Funcionários do parlamento regional rejeitam responsabilidades no caso da divulgação de documentos confidenciais sobre a Sata

Os quatro funcionários da Assembleia Regional que foram advertidos por escrito, no âmbito de um inquérito interno, recorreram da decisão.

A Antena 1/Açores sabe que os funcionários alegam que não foram responsáveis pela digitalização de documentos confidenciais pelos simples facto dos documentos não fazerem referência a qualquer tipo de confidencialidade.

O inquérito interno, instaurado pela assembleia para apurar a responsabilidade pela digitalização de documentos confidenciais, atribuiu a culpa aos  quatro funcionários.

Segundo apurou a Antena 1/Açores, os trabalhadores em causa alegam que não fizeram nada que justifique a advertência de que foram alvo.

Os funcionários dizem que foram o bode expiatório de um processo político e mediático que acaba sempre por responsabilizar o elo mais fraco.

Em causa estavam dois documentos enviados pelo Governo ao Parlamento, um com a proposta da companhia Icelandair para a compra de 49% do capital da Azores Air Lines, e também um estudo sobre a situação financeira da transportadora aérea, que admitia que a companhia açoriana se encontrava em “falência técnica”.

Os funcionários da Assembleia não aceitam a nota de culpa de que foram alvo e procuraram junto das estruturas sindicais apoio jurídico para os defender neste processo.

Um dos advogados que está a defender os funcionários é Clélio Meneses, antigo deputado do PSD, eleito pela ilha Terceira.

Antena 1 Açores

Fonte: RTP Açores

Ver também

Contingência prolongada

Fonte: RTP Açores (clique neste link para ver o video)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *