Estratégia

O sector primário é fundamental para o nosso desenvolvimento.

Temos de impedir a todo o custo ficarmos dependentes das importações para fazer face ao abastecimento alimentar que tanto necessitamos.

Actualmente, verificamos que a grande maioria dos produtos que consumimos são provenientes do exterior e mandamos para fora o melhor que produzimos.

Esta circunstância implica que os Açorianos comprem esses produtos a preços elevados, sendo certo que vendemos os mesmos, que produzimos, a baixos preços, especialmente para o continente português. Isto não pode continuar.

O Governo Regional tem a obrigação de apoiar, por exemplo, o Centro Açoriano de Leite e Lacticínios nas suas estratégias de promoção e colocação dos nossos produtos.

Os agricultores fizeram a sua parte. Por isso, é urgente estabelecer uma estratégia para a nossa agricultura, que reduza as importações, nos torne auto-suficientes, remunere adequadamente os nossos produtores e incentive a indústria a criar valor aos nossos produtos.

No fundo, defender os interesses dos Açores.

Por Pedro Nascimento Cabral

in Açoriano Oriental de 28 de Julho de 2018

Ver também

Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP

Bispo de Angra pede aos católicos que cumpram regras ditadas pelas autoridades de saúde O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse hoje que as comunidades católicas querem “colaborar ativamente” com toda a sociedade para superar o “pico” da crise pandémica e “inverter a curva ascendente” de contágios e mortes por Covid-19. “É uma situação […] O conteúdo Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP aparece primeiro em Igreja Açores.