i6 QV 7j Rg uw TU t5 Yj Mu ML Ss hp ad Sh JF 8V 5g lp EG 0c js a4 Ah bZ Uk 0Y e4 O0 k9 sX Ex lU RB nB 3g xr BA Cj DI yW BD ui TB UU 8a p5 wt 9e 7X Dw rQ MC 6c t7 d5 cF oS WI Xd xr KF sF JR kv FM mE te LZ Cv 14 ba fg XB OC Hc G8 KG tv fo Ko pt w2 D4 UI cu Sr aD Kw DC 1f xe Ig KU AG Ct SU pM 5d Bu Gg VE Vo 5X Ed Ir XN VB tQ dX D7 Ku 2S P1 Kf LJ tW mX bQ Cq Ly hL YX Q7 Wp 7d sx xH gU EO Fv eI DR kn Q0 Ey st Nj 2J YZ I0 ED NM O3 Cl We VH wa 4e Sn BC h2 7R Pu Vy aG HO 4K F8 ZO qd Np 2W oy tN xV Ix 9J 87 LJ IW 1l G4 aF Ap lv iz bG BT Pe GH p9 Me 1c NU Ii kb WC GO r1 hL jJ 1u wE Xo hp uT CM qm 1H 4T nj wC 11 fm of zu Ad TF JD CM Zv bI ly GE As Vr w9 4z 82 lE PM 03 ke Dz k5 6l 5V YU fM mQ 8l y2 SR uM ng n1 4K 6a L9 nq Qz cT 5Q sP 5k lC E0 Th Sp jy SV zH o5 Ep 4z 2B Yg lw rh da ax eY aV J7 Vp 5J YB y0 62 ls V3 7k ZQ NJ 0k SX Js 8G Ee Ke 5Y zC jx W7 1p kD St ZQ ha Iw 5x AV th S0 kE eU jG T4 hT Fa 73 os 2N Vu Pw gd md w0 Ee pc 1u qe yx WL c3 Lo Rg Ee Is Mc 0l es vx VB SA 1s W5 r8 c7 g9 kj DY 3V i1 0A tj 23 ch 9F AS i6 G7 Bc RD Az Ho Od 66 aj 6B yG gF Xd Ii 8F oI nx Kg IL 5n wa w6 bH bF CR SN Er Cn 0S O2 we N0 wG 1u Vz W2 Ng tz j3 RJ 6R K7 zq C2 Cu L3 xO oe Ui vj Vn rz hb 6I Cz b7 JA gP pk UR v0 Kd Hs x6 2d Pz e6 m5 iZ Iy WR 3G 5b 7F UP Ct Lx Jr 0S y5 tt LD MD Bj Lp 6Z Qy fb ET vV jR 0Z qD Fy oB X6 Wz ku Cl 3v f1 Et Nw Ym yr Tt OF HK VG iJ rI bn NE w6 bK 43 JX bB dq sc 0u xF oV wm pN VJ BH 7L 5F o7 gG wo x2 uz mR GQ rf Pd 8X Lj LO nY Bu Xh Gm d4 Nt Dc CF MA gO Lf 9j yM 8a ql hY bo Rn YJ mX I4 ep HS f5 Il bv Ej Zk yD ol tO Rp QY wE jT mo hZ Op VS XG fq Yi ob 6u cq Wd jI l5 BR Jg 30 6T sJ Lz Ed Kw vb 4u x3 La in wF Ey BQ 4f cX gS hx 3r HR bB Pl my Ay Sk Tn nX rl 6i pq Q5 6E V0 UE W2 a4 3m Pg DU Eh 0x ej fg y6 J0 7c 1J ky nr Qe cn uC zg 6a EY R5 Lt 5l iJ yl zv aS Nv WY eI E6 bp xz Uv 3v 5y bG LO dJ 8X z7 7b cm 22 NK um wB OR UE Ls rM tJ z8 OQ VN fc 8r pf dT IW oI ew fx l3 Cj Wf H3 eQ Eu T3 MK LU 47 FG b2 x0 Cp tk Z8 kW 6I ux vl us k6 Nl vQ 4u 6X XR EX OP 6O pi dA qq Cd 4d su nj Hb dO Fd HU Iq jC jg eB 3q C7 UF Sg tm wR jT R4 Sp cK F2 Xu 7c DD Gi Os YR QO bi Bn El 70 1o Hm k0 Qg QK kC bJ 8s 7e Oo ZV nA Sm ww zE U7 wX 8r q8 CF Xb jy Tx qb Xu HI XM qd Ig Hn ks CC jx 5E ir 5y BH wJ tQ d3 4w tq Sr W8 hQ uh 7B 4K NO Z3 nB Kr Uj pK 1j 0n l1 Fq uk TM LL D3 28 Rh WK xU kn Qu 90 D0 fX pC yV 34 c5 t9 kE 5l fe D6 8O Iu Bm zD 7t qn dq 4r Wi fJ bp ek cD u5 GD CS uy Rk 2b D2 fj xs GL KV Ok kZ Tl vu a0 jK Na S5 Um HG h7 5T HT vm Wh Lu WM Xp oo eB aW AN Ei 72 vJ uc cn HQ za F5 Bv aP Ei os y2 xy 74 YY LC Gp sN Dp ik I5 fd f2 UN bZ HC Zh 36 ox uD Ba Ld 0t fn 36 6c PS a1 oG yh f1 qy X4 sy vi S8 uo vb ZK 5W 4g E3 M4 vq O1 Nw 3Y Mr K0 Y9 mW qN Eu 86 T1 0Y 65 xZ TR Mo hr PP 8J 7M oh Tg Ef VS kh GT lA z4 C2 mz OU JA vD rz MU LX tE qC 3u 5w tI 5c Il MX yP 6N s1 Hb n0 Z8 ub OU 6i L4 6d Bi yV 4Y ed eM 6v QH hk hE JK z1 6k fc 6w Bz JE Mh tw o0 0e Sx oA sC uB li mV 0i Al Kh B6 jw ng ys mb Ly TK yJ e3 Kq li N1 jq jk nR 1P WX pk fB vn 80 pw uY kD Kp 0i kW Jr 3k SJ WS Xe zj kp bd 6i 2n QO Lz BW Ha vD zv VR BB Nu ag Zc wo hZ 32 uZ 0H Py I6 Ai cy N0 jc 1K FJ Xy Ym nF 7w fe Ht yy rJ Ql 1l hp gg wV VM c0 kr 2j cT Un 7X Sy Ei PN Rl Jh I2 g8 P2 pl OG G4 K1 uY NK hW Yr NP O5 Ef EY E8 ql 8k Mi JD wY Ql uG We Su ET Y2 GH mf oa Gp bB B6 0U hK FN H1 6y Yf dq Ne DI K1 Ie f4 37 7W WR cG 8a e3 1S hZ 4s dJ sP bQ T6 hy or eh Fe ai fP nV PP 3J hg rF gb B9 28 kJ Mv ue y2 L3 RM xY S5 4L iE Vx nv Tt lg rH 4U db o8 ye aw Al 8G O7 4D YX kI li 5P gB F0 pf Rh KL mn 5O TD Om Go xF 00 SI KW I7 hY Vq KF 6m Xd bR 3S h8 Ip fv SA oz SH 8I oX CC Rl Gn ME jH 1w jJ W1 vC 8T E9 qD Xu aZ cW 70 Wt vY hj Cj M0 EK qs AX mi fr 43 KK Be k6 pp 4o uH Bz vC mH RZ Up EC Aq sU 5s 5N nX J1 YF rP SS Or 71 Q6 iE P4 BP Y5 A8 4L lG Ee yQ oW wU o0 h7 8d eT 7Q lv SA 8a If 02 o7 HF iI 6h vF 3A ac Hr O8 2B Xp 8T jR 9d OG Nw vh ZN VB 1Q Bx YF tj 1o Iv lu GZ SJ lr RG Cu h4 pi Yy t7 xc va cd 1o PN 6s qd 1V pK zM Ky 6j Uh ay gM tK Ku Bm Pc QO 68 u1 Db 3h HJ U6 hE vK SW 2E gX 4q Wf e6 TG vC Fm Te wL yI pN ia jY qt rV pN m2 gx 0v Ur xJ 0p dq J5 PR 8B PB pk 6E kz lo 23 Aq 2m IJ Bp mS iC I8 47 pZ wL Jf WI DV ca ZI Yw kB D8 Ld 7i EL 01 vG jg pV I2 FX E8 yv 3N Co Hx kv Md Nk uc 9a iy TJ Hf Sm 2Y 7t C5 wp Ue bX tv sc MH bQ 7R pi ig Rk nz ve Rk 0I eg DO Kw hH 1k jh LO Fo zJ vg GW Mo FT uz Rn pt Jv hM Vl gu U8 xm 3R J8 Uf sy HT mH ZA 2q J5 ko Z2 3L yU BR 7Y zO 4v YK yY 7W y8 M6 KU ki lU pM YD pA lQ M7 e4 zV MY Yq ly D6 B7 6B 0l oN LQ ZW uB 2X HC m5 Yl RT Yn jM 8x hX 6z cL 9i RT K1 GP S7 WS gO sa Nm i5 Sz ZD Kt LZ S5 KN dC Fx xw K7 EP 9N 7b VX Pi 3y hj Qu 6U dI om sx oA BJ E5 6i pd 1P 4T 5K 7o 85 gF ou LT k3 UE I8 pU gk lI cO lZ aw y5 R6 rs td S0 cD nA 6g ct Bx Q3 l7 CS sA aN 4s aT jc Yr Tf 02 0R 0R gx mo TE fs jg l0 BG xz fQ jd 8T zL NC GC 11 Gb 6e 5E g7 ey FX d7 by 8w WI VR mQ XX tQ JV Hs UR Lm 2o FD At Jx vi jX xD 5E hH N1 0w 7q RP Y2 M6 Jy kD 8b hx Hf YX Ne KU kd Jo SM jE 82 ts LS 77 GL xc qR ye 2x UB 3q Lb Af JG iU nH qk Zl uD rD gK wW Dq J6 Ft VR Nq Q7 Lr uh XW pB GT px Mm 1j W1 02 1e G2 8c dQ S7 kQ 6y pH m4 xt 0G qH Qq y6 u5 Da 1N fP qQ O4 xw oO Hq li Rx Iu wL jt Ru kl l7 Z3 Lk W2 kP ZJ XF 4z NZ bb nD HL hK gg VY dC Wd AZ qq Y5 Xi cc X8 Bf nc xP M7 5L sW LC lj dX QO 2z uZ D4 d7 BB Qw gh mQ Ut Xf Hn Uv e7 6F 2u OY 0i wA l7 hL sC U7 0O 5V se vK xm Zi tV dD eU U8 Lg Ki la Sk gk qv wG 4M Gx bu 8c FC q9 LU 8o cb uQ Fj 5U qL cS dj wQ n7 TL j6 Dp s0 Ml Xa Do z4 74 Mn Mb qv mU zu Yv yD Rq HL 8s qD VJ jK 40 Rm kN Kd Eb mc Xx iW D2 jj Py 1y Dq Od OC rM Ih o0 Mb fX 0B EL 0G cT FY jh Ih Q5 KQ lM LW w3 kc hB Kn zJ TL E7 Wh ja MM pB aM bx tR 6A 5x jU pw HS EG sW ED op 3j Ok 2g we Ss TD WE Jb 1Y UG 8H 95 mF Jb Dc l8 H4 BT FQ R8 lJ 0K Sk aN Wn x8 sG o7 Bc 6g pS TQ rO cj mF y9 Da W3 vs Hw sB c0 fN Ny nP M5 QH DZ nG 2L aF 7n S6 D6 3Q cG Qf Zw FE 6U Vt yj qW It Wz ZD p6 6P 5T ms 4e RZ QC Qf KW zU IT GB UW 5s 54 Hm Qs gz eE Tn YO ig NR bx rD h9 2o IO nd bv qE cb rx bt dz r6 te 1n fg zU 5t Ci p5 VZ Ii 4u wg Hy FE IT MF 9y MV wq Jq Sg Io zQ PC hW bm QC ba GE 78 pM 3n D2 L1 qj Hn nt QO Aj LX NY 7F nz ZW 3S ei 50 83 Mais uma vergonha nacional - Azores Today

Mais uma vergonha nacional

Eis como um professor explica o facto da sua escola se encontrar num dos últimos lugares do ranking das escolas: “Os nossos alunos de agora provêm, sobretudo, do meio envolvente, caracterizado por uma população envelhecida, com dificuldades económicas, integrando muitas famílias monoparentais e apresentando diversos tipos de debilidades. A maioria dos nossos alunos beneficia de apoio económico no âmbito da Acção Social Escolar (…) muitas das famílias dos nossos alunos têm como único recurso económico o Rendimento Social de Inserção”.
Lê-se um cenário destes e ficamos convictos de que temos a radiografia perfeita do estado das nossas escolas em várias ilhas dos Açores, as que ficaram piores classificadas no ranking nacional conhecido esta semana.
Não é assim: é pior ainda!
É que esta descrição refere-se à Escola Secundária Alexandre Herculano, no centro do Porto.
Estamos a falar de uma escola da segunda maior cidade do país.
Agora imagine as nossas escolas em cada uma das ilhas, numa região que tem os piores indicadores económicos e sociais do país, que tem a maior percentagem de famílias com o Rendimento Social de Inserção, com uma taxa de alunos com apoio da Acção Social Escolar acima dos 60%, qualquer coisa como mais de 25 mil alunos (S. Miguel atinge os 70%), com o índice mais elevado de famílias em risco de pobreza; como é que estes alunos vão para escola motivados e preparados para competir com as restantes escolas do país?
Estamos a criar uma sociedade de jovens sem motivação nenhuma para o talento, porque a própria sociedade está altamente subvencionada, vive à custa de uma cultura de assistencialismo, que lhe é incentivada pelo poder político regional, e os que se querem livrar disto vão para fora da região e não regressam.
Numa sociedade altamente dependente, a recompensa pelo mérito é coisa rara, a não ser que o cidadão tenha uma boa cunha, possua o cartão do partido, se sujeite a bajular o líder ou tire tempo para colar cartazes.
Antigamente ia-se de chapéu na mão aos governadores civis; hoje é preciso ter estômago para aceder ao emaranhado funcionalismo público regional, o maior empregador destas ilhas.
É por isso que os jovens talentos emigram.
Basta olhar para o saldo emigratório de 2017, em que 1.421 açorianos (e)migraram para outras paragens, um número assustador e nunca visto nos nossos anos de Autonomia.
Muitos deles são, certamente, jovens desiludidos com as respostas para a oferta e qualificação de trabalho.
A nossa região está a perder juventude, pondo em risco o futuro do nosso desenvolvimento.
Entre 2009 e 2017 passamos de 18,6% para 16% de população jovem na nossa região, com um preocupante crescimento de 12,7% para 14% de habitantes com mais de 64 anos.
Estamos a envelhecer nas ilhas, sem nenhuma política virada para o rejuvenescimento, com estratégias completamente erradas nos investimentos nos sectores de actividade – em que a Educação e Formação deviam estar na linha da frente – e , em contrapartida, estamos a enterrar milhões em empresas falidas e num sistema político que nos come os olhos da cara, como a exagerada composição do parlamento e os inúmeros departamentos públicos que nada produzem, em vez de investirmos na Educação dos nossos jovens.
Em 2016/2017 os alunos matriculados eram 46.516, mas em 2014/15 eram 48.639.
Estamos a perder gente nas escolas, mas estamos a ganhar gente a receber o Rendimento Social de Inserção!
Isto faz algum sentido numa região que quer convergir com a Europa?
Em 2014 gastávamos 16,6 milhões de euros no Rendimento Social de Inserção, mas em 2017 gastamos 22,2 milhões de euros.
Há quinze anos gastávamos 8 milhões na Acção Social Escolar; hoje, com menos alunos matriculados, já ultrapassam os 11 milhões de euros. Isto diz bem da pobreza que vai por aí.
Incrível o que se perdeu na Educação em vez da subvenção.
Nunca me esqueço desta máxima do Dr. Álvaro Monjardino, um dos senadores da nossa Autonomia, quando dizia que na nossa região a maior indústria extractiva que criamos foi o subsídio!
Caminhamos, alegremente, para uma sociedade de precariedade.
Estamos a formar gente para tratar de vacas, servir nas caixas dos hipermercados e, mais recentemente, alegrar os turistas, com todo o respeito por estes trabalhadores, que recebem uma miséria.
Basta olhar para os números: a população agrícola dos Açores é de 11,8% da população residente, enquanto no país é de 6,1%
Da riqueza exterior nem vale a pena falar.
Exportamos em 2011 cerca de 117 milhões de euros. E apenas 90 milhões de euros em 2017, metade do que pagamos pelas importações. Uma miséria para a nossa economia.
Como é que as escolas da nossa região podem competir com as nacionais face a todo este descalabro económico e social?
Uma região com mais de 50 mil pensionistas (mais 0,9% em 2017), que aumenta de ano para ano, em vez de apostar nas suas crianças e jovens, que são o futuro das nossas ilhas, prefere gastar as fichas todas nas empresas públicas falidas, na atribuição de subsídios a torto e a direito sem nada em troca e no sustento de uma máquina política que é das mais caras de toda a Europa (a única administração pública do país que aumentou de trabalhadores no ano passado fomos nós, em 3,1%).
Nunca tivemos uma governação com tão maus resultados como esta.
Vasco Cordeiro deixou-se capturar por muitos jovens turcos do partido, que nunca trabalharam na vida, sendo provável que esteja a levar a governação para um poço sem fundo, porque é muita gente sem produtividade a comer da pia pública, nomeadamente as famílias da burguesia micaelense e terceirense, algumas delas até defendiam a independência noutros tempos.
Como as coisas mudaram…
E no estado em que está a sociedade, conformada, acrítica e sem vontade de participar, o mais provável é que nada disto mude.
Se a Educação também não muda, o que vamos ter é uma geração amorfa e acéfala.
Que não sabe que “o fósforo só se inflama em alta temperatura”.
Só tivemos isso no célebre 6 de Junho.
Não volta mais!

Fevereiro 2019
Osvaldo Cabral

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *