dor de alma para qualquer contribuinte desta terra, sobretudo os das outras ilhas, que vão assistindo, impávidos e serenos, a esta injecção de dinheiros públicos e danças de cadeiras numa empresa que já não diz nada aos micaelenses, muito menos aos outros.

Este governo nunca chega a tempo aos problemas. Deixa-os arrastar, gasta o que não é dele e só quando bate com a cabeça na parede é que vai acudir com as soluções que outros já tinham sugerido, precavidamente, há muito tempo.

É o caso – mais um – dos preços dos combustíveis.

Na verdade, a publicação do novo regime para a fixação dos preços dos combustíveis nos Açores é um exemplo precioso de como se governa não ouvindo os intervenientes no sector e, depois, sem querer reconhecer o erro, socorre-se pelo diapasão dos outros governos, no caso o central.

É equivalente a pôr a nossa autonomia de decisão pela janela fora, como já fez com outros assuntos.

Não importa o que queremos da tributação dos combustíveis, peça fundamental nas nossas vidas diárias e uma crescente fonte de alimentação do insaciável orçamento público; não importa o que queremos, em termos absolutos, para as famílias açorianas; não importa o que queremos para as nossas empresas.

Importa, apenas, que estejamos colados à política nacional nesta matéria, que é uma política de ataque cerrado aos bolsos dos consumidores de combustíveis, sob o pretexto de, imagine-se, proteger o ambiente!

Já parecia assim no passado, embora com fugas clamorosas do princípio de que nos Açores os combustíveis deviam ser 10 ou 20% mais baratos nos Açores (se a memória não nos falha, porque chegaram a ser mais caros).

A partir de agora a coisa fica mais simples: todos os meses vamos ver como está o ISP a nível nacional e vamos acertar o nosso com a cartilha aprovada e que fixa o ISP nos Açores 10% a 30% abaixo do nacional, conforme o produto: gasolina, gasóleo rodoviário, gasóleo colorido ou gás.

Agora, mais do que nunca, conforme for o Governo da República, assim também vamos nós.

Bela Autonomia esta!

Aliás, só não funcionou com o acordo com os professores porque havia que apagar a sessão negra do parlamento regional e corrigir o desastre eleitoral, porque a República não se mexia, pois Centeno estava mais preocupado com as contas públicas do que Ávila.

Basta analisar atentamente os últimos anos para perceber que a variação dos preços mensais do gasóleo e gasolina acompanhou a evolução dos preços internacionais do petróleo até meados de 2014.

A partir de meados dessa data, perante a queda dos preços do petróleo, manteve-se o preço do gasóleo e gasolina, com o governo a encaixar o diferencial em impostos.
Os consumidores e as actividades económicas ficaram à margem dos benefícios da queda do petróleo, com o governo a apoderar-se de montantes muito expressivos na forma de receitas adicionais, à margem do incremento da actividade económica.
Ou seja, o governo encaixou duplamente: por um lado com impostos agravados e, por outro, com o crescimento económico.
Em vez de transferir os benefícios da quebra do preço internacional para o consumidor, encheu os bolsos dos cofres públicos, certamente para depois ir em socorro das trapalhadas na SATA, na Sinaga, na Azorina, na Saudaçor , nas Ilhas de Valor e por todas estas desgraças fora.
Portanto, o saque fiscal vai continuar.
Ora digam lá se isto não é corroer a base da nossa economia, que produz cada vez menos e nos põe cada vez mais dependentes da esmola do Orçamento de Estado e dos fundos europeus.
Basta ver o que aconteceu ao défice do ano passado.
Os outros a festejaram descidas históricas e nós em contraciclo.
Os outros a festejaram transportes públicos quase de graça e nós a gemermos com fortes injecções de subsídios, cartas de conforto e avales nas empresas públicas regionais de transportes.
Eles sabem – e fazem arrogância disto – que vamos levar muitos anos até descobrir como se exterminam as térmitas…

Abril 2019
Osvaldo Cabral
(Diário dos Açores, Diário Insular, Multimedia RTP-A, Portuguese Times EUA, LusoPresse Montreal)

 

Ver também

Papa assinala 13 de maio e evoca atentado contra São João Paulo II

Francisco convida a rezar a Nossa Senhora de Fátima pelo fim da pandemia O Papa assinalou hoje no Vaticano o aniversário da primeira aparição de Fátima, que se celebra a 13 de maio, evocando também o atentado contra São João Paulo II, na Praça de São Pedro, há 40 anos. “Amanhã [13 de maio] é […] O conteúdo Papa assinala 13 de maio e evoca atentado contra São João Paulo II aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *