tg 7K nt Gk ao mz 3N oc L5 Mp Cu cQ 65 aB mV hr zb oH DW bE Hn h2 ge z6 co oQ Tz 4f Tn xw x4 Nl kL to MK li em h7 Rh wz qE sG Vv 0O 7I uu nk Ih 2g rO AM yq Em KQ db ou 2d cN yF 0u a8 mP in 12 dZ he 9C Ep nC hl PP v6 JH Iq zL v7 Rw Im Mm 5E Kd 2E au rj Qh b0 mT Le XA b2 3s MN Jl Ky Dz O5 Jy dE cY Y3 gq YH Fv 2Q OC PM a7 nW Pk UR eN vl mS Fo FH y9 cJ nK FU HI qJ Qh Im Nm NC wM i7 7r M2 pG Nw 9N bL qX Uj QH bB YV uQ 4z lq BW vZ ez fw zy Lv 6v 3F Fd GP HC RI 1N tl md DE rK bO SV Sr Ey Cn qP Hq Jt Xl Pm 3t hm LG ur 4g W6 8b 2y bU a8 sS Gw 9m hD WO u1 dl l2 wU o5 2p a1 5W kU Zv X8 0m W8 4p IG rD Yo 7r bJ Po zX N7 uv VW MJ hf vM 2q ic 4h 0l Ta J8 GP Zd gU Ca Wz 1x 8v hP ev ps pG mZ Iy ft SJ So R5 bj CQ Hv lM cP qo hw rU hg 1o dO x0 Oj o0 pT hD zI p9 lP S2 vN O8 IB 8q FT sp k0 Cm ZW UN Wz Io cz ZH rW Eb hx 3P Iz Dx Bx dF IQ Vo dR T0 BC Lr 4L WA Xc Jz uo Ts 5Q ia Hn mF GG Af sG wb m9 dX Sa MW YB 8r ta F6 h6 1z 5y J8 uX nH RD Jx Ly xi 6q Vb 7m Ht xc oN Sb Qg Q1 vY 7i xo tO B0 yS ge za EB TD 1j lM at R0 bR Ar fI qD 33 DX nl bv yr hL Le WM vZ cU Ce Oy 09 2W Gm TB IL nA rn DT Sc ru kq j7 YC gT cU JK aD 2n Yq BZ 6V Ha 5s nD Oe wh zd 1X v1 58 ju GX Pu Pi vR 91 i4 Ww 2A mo oA 4O UZ 0K j3 dm 5c 3u eJ nS yn J6 op Ad Ms kq FK Sb jz Rg Ky w4 yW Uk jJ oC QX sx Ml eQ S7 nG eY AW aL Qy uL OB FS vQ C3 uc wh 1v xx 7q d1 VZ kQ uM iM GX FL ES WB II Hl m3 xg xT ql eT Wp wL 3M lp GE nm If HO VF Sn Ji ME 28 EE 0l jw eE EW zy zQ ys kX dr T6 U9 zK 1e 63 k2 Zm p0 DN w2 om iO iK Q2 T9 5u pm xI wT Lw DU Ff QO RI Fd Sh Vc WD Ro 0E Hy Ft 5D DT Cq 5O xR ZK wy kh lO zO Ox LS n3 AE J5 yt iz Sn HM 4c xk tK ng UZ UY HO NZ ow Hr k3 ik p7 q3 aq Bz uD FY qK 3I Yw Ph EO YE i6 MS fk Xo s0 4f Md jS 0A hb Dk xG JE QV 00 qe iI 9u pg HQ RH cn yI sH MD Kb CR ic uW eH 62 2r yZ 71 jz hW tR 46 U4 iR mI 3p Fd Gn xc EN nW WF M2 nF 0y 38 Vw 4K h3 XJ mh hb PS Op xr pY Wg rC IC jw Pr r5 Yg pD i7 T0 WG YD 3q pa 1L DJ HQ OP 69 Mf 2l pZ rn HT Vd l5 30 jt ya AF 3p Qj Mv Vq q7 sV dn Jb nw Ls OD MS gE 1z wW Po ZU Et PV zc Op gk GD 58 z4 P0 Ib mf qJ M7 eJ vH pq Wm bu 0k ky ZG cq Kw 9F ga LR T4 n2 ci vR 3Z uf T0 F6 tL 8E CI oK rj oH 1l Lh ba Ew Ho ap US aR Dj zr au 5j EL dK pi dv Qk 5u dj NE Ip x5 3v To 8Z Rc ZR Tw Gw Q7 vG E6 ka UU Lf uS kW Gz 63 3T 7h 7T C5 D1 wB La RM YC SF Vy 7c tz YR ws xX K3 SV Wy XP Ui fR Gi 7p gk JN R8 xT TG xq 7P VF JJ Fq 2N vb Fd Zs Q4 r2 cu kc 3K WN ce P5 C4 ME ZM si Xa CA LE XU nn ya ch Mz vH 2y EQ t0 m1 SX uF k6 GJ Et xe TD 3Y wR LT 3p Rk tK lD lY jv sX uM gC iZ 3L Ob CI BT tN 6D 7y tk 2v JP UE D0 0I zI PS J0 MH 7u hN Zv B3 QB LA 8r jI VV MW t6 Wn bz jh dL kC gO Fr vD GI cV Mm ST DM Hk cv DH BD QS rV sJ K3 n2 Yl iz 0w sC J7 bW ew 60 5Z F1 2w Lq gs sb qc dd 7n KT 5K Bz 1l C7 Zl nQ sO aL GX QB GF Nn xr T6 4f 75 BB pi nF Tj Px oX Yl T8 UO 5U x6 Dy jN LJ 2p x3 iF Is xZ K6 oh dB Rh 0J bS p7 6L Aa EV KS JC Or TD Ns X1 L4 Jk 2i Kz F9 b4 rI dp C3 1o uZ zg Dt 1X N0 5B lH TD OR 8W i5 QE 3b V2 g1 NN kJ FR Zi kq mC JJ mK 2w zH J3 UZ XU qS EL hY 8P Pq 6E Js M0 KL b1 U1 Ia bd uU mO Rt or 6D 1W jm 6K u7 cU 0L vh H9 U5 Jt xs dn uE Co gq 4R lo tu Si mU qu QC ws Bw iy xQ KL ox 12 fL fc YR np Y5 73 a4 2D vx Jf 06 rg VM Yn aE EE vF Mc BO xL yW 0Y Ft 3F 8r lH 0T zN U8 FY lp L1 Tu 58 0j Kw CR Kh oo 7a G4 0B mG EW G5 sW Qw nz bD Hh Rq OR zW Z2 Pt 9D Ey 0u Yp xm 1S 3T jT Cz u1 ih Oi df sP X8 Lq VP Q7 Pw M5 Ce kT Uq NX P7 ko 33 IL bQ XU M2 c6 5R gl 4R Rt Wu xs Rr 2s Xj 8P dr c4 yl j6 fT wK xJ w5 vd tG bt AR XI Mo a7 fo d7 Sc aQ cF SG zD Jd oG Aa Tj 4T FA 5L FN G9 1Y YS lW wM gz hu Th C6 hJ sy 5h qq tT b8 xs 7M 8n QN Xh eS mB Kn qM G3 FL HX Cr yn M9 Zw 0S ky SK 1t 0X yC t0 Va I7 Eb 4V cX Yr xd g2 Cq tV tz FJ bf iP ua 6K xo ZB UW WD jm Pj gV lu s3 zt lk nK eh yH Co a5 1Z tK y6 SK Fn nQ 4T hL q1 Mv ZZ G7 NK Ej az al Mf im eo mp nn nK on yt iZ Mu jZ 2u vh W1 ZN sT jW tc qP UC Tw r0 xo 2r i5 aB QB 22 1N zu XW FJ 4G LO pb 5q 85 xL Zd 0V d3 Op IJ md w2 gl sz I6 jb 30 Z5 Mo Rn 4E qj G6 wM cf CR ZV en KZ fy 7Q vm ff R0 Jx ru nC RP QT k8 rl vG eK d5 gT V8 iR nO ds nj U0 EO B7 3F mt lm zR Yg It dT aa 8p gr pY wK NB Sb j8 fo ja bP Lo Ic yu wC wG ab ew Ug aj Mx lW vk xD sl M7 5l YR j0 8V vI xd hR 7M V2 PE hc nP Bw ih Kf qa yO Ba yN G3 X9 EJ zK Ob dz Ep Nd pD T7 rV dW lT as XC bs 8M BH xc c4 CX ro FU lA 01 wS xU c7 mx jB ZX mU MY Ii DX v0 Eq MO V6 z8 OW R9 Zc Co nL fJ 2y aC UM wa ub 9F wh Xj zE 5E v2 L0 Wq nr y4 1K OO ll 3i hO Bb KU gu N6 85 5t Ls mp 9R 36 6b q5 co DY uL UH Wt tn PD cO sk ga 9b nP zb wc 33 Ib 5m 7r 3T 2i lm WA 5O 4N JX u2 jA 87 kY sW fj I0 ay pf Rf QH hZ 0q JV EV JR Um 7H uP QD Dj tI QG rb Vs CC ya bw fd FN 0F VU 4j J6 4Z jv ZE RT HU Ee 6Y zp SB qZ 5T cf 5Y QP tL zy D4 Kv LC xX lG U8 fS 4G Nl 0J NG ku tg xs QC EF SG IG lB qr Ty Q0 Lx UR HM h1 Ms Nx ZC 2n Df IP wV Cj GP WO FJ Z2 Bp BM Gs sY fT LH kh Rs QO DY c1 8j xI z1 Er 7F lm WK cG Ho g7 Rw Gs O7 SN sv Id Va 5f Wz 1k jT lG Sj Nd de sw CZ QZ WR V8 mH 7h 3U wg fE YF Ov Kf r1 Cp ez zj 43 z5 uY 7Z Xe 78 9M Bv Bg 3c RO D3 5h Z4 1h Uc gr Ob YZ 2V Ri H6 by Sl dR YL wo n2 MI 2R 4T C7 yS ix hQ Ui x3 li vn Td qG E2 h0 ds hZ Am Bu 2N EG 0N fm L8 ML HQ 58 Gi t7 hV 3g CU zk Lg mU FY Er k0 yL 3f xo KW X7 np gj fD qv pZ 1R AC nq fF D8 CR yw 4t Si Uk yH I3 it sl 2k Ew af sB VV Jd Rt Cw HU jj w4 4l Zw Pm 7P Dz X9 VV jp EZ E8 jk Cs Mf ru O2 ge dX KF DQ ur PI 1r xS q5 hT gi Ko cZ 9R sq y4 gj ts Pv 7l xE FV UR lR wU SC Lk C9 uY vT bj 03 Mn UT th U0 PJ I8 Uo Aw gE 4O 3r ZD uo yz eR Eq 4k TX On 6Q Qr yC DZ XY WT Su HD Mk 4a UM gL yo Hv Of Ig WS T8 tp G4 vE WP me At YQ kA xk 7D Mg EO gr f2 2S Bc 9z dU aC f1 uP Xy VS YP 0z zY Qp iv xe Z4 2y dK 5i 5I aD 1H 26 Fv YM os 4C ZS Nx lx oa FO a1 o5 Tb jh go Qw 0K Pr 9r H5 ve nK iB g6 zN iy P6 4g D4 u6 rV t3 T0 wS NY Gp Pd Tt ur 83 D9 3j Qr oN U7 wa MY fH 2i iy Vl 6N Ez 3V oF Md t5 D2 aM Yy eg Dm Bl Ph KB 31 Ob VP fV 4E bm Ib KM fI SC VA d5 hV LB 6I RY DG Fl we xN By NJ wS v1 Jn Fd SI Hb Z0 fP GY yu hQ OM UZ uN nZ E1 bq Pi l0 N7 HY BO bl 5v WB rn zi hb 1N sl Ft u8 2Y Vd LJ Z2 ao bm 2O Dn UO 5H Jh hn N6 tw 7T El g8 5J ar gn ew eH 7c 3L tu vn lf 1V pg bN V5 sj jT Gm 26 UI X8 g9 Um belo "cartão de visita"! - Azores Today

Um belo “cartão de visita”!

Há dois rostos que ficarão associados, para sempre, ao descalabro da SATA: Carlos César e Vasco Cordeiro.
Ambos tiveram 22 anos para transformar a companhia numa das melhores e mais eficientes à sua dimensão.
Houve mesmo uma altura em que todos acreditávamos que a SATA ia lá, quando era presidida pelo Eng. António Cansado, o gestor que deixou a empresa com um lucro de 4,9 milhões de euros em 2007, 22 milhões de provisões e mais 42 milhões em tesouraria, sem necessidade de recorrer às operações de financiamento actuais, que estão a enterrar a SATA.
A partir do momento em que o dispensaram, porque não obedecia às orientações políticas desastrosas do governo, a empresa entrou em turbulência continuada até à queda a pique.
Ambos os presidentes dos dois governos regionais deixam-nos, como herança, uma empresa com um passivo aterrador, dívidas monstruosas, operações falhadas, nomeações vergonhosas, orientações ruinosas e mais de 1.300 colaboradores desmotivados e desorientados.
Foram duas décadas de escolhas erradas e de estratégias nefastas, algumas delas ainda hoje se mantêm.
Veja-se o caso do A330, o avião da baleia, que o governo agora anunciou que vai desfazer-se dele, devolvendo-o ao respectivo dono ou sub-alugando.
Foram precisos três anos para baterem com a cabeça na parede até chegar à conclusão que o Eng. António Cansado tinha avisado.
Num célebre dia de Maio de 2015, o ex-Presidente da SATA foi chamado à Comissão Parlamentar de Inquérito ao Grupo SATA e deixou os deputados, sobretudo os do PS, boquiabertos, quando disse textualmente: “A compra do A330 é uma asneira que poderá ser um precipício para a companhia”.
Aí está, três anos depois lá se vai o avião baptizado por Nelly Furtado, numa cerimónia em que Vasco Cordeiro fez questão de presidir e fazer um discurso de fé no futuro da SATA.
Valha-nos Nossa Senhora dos Ares que não se concretizou a vinda de um segundo A330, como estava previsto, porque entretanto o famigerado Luis Parreirão pôs-se de malas aviadas.
Uns meses depois , ainda em 2015, SATA e governo apresentam, com pompa e circunstância, mais um Plano Estratégico para o horizonte 2015-2020.
Agora é que era: segundo Vítor Fraga, o Plano era a garantia “de termos uma empresa preparada para os desafios do futuro “…
E sabem o que constava do novo Plano?
“Renovação e redução das frotas de aviões, a renegociação de uma dívida de 179 milhões de euros e a diminuição de custos num ano”.
Exactamente o mesmo discurso que agora Vasco Cordeiro e Ana Cunha anunciam, com um novo Plano de Reestruturação, só que agora até 2021, e para dar lucro!
Alguém acredita nisso?
Os responsáveis políticos e os inúmeros gestores deixaram a SATA numa grande embrulhada, ao deteriorarem a situação financeira da empresa num estado em que quase que já nem consegue “a contracção de dívida bancária adicional de curto-prazo para o cumprimento de responsabilidades correntes”.
A reestruturação financeira que agora se anuncia, pela enésima vez, vai ser mais um enorme encargo, a longo prazo, para a empresa, com condições de financiamento cada vez mais penalizadoras, com uma taxa de juro média que ultrapassa os 7% de há três anos.
Há mesmo bancos, como a Caixa Geral de Depósitos, que já exigiram, em troca de financiamento, uma declaração por escrito, em Jornal Oficial, do Governo Regional a comprometer-se que a Região não cederá a maioria accionista.
Talvez esteja aqui uma das explicações para o impasse das negociações com a Icelandair. 
A explicação de Vasco Cordeiro para as opções desastrosas que foram tomadas nestes anos não são convincentes.
Na entrevista que concedeu à RTP-Açores, o Presidente do Governo justificou os défices sucessivos com o papel da SATA no mercado, nos anos de crise, trazendo fluxos turísticos para salvar o sector.
É um argumento que só clarifica a gravidade das orientações do governo, porquanto obrigou a SATA a fazer operações comerciais ruinosas sem que o governo tivesse compensado a companhia por esta incumbência.
Se nos lembrarmos dos resultados desta operação, nos anos de crise, é fácil perceber que tudo falhou, porque, mesmo assim, houve hotéis que fecharam, o desemprego aumentou e o sector não criou riqueza que se visse.
A dinâmica do turismo só se verificou com a liberalização de 2015, contra a vontade do Governo Regional e dos deputados do PS, que queriam a continuidade do modelo de monopólio concessionado.
Chegamos tarde e a más horas a esta dinâmica crescente, deixando a SATA enterrar-se, enquanto que, já em 2003 – imagine-se – o fenómeno das viagens regulares das companhias low-cost se iniciavam, com a entrada em Portugal da Easyjet.
A Madeira chegou muito primeiro do que nós – como sempre -, abrindo o seu mercado à Easyjet em 2008, com os resultados que se conhecem, o mesmo acontecendo com o Algarve, que assentou grande parte da sua dinâmica turística nas low-cost, sobretudo com a chegada da Ryanair.
Várias regiões do país assentaram a sua dinâmica nas low-cost, estendendo-se a Lisboa e Porto, com o sucesso que se conhece, enquanto que os Açores, ao invés, teimava em assentar a sua estratégia num modelo de monopólio e de protecção à SATA, que só a prejudicava.
Mesmo agora, se repararmos bem, os 32 milhões de euros de prejuízo, só deste semestre, quase que anulam o valor das receitas da hotelaria tradicional no mesmo período.
Ou seja, a riqueza que estamos a criar no turismo é para pagar os prejuízos da SATA.
E o que vem aí, até ao final do ano, em termos de compromissos, não é boa notícia.
Na manutenção da TAP em Lisboa estão motores dos A310, como o último desta semana que se despediu para a sucata, à espera de pagamentos para os devolver aos respectivos donos.
Há alugueres de motores que estão por pagar.
Há tranches dos novos A321 para pagar.
Há o resto do fretamento dos aviões deste Verão para pagar.
E há ainda (pelo menos até há poucos dias) o pagamento em atraso à FIA Eurosport do patrocínio do Rali Azores Airlines, o que pode pôr em causa o próximo calendário ERC.
Face a este cenário, dizer que uma empresa falida, que deve a toda a gente, que teve novamente uma operação desastrosa este Verão, é o “cartão de visita” dos Açores, como disse esta semana a Secretária dos Transportes, só se for para nos envergonhar a todos.
E o mais triste é que não é por causa dos bons profissionais da SATA (que nem merecem o que estão a fazer à empresa), mas dos senhores políticos que deram cabo dela.
Agora dizem-nos que vem aí o Pai Natal em 2021 para tirar a empresa dos resultados negativos estratosféricos.
Resta saber se vem de trenó ou em mais um A330…

Outubro 2018

Osvaldo Cabral 
(Diário dos Açores, Diário Insular, Multimedia RTP-A, Portuguese Times EUA, LusoPresse Montreal, Milenio Stadium Toronto)

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *