Terão sido os Fenícios a descobrir os Açores? Há novas evidências para esta teoria

São cada vez mais os historiadores a afirmar que os Fenícios descobriram os Açores, séculos antes dos portugueses. Conheça a teoria e as evidências.

Durante séculos se falou de uma misteriosa estátua de um cavaleiro apontando para Oeste, na Ilha do Corvo, como prova da presença de antigos e ignorados navegadores. (Saudades da Terra, Gaspar Frutuoso, Vol. 6.). Para os seus críticos, a estátua equestre nunca terá existido. A lenda foi citada por historiadores renascentistas como um fato verídico. O relato da Estátua equestre é considerado como um rochedo sugestivo ou pura invenção, com intuito de valorizar a ilha e instigar a curiosidade pelas terras a Ocidente. Contudo, é uma crença quase tão antiga quanto a colonização da ilha e faz parte do seu folclore local. Os arqueólogos não descobriram até ao momento nos Açores de quaisquer vestígios ou provas conclusivas quanto a uma presença de fenícios ou cartagineses.

Terra Nostra

É o historiador Damião de Góis (1502-1574), na “Crónica do Sereníssimo Príncipe Dom João”, que nos diz que quando os portugueses chegaram a essa remota ilha encontraram uma estátua equestre no cume noroeste da serra no centro da ilha, colocada sobre um pedestal quadrado. Construída a partir de um único bloco de pedra, a estátua representava um cavaleiro com a sua montada e coberto por um manto e com a cabeça descoberta. Com a mão esquerda segurava as crinas do cavalo e apontava com o direito para Ocidente.”

Açores
Açores

“D. Manuel I teria mandado a Duarte d´Armas que fizesse um desenho da estátua e ordenado o seu transporte para Lisboa, mas o Rei só viria a receber pedaços do monumento, nomeadamente, a cabeça, e o braço e mão direitas, assim como parte do cavalo. Estas peças teriam sido guardadas no Palácio Real, tendo-se perdido o seu rasto a partir daqui. Na base – deixada na ilha – existiriam algumas letras numa escrita desconhecida que foram copiadas em 1529 por Pedro da Fonseca, (Capitão-do-Donatário das ilhas das Flores e Corvo), “mas cujo teor ninguém conseguiu até hoje identificar”. Os historiadores açorianos, Gaspar Frutuoso (1522-1591) e António Cordeiro (1641-1722), classificaram a história da estátua ao nível duma “antiguidade muito notável”.

Ilha Terceira, Açores

Diogo das Chagas (1575-1667), historiador açoriano cujo irmão foi Pároco do Corvo, não lhe faz a mínima referência. Os ingleses Joseph e Henry Bullar escreveram e publicaram um livro relatando, meticulosamente, a sua estadia nos Açores (de Dezembro 1838 a Maio 1839). Na sua descrição da Ilha do Corvo, não se encontra qualquer referência da dita estátua equestre. O escritor Raul Brandão (1867-1930), que esteve no Corvo entre 17 a 30 de Junho de 1924, não fez menção da dita estátua no seu livro As Ilhas Desconhecidas.

Lagoa das Sete Cidades, São Miguel, Açores

O Tenente-coronel José Agostinho (1888-1978), após a sua missão arqueológica no Corvo no Verão de 1945, declarou que “a estátua não foi feita pela mão do homem; um simples bloco de basalto que tomou aquela forma por acidente.” Estas e outras observações foram publicadas na revista Açoreana, onde somos ainda elucidados que os corvinos “nunca viram nem ouviram falar de edificações arruinadas.” (Vol. 4, Angra do Heroísmo, 1946).

Açores

Em Novembro de 1749, quando foram achadas na ilha várias moedas alegadamente fenícias ou cartaginesas, os defensores da tese da existência da Estátua Equestre rejubilaram. Se havia moedas, a lógica era que “estiveram fenícios no Corvo”. Não há razões para duvidar da veracidade desse achado, nem da autenticidade dessas moedas de ouro e cobre. Mas isso só por si não prova que estiveram fenícios nas ilhas do Grupo Ocidental açoriano. O achado, a ter-se verificado, teve por certo outra origem, bem mais moderna e também mais fácil de sustentar.

Açores

Em 1761, o numismata sueco Johann Frans Podolyn relatou o seguinte: “No mês de Novembro de 1749, após alguns dias de ventos tempestuosos de oeste, que puseram a descoberto parte dos alicerces de um edifício em ruínas na costa da Ilha do Corvo, apareceu uma vasilha de barro negro, quebrada que continha um grande número de moedas, as quais, juntamente com a vasilha, foram levadas a um convento” (que seria o Convento de São Boaventura, na vila de Santa Cruz das Flores), “onde as moedas foram repartidas por pessoas curiosas residentes na ilha. Algumas dessas moedas foram enviadas para Lisboa e dali mais tarde remetidas ao padre Enrique Flórez, em Madrid. O número de moedas contidas na vasilha não se conhece e nem quantas foram mandadas de Lisboa, mas a Madrid chegaram 9 moedas. … O padre Flórez fez-me presente destas moedas quando estive em Madrid em 1761, e disse-me que no todo do achado havia apenas moedas destas nove variedades.” (Achados Arqueológicos nos Açores, José Agostinho, em Açoreana, Vol. 4, fasc. 1, 1946, pág. 101-2. O padre Enrique Flórez de Setién y Huidobro, (1701-1773), foi um conhecido historiador e numismata espanhol que pertenceu em vida à Ordem de Santo Agostinho).

Açores

Quanto à autenticidade das nove moedas encontradas, o geógrafo alemão Alexander von Humboldt afirmou não haver disso a menor dúvida, visto que os seus desenhos foram comparados com as moedas conservadas no gabinete do Príncipe da Dinamarca. (“Exame Crítico da Arqueologia do Novo Mundo” por Alexander von Humboldt, citado no Arquivo dos Açores, Universidade dos Açores, Ponta Delgada, 1981, Ed. fac. pela Ed. de 1881, Vol. 3, pág. 111-2). As gravuras dessas moedas foram publicadas, primeiramente, na revista sueca Memórias da Sociedade de Gotemburgo, e reproduzidas na Açoreana, em 1946, e no Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, em 1947.

 

Mais indícios da presença Fenícia nos Açores

Na antiguidade havia efectivamente conhecimento de algumas ilhas atlânticas e do litoral africano sendo traduzido em última instância pela lenda da Atlântida. A Atlântida é referida pela primeira vez em 421 antes de Cristo.

estátua
Ilha do Corvo

“O conhecimento da costa africana, teria resultado de algumas expedições realizadas de que se destacam: a primeira por ordem o faraó Necao II em 610 A.C., depois a viagem de Sataspes (480-470 A.C.) até à Guiné, e o périplo de Hanäo em 485 A.C. com sessenta navios desde Cartago, que teria percorrido a costa africana até Cabo Verde. Estas e outras viagens referenciadas não têm cativado o interesse da historiografia que se mostra renitente em aceitar a verdade dos relatos contidos nos textos clássicos.

Ilha do Corvo
Ilha do Corvo

A Historiografia dos séculos XVIII e XIX afirmava peremptoriamente a veracidade destas informações e defendeu a ideia de que os fenícios projectaram o seu empório comercial na costa ocidental africana. Apenas os portugueses, pela voz dos seus eruditos mantiveram a tese de que esta área estava por revelar no início das navegações henriquinas”. (in Centro de Estudos de História do Atlântico). Fazendo fé na historiografia antiga, a probabilidade dos fenícios terem chegado ao Açores, é elevada.

Caldeirão do Corvo
Caldeirão do Corvo – http://joelsantos.net/

É curioso constatar que duas das referências ao conhecimento dos Açores anteriores à chegada dos Portugueses, são Fenícias e ambas relativas à Ilha do Corvo. Na primeira metade de Quinhentos o historiador da corte de D. João III, Rui de Pina, conta que tinha sido enviado à mais pequena Ilha do Arquipélago o afamado arquitecto João de Urbina para recortar da pedra viva, num lugar de difícil acesso na orla costeira, uma estátua equestre de estilo cartaginês. A operação correu mal e estátua partiu-se, voltando a equipa ao reino só com algumas peças em pedra como a cabeça do cavalo e a mão do cavaleiro que apontava para Oeste. É sabido que os cartagineses erigiram diversas colunas comemorativas, por outro lado, o cavalo está presente em quase todas as suas cunhagens.

Ilha do Corvo
Ilha do Corvo

É relatado pelo Francês André Thevet, no século XVI, que um descendente mourisco ou judaico, encontrou uma inscrição com caracteres hebraicos numa gruta da ilha de São Miguel, durante a época dos Descobrimentos portugueses, mas não foi capaz de a ler, alguns supuseram tratar-se de caracteres fenícios. Recentemente foi aventada a hipótese de se terem encontrado caracteres fenícios em rochas nas Quatro Ribeiras, na ilha Terceira.

 

Fonte: VortexMag

Ver também

FOLAR da pascoa

Mais videos em Isabel Benevides    

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *