A Vereadora Maria José Lemos Duarte defendeu, esta quarta feira, que, num tempo em que os jovens são o nosso principal capital de progresso social no futuro, é preciso “olhar a doença mental, no presente, de forma transversal à sociedade, sem estigmas”.
Falando no encerramento do VII Seminário de Saúde Mental dos Açores, em representação do Presidente da Câmara de Ponta Delgada, José Manuel Bolieiro, a Vereadora preconizou a criação das condições para o equilíbrio “de mente sã, em corpo são”, quer no desporto ou na cidadania, tendo como base uma educação nas escolas para a saúde; quer como uma pedagogia de formação e orientação pessoal, familiar e social, voltada para a capacidade de tomar decisões responsáveis.
O seminário, que decorreu Centro Pastoral Pio XII, debateu o tema das Comemorações do Dia Mundial da Saúde Mental de 2018: “Jovens e Saúde Mental num Mundo de Mudança”.
Tema este que levou Maria José Lemos Duarte a afirmar: “é preciso cultivar uma cultura multidisciplinar de apoio e acompanhamento dos jovens na saúde e na educação, criando gabinetes destinados a psicólogos credenciados e especializados capazes de os ouvir, compreender e ajudar na resolução dos seus problemas, bem como a resistir às adversidades”.
“As políticas sociais da Câmara de Ponta Delgada responsabilizam-nos a atuar, dentro das nossas competências, no campo da saúde. Na cultura e atividades de lazer, apoiamos grupos folclóricos, filarmónicas, grupos de teatro, entre outros, que ocupam os jovens em algo construtivo da nossa identidade” – acentuou.
A Vereadora recordou, ainda, o trabalho desenvolvido pela autarquia na melhoria das instalações desportivas de responsabilidade municipal, além dos apoios a clubes, associações desportivas e atletas nas várias modalidades desportivas e outras iniciativas de cariz recreativo.
No seu entender, todas estas ações ajudam a construir mentes sãs e têm em vista uma sociedade mais integradora dos seus jovens, com vista a um futuro melhor.
Maria José Lemos Duarte não esqueceu os mais idosos, sobretudo aqueles que, devido ao isolamento a que são sujeitos e a outras vicissitudes da vida, são uma população de risco no que se refere a problemas de foro mental.
Neste sentido, recordou que o trabalho desenvolvido pela autarquia nesta área, através dos centros de convívio, tem vindo a fomentar atividades ocupacionais que, passam, também, pelo exercício físico, assim como muitas outras atividades que visam, não só um envelhecimento ativo, mas também, contribuirmos para o bem-estar físico e mental dos nossos idosos.
“Todas estas ações ajudam a construir mentes sãs e têm em vista uma sociedade mais integradora dos menos jovens, mas também, dos seus jovens com vista a um futuro melhor” – disse.
Sobre o seminário propriamente dito, Maria José Lemos Duarte, considerou como mais uma iniciativa louvável, que coloca em primeiro plano o debate sobre as temáticas da Saúde, seja nos Açores, seja fora deles, sensibilizando para a sua importância no progresso e bem estar individual e coletivo.

Vs l8396Fonte: C. M. de Ponta Delgada

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here