Palavra

O respeito e a credibilidade de um político só se conquista perante os militantes de um partido ou, depois de eleito para um cargo público, diante do Povo, com o rigoroso cumprimento da palavra dada.

Se em face das mesmas circunstâncias, um dirigente partidário não cumpre com a promessa que fez, por exemplo, de se candidatar a um novo mandato na presidência de um partido, ou se um político, eleito para o exercício de um mandato local, decidir enganar o Povo que o elegeu e abandonar esse mandato porque quer ir para outro panorama eleitoral por pura vaidade pessoal, ambos não passam de políticos sem honra nem palavra, naturalmente desprezíveis, porque assumiram compromissos, respectivamente, com os militantes de um partido e com o Povo e, agora, decidiram, sem apresentar qualquer justificação, não os cumprir.

Se o esquema mafioso acima descrito for montado para garantir um sistema de corrupção política de lugares, então esta gente deve ser imediatamente denunciada para que os valores da verdade e da transparência voltem a dignificar a acção política.

Por Pedro Nascimento Cabral

in Açoriano Oriental de 14 de Julho de 2018