Governar

Ao iniciarmos um novo ano, ocasião propícia para se reafirmar atingir objectivos não alcançados e estabelecer o propósito de ultrapassar outros desafios que se revelam fundamentais para o nosso desenvolvimento económico e social, importa sensibilizar quem legitimamente nos governa para cumprir a missão que lhe está confiada de melhorar a qualidade de vida dos açorianos.
Neste sentido, o Governo Regional tem de demonstrar que tem uma ideia para os Açores e uma estratégia para a concretizar. Não pode persistir numa governação confrangedora, que não tem um traço distintivo e que é feita de forma desarticulada, mais apta a reagir perante os problemas do que a trabalhar para os evitar.
O que os açorianos reclamam deste Executivo é que defina uma prioridade de actuação em determinadas áreas e que invista a sério na resolução dos seus problemas. Governar implica fazer opções e os Açores necessitam com urgência de um plano para o seu crescimento que não esteja dependente das conveniências da manutenção do poder por parte do partido socialista.

Pedro Nascimento Cabral

Ver também

“Perdeu-se dentro da sociedade e da família alguma capacidade de tratar do outro, sobretudo do mais velho”

Rute do Couto, médica cardiologista, é a convidada do programa Igreja Açores A evolução da saúde permitiu uma maior longevidade e qualidade de vida, mas também permitiu a perda de capacidade das famílias e da sociedade em geral de olhar para o mais velho e ajudá-lo a passar a última fase da sua vida, em […] O conteúdo “Perdeu-se dentro da sociedade e da família alguma capacidade de tratar do outro, sobretudo do mais velho” aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *