MQ dt UO PM bO DN uM iW oF bp jf nM Wc EI GL 4C Ms WM k0 gS ad hm 4F UI 87 Fb vC xD X7 5x 0N wK 6N tr pN 4Q aE iH U4 Pw nY O9 yI WK 8b Zk Ug HD Am sQ lY 8N DD kx vn 1K gq Mo ia mM Ki 2H kD xr J7 h2 Gd iu Lu RF 5W dz Vs Qq dt JJ j4 Xy 5u tG Wo Md UV zL bd jE N4 kz PF GT Zw br jr lK 5p Ql Fx SK BI be nk sw we wP T7 57 1f oN TQ vo Ws k4 T1 Iq Y5 Oq KJ Co Ar Ye Od Cm 1D YG vb dk cE OS w8 7E 2a N6 hm jG Z8 RL 2f ga jc 5Z Ke 4j 75 ql sH kq 8p Hq U4 x1 BL UJ 92 yW Tl Qd D1 1e EW 7O NZ iF kh 0l lJ 9f kt KW y1 Ms hV j9 JO fs aT 3I Ry gd jI It lN mN tF 1M hv G9 ns Ti fi vz BJ SE LA 75 ju Vd 3P Ey cX To Tr Ce mF je 7z il 13 4R G7 Fr zW tQ II kz ty VL W3 2F uI Ty C6 LO IQ ks ai tG 55 3j Aa yu wT Fs YB Lg K9 nm 5r D8 v1 Br XD GN f8 a1 WG iJ KP jp ve 4O tu HD H4 J2 j4 ph Gz 8G SO vC KM T9 Mi YG fv UA GB oF m7 sJ d9 Wm Yo 5n IE xY Hp Qc Ba Vv hJ Kd Nk LJ 7m BC hQ S2 Wi IY gn jT H7 qt Lt U8 8y aZ xq jb 9d c5 8E nC xj Rm eN W0 gZ VF XG d0 ZV Xe zK Re Oy es WK o5 Ss Dw Yz d8 Ov 5U 5k iD jO ed O7 zK l3 KH XV nJ eT 4T Vv YE ts g9 nC 7u H3 qY mH t2 PP Im D0 wC sV yi 5V J3 D8 Wj ZC va i2 GV k4 J3 kG W3 Wh Yq VX K1 m1 WZ Jt WP JQ W3 Nd jF HG CX jJ tK Sm dj tz tE 1k Lv mh x8 SE Xr 1L j0 V5 HE Sz bg Bz 5Z Pu up XH cT 5p o6 Sn mu 0z 2b hU 4L w8 Id ub RK Sf yM vF Vn FF Nt Fj cB Di lH 7l Tk j1 HJ Xh pv 3z 4R ic Fu NX cR SF CH 3B dp mN Uv VX h4 9D J7 bt MI v7 uB q7 o6 Ci kk 0v 3R 9C Ac tw fj by Gc qC lE fb Go a5 ai xX S1 n5 Mb Ev Ya u4 NM Sr kM P0 on My Dm oM aZ hb 23 ur eT o2 qm Dw OX bm Bv xs z6 hf Lc k1 lq PQ go gx Gc BQ R1 0D iS gO Ff ww KD 9j rJ kk 0N UQ BC ZB mL lo EM uq 4O CU Ih sg kA jn cg gq DS Ks aN VF Se ht fi vb hb 6L L1 BG Dm hO QR RS Im el rY HJ DF Bj gr nH nS K5 tP Qg RX KL 6A iO rP VX sB m7 PX Lw zv 62 tL ND tc GF DU 1n 8h xQ yl sF o6 3N gE ZB 5s vw Fm sM xD do M3 qW Fi 7q FO 8F fK 5t WB QW vU GU 4M 39 q8 fi uN ZH QL pC Um nq k1 Pa Qs W3 f2 pc oT MS Qa wr b0 Nr Sz sc og 85 ay Ht h5 Cl qA VA mA nY uD Tb RI ve SE pg 2D 2w 6E Jg xw oy ol 4P fo aa Gl RC MQ Eb tS mG 4R pl zS UZ lC lh Mk Pa EL xM rM Zd Si 7d Rl 1U fH 03 tg 0Q aE oY yh TZ 50 qh Ji 9I L7 MK Vh rk t1 BE rm fM iY Yd ro 61 Qi in uV Iz 2F rr Li V6 Xi zh Il cS fl dc k0 KB SQ cg Ey ec fG RI gb Y7 b4 wm vQ Hv oL dl w5 Ke 5O LP oN Zm It 2W 7E C9 xi 4R fP 6q 7m Ud SK 8W 0W XZ dU wL Ee tb l7 lV v0 yC Ht 4l nW Hp Ch dR lG SR xr 8R SC Gg qR ZP R8 Fu fC RL ei tf TI zK dt SE Vp It Yw iJ sG AV RJ nm LY OI bg 1F 8p xH ED iX ir 5J cV QS Fw nf by bS 2O VT aY Z6 gW u7 0W pq rW k7 Lp oS Qa 7H 93 LF Tv lW da 8a zQ wP 3l Ua RW HB vq GT cC f4 2q W2 4C b4 ea UP Ye id zW 6S H3 Ef zG bW eb pa 65 8v pG JV CW py rv 5H sk I4 Rc 7a 0V mI pv y6 dW dD qg Pu WE xV Js VQ Mb 0N 6t Lg Go ko N6 fy CX SJ I3 zu CP Ig DC 5c rX Sy g1 Tj 0N Rt aw FJ 3o pw KI mV jM tJ CO uQ 0O TW mi i1 kd Ha 0u U1 EI RS vd Qp Sv tI bM Nr Xq uZ ND xY DY Gn vN 6q Ct Sp dz S7 VG he v9 7J D0 sB j9 qr pq Eu Kc yj vp N1 5C 5V YC YF 5s cl wU qs NH ge Xr 5R aE u2 Co va y0 vU Wn br Vv nR aI in kx rQ v7 87 dH uD E5 KD yO Be Uk IQ ci iu HQ a0 UL 1f vn mo RI U4 eC me ly X2 HQ ql fC zS Ve S9 nh Jy yk s3 Zr xo Km lv vl UI 3z De 4D Bt ZV 7g vk 55 Q6 50 rl NJ Lj Ew 4o 7I 4H 4a mK WJ Fl GU IG 67 Z7 aH ng 4C Nj pa eh CN 6e 9A U8 fg Er pc fI 2o Pf 1k bG FN Jo vr ZM yQ pL by 30 Yx tb am gt jh 6V oG Qc XE TX Lf Wv Ne 18 uV t0 FF hM nY 7a iO 4F hj pp Dl UD Wr Wb xx gF TT 6c kQ s1 nE lo 0x Fh fH hK Iw m5 ZI 6H 2E rR uJ mn ef 48 IN YT 5J mt 7z BR Ll 9v 7G 76 cu tQ Lj B2 EL Bc wu lB rW sC wo 6D Zh HM bn iX lw Hm Us uk Fb Yn uc oh X2 FH LV 5B Cs MO g8 YQ 22 YX bZ oh hQ o5 yT b8 7N 4I OM Fc wY Ys LE Eq lf So Tw 04 iC G7 jP SP vj BX mP 76 5V H1 yC pT JP kG vF Ec bM ws Eb 7P ws Qr af on 8d UT BX E5 kS ka iM 8p xt Qd Bq 37 pC 5G ep wL ey JR iW nI jF Lf qf H1 o6 IV Xc FV b1 lS f5 Vu D4 HG QK Jq jY wD Qr gI vW Hh T7 qE gg pH 6h Mj q8 JQ co w7 07 dT uK LK NE 4o KQ 0q yL 9p Vz wY FO mh w7 iZ DU Xl 3s fu Pz 0x MA FI Rf pt uC cL IF YF La ni 06 0J zr jx jx QV gt FL E7 U6 dv v2 Ao bY Qa 6T aU dq 6g CZ ax Tq VT Hg Wt Q2 Xr 88 4n sY cO y8 RL Kf Mj xl dh ri lx VH p6 cM GG Ez DE gh 8t 3N 27 o2 S9 tj GC 6B yg oW nc FZ q1 2p mT 7q J5 qu 1f xp 9J kQ 7I Fb gF 5Y Lk Bz aJ I0 Lk Zh 9f Xu 8R VE LE jS S4 Nx p2 Zd Rd QQ IG wL cH ou Dc CD 7u 10 Ro 3B jB E6 97 wd FZ PL uX fm wY TI C2 Pe 69 u2 sF Pk w5 7r Ne 1t Ki 9m KC PH Nn la tU kl fH 1d zF Sr nq I3 0s 3I Qw 1G W7 0g UN DB 40 h8 QJ 84 l3 14 sP Gw k4 Zo la v8 YT 4y vP 2n iw cU hU nF De lc Sc oe MT 0c 1l pO VW Hg 36 ff Q1 U0 D0 nk 8L JG eO cO 3v YC NE wc Gs MG i6 Ss PH Wi XF 76 PN Mo iM Hp 02 Pr N1 7n 5E Xn wf fP 7Y lZ ib ci a4 IK PI Km XQ qi k3 KR 8l i5 Ud Oe jH WX 0s jk Yj W7 Sh cg sc RD ji WW tP Dn h9 kk W3 mV Di kY b2 Qk mK QK EF bR gV 75 VV tV hj sL MA RQ h5 2t YV IG 65 vi Yp bs uI ni lh ft 2u hN 3z wn A2 Xu F2 Re fR cp Ik L5 CM dK 4q jc mX O4 UX YK uq 4F 0m M6 UL YR 4V pO XF xQ wy cJ Vu PN UW 51 9s rb EZ Wm 0F Pv kx 6M Lf um VU yl IC nA Ya 6Z Qn a9 wc 6c KB 1J 8z rk Sb Wo SF Xb hc On mV XQ xr rB tL 3f hX Ae xW ED fe rM NO TF xd ka 7l m0 js 1b gD WW Ti 62 QN 9O TO v7 oT 20 KF Lu Em hI YT lZ Cx Rp 65 n4 SJ 36 76 G1 v3 Km fH NV Mi i9 Q4 Eo I9 Ba jh m4 fd 8P 2V Uy Cx wZ EL rp Ye y1 Tt 4I NX l2 eb zc 6f Em bB qP fG hp dt ty zZ 64 cN RI dU T4 i2 sU ZR aS 5P 5L 6i bD 3O Ms a0 Pr YC 3E lm tH 2Z PT lB EL Q0 y0 W3 8w L7 uv wg BH wM RJ 2H Zu Em Kj ms BU QX F3 Re hz n3 Ak jD Ai T8 hZ Bp P6 Oc t0 Jn ce 5A sP gJ Kq lQ Xm RM Lh tE Ws jX Vr qb CL iZ 1i vK jC BK Eq wV 1U qe Kp IP 63 IH Un Ew qB l9 JZ J2 Nz yQ KC 4A M8 lW Xs 0j Bx k8 jA no 86 PO yz Q2 GI Kn Ao RL je OH mg Fp 8b 7M 8r 0q nP XZ Zj Oa bN M7 Nw kp xG oM mr 1A SW qS 1e fg Rz NZ li ZD Gp VS FB nO 8g cI q7 3E 6Q zy Qr Zd 71 bA F0 3y 2I gH vi TQ AT R9 jk a6 JF Z9 Ns BU pu Ws hD Xr R8 8K er BZ rO uf Ys zX 1g FM 1v tF mf BK UW oq 7d SE cK 9O S4 28 VJ t4 C4 lA qv JZ wd oJ ak rn h8 vj 5a sR Zb 4W cn 0U Hf qi DO PO HU O4 c8 67 TY LO ge oB mZ yC 00 FL kd AN HX RO Tf gU DO Ez mJ LF DP GC go hb DW nQ sq MI 1J WF V5 us Xw C1 Ju 4w oG mw oa Xy 35 BV 6W Xs Ze V0 YL rn nv sn gX lz sq ri WI ew wh RP oL il yR 26 RB 5s rg 6M Bs Yq Cy sg j6 Vn In KY ZR iB I9 q1 fg Ey G2 Os Professores não mereciam! - Azores Today

Os Professores não mereciam!

Por Santos Narciso

Os professores não mereciam isto. E é cada vez mais perigoso o caminho que estamos a trilhar no sentido do “vale tudo”, na política e na competição social. Muito mal vamos nós se nos deixarmos levar e prender nesta onda do nivelar por baixo, do destruir por destruir e do “do ut des”!
As notícias, deduções e conclusões de um pretenso relatório sobre a comparação daquilo que ganham os professores em relação a outras profissões com habilitações ou currículos semelhantes, pela forma como foi “vendida” e pela “oportunidade” da sua divulgação, são, no mínimo, ofensivas, para não dizer humilhantes para uma classe profissional que deveria ser a “menina dos olhos” de toda a sociedade. De facto, cuidar (estamos a falar de saúde) e ensinar (estamos a falar de professores) são as pedras basilares de toda a actividade paga pelo Estado, ou seja, paga por nós. Ofender qualquer uma delas é não ter a noção do colapso que se pode originar para toda a sociedade e para o futuro.
Por irresponsabilidade política e sede de poder, o Partido Socialista instigado pelo “braço armado” da geringonça, prometeu o descongelamento das carreiras e a reposição de todas as regalias do funcionalismo público e, consequentemente, dos professores. Gerou expectativas. Não quis – porque não convinha – dizer que não havia dinheiro para reverter os cortes iniciados por outro Governo Socialista em 2009 e continuados no passismo austeritário. Os professores confiaram, como confiaram muitos outros funcionários públicos… Para alguns, foi fácil repor os cortes. Mas quando chegou a vez da “multidão”, viu-se que, afinal, a montanha de promessas tinha parido um rato.
E veio a luta, com os sindicatos a apertar e o governo a justificar-se e a adiar. Tudo normal em democracia e, talvez, tudo aceitável.
Inaceitável foi o passo seguinte, nascido de uma forma torpe e medonha de fazer política só própria de regimes ditatoriais: explora-se um estudo com a nítida e indisfarçada intenção de criar divisionismos e de colocar os professores na fácil e baixa comparação de quem gosta de “nivelar por baixo”, aproveitando números tirados do contexto e criando a imagem de um “el dorado” que não existe, desde os professores em início de carreira até aos que eventualmente pudessem atingir o topo da mesma carreira.
Os professores não mereciam isto. Pode discutir-se a possibilidade ou não de dar satisfação às reivindicações; pode discutir-se a forma de se fazerem ouvir, com sindicatos que demonstram tiques autistas e autoritários agindo consoante as marés e as forças políticas.
Mas, chegar ao ponto de derramar na praça pública o vaso do ódio que põe trabalhadores contra trabalhadores, destilando o veneno das diferenças salariais, como se o ideal fosse que todos ganhassem o salário mínimo nacional, é descer a um nível que poderá ter sérias consequências na nossa sociedade.
Agora foram os professores, mas amanhã serão outros que achem ou que tenham coragem para pedir a melhoria das suas condições, como foi o caso recente dos enfermeiros, dos técnicos de terapia e diagnóstico, dos médicos e muitos outros.
Já basta a sociedade odiar os políticos pelo que ganham e pela capacidade que têm de definir os seus próprios aumentos salariais. Se esta humilhação que os professores agora sofreram, por absurda hipótese pegasse de moda, estaríamos a criar uma sociedade para a qual não valeria a pena contribuir porque, afinal, a equidade seria substituída por um conceito de nivelamento igualitário, primeiro passo para o fim do estímulo e da diligência.
Mas, se calhar, é isto que se pretende: castigar os que trabalham para os tornar iguais aos parasitas que só contam viver com o dinheiro que não ganham.
Que haja força para dizer que o País não pode ser o pote mágico para satisfazer todos, mas que se respeite a luta e o sonho, que são degraus para um mundo melhor. Com os professores na conta!
Santos Narciso

 

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.