Fringe: uma especial forma de Ser

A Língua Portuguesa percorre, ocasionalmente, árduos caminhos misteriosos e, sem aviso prévio ou sem qualquer explicação etimológica, novos e inovadores sinónimos são criados, vocábulos que escapam ao crivo atento de pensadores, teorizadores e Velhos do Restelo. Fringe é, pois, sinónimo de Arte e o Arquipélago dos Açores estaria bastante mais esvaziado de cultura, e de sentido, sem o Azores Fringe Festival, cujo diretor artístico é Terry Costa.

Este ano, o Festival, democrático por natureza, eclético e agregador, assinalou o seu início com o encontro de autores “Pedras Negras”, que decorreu na edénica ilha do Pico; ínsula que, de tão mágica ser, é fonte de inevitável inspiração. Passo a passo, cronometrados pela passagem do tempo que nas ilhas chega diferente, escritores oriundos de várias paragens do arquipélago, de Portugal continental e, até, do Canadá, foram chegando e foram, energicamente, colocando em marcha um fim de semana de partilha, de discussão, de contemplação e de criação.

Omnipresente, como a própria arte, a montanha impunha-se, imponente, e foram vários os momentos em que os autores dispuseram da oportunidade de partilhar experiências e inspirações, em atividades diversificadas e em contextos distintos, de que serão exemplo os piqueniques multiculturais, as palestras multilingues e os encontros sinergéticos entre distintas manifestações artísticas. Arte brotava de cada encosta, nascia em cada curva da estrada, aninhava-se nos nossos braços. Viveu-se Arte, entranhada nos poros, presente em explosões contínuas e constantes de criatividade. O Fringe potencia aquilo que cada um de nós, artistas, tem em si. Provoca-nos. Incita-nos. Completa-nos. E nem precisamos de falar a mesma língua. Compreendemo-nos.

No Fringe, o escritor narra o fotógrafo, o fotógrafo regista o pintor, o pintor grava o cantor, a música, a energia e a essência da própria vida. Existe espaço para o intérprete, para o blogger, para o músico, para o caricaturador, para o realizador, para o ator, e para tantas outras formas de criação e de expressão. E abraçam-se, todos, irmanados pelo mesmo ideal, pela mesma sede de aprender e pela mesma atitude de doação! É Amor.

O Fringe continuará, fisicamente, ao longo do mês de junho, apresentando atividades originais e abertas à comunidade. Hoje parto, de regresso à minha ilha, mas o espírito Fringe viaja comigo!

 

Pedro Paulo Câmara

Azores Fringe Festival, 28 de maio de 2018

Ver também

Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP

Bispo de Angra pede aos católicos que cumpram regras ditadas pelas autoridades de saúde O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse hoje que as comunidades católicas querem “colaborar ativamente” com toda a sociedade para superar o “pico” da crise pandémica e “inverter a curva ascendente” de contágios e mortes por Covid-19. “É uma situação […] O conteúdo Agravamento da situação exige “restringir ao máximo” qualquer “ocasião de contágio”, afirma presidente da CEP aparece primeiro em Igreja Açores.