contador gratuito

Secretário da Saúde incapaz de negar falta de enfermeiros e atraso na deslocação de médicos especialistas denunciados pelo PSD/Açores

O deputado e porta-voz do PSD/Açores para a Saúde, Luís Maurício, considera “revelador” o facto de o secretário regional da Saúde, Rui Luís, não ter negado a falta de enfermeiros na Região, nomeadamente em Ponta Delgada, e o atraso na reintrodução da deslocação de médicos especialistas às várias ilhas.

Segundo o deputado, que falava hoje no parlamento regional no debate que se seguiu a uma declaração política do PPM, estes e outros problemas graves que persistem no Serviço Regional de Saúde, com consequências para os utentes, resultam da “falta de planeamento do Governo regional” para o setor da Saúde.

“No Hospital de Ponta Delgada, há salas do bloco operatório fechadas no tempo normal de intervenção cirúrgica por falta de enfermeiros, uma situação que resulta da vossa incapacidade de planeamento também no que respeita aos recursos humanos”, afirmou o parlamentar social-democrata açoriano.

Segundo Luís Maurício, a “incapacidade de planear” o Serviço Regional de Saúde leva a que o executivo açoriano chegue tarde à resolução dos problemas.

Prova disso, é criação da produção cirúrgica adicional, ou seja, fora do horário normal de trabalho, medida proposta em fevereiro de 2014 pelo PSD/Açores e rejeitada pela maioria absoluta do Partido Socialista que suporta o Governo.

“Caiu o ‘Carmo e a Trindade’ quando propusemos a produção cirúrgica adicional fora do horário normal de trabalho. Acusaram-nos de estar a copiar uma proposta do PS e do Governo que veio a ser implementada dois anos depois. O Governo regional atrasou a resolução do sofrimento dos açorianos”, considerou.

Luís Maurício denunciou ainda o facto de à data em que decorreu o debate parlamentar, os últimos dados comunicados do sistema integrado de inscritos para cirurgia serem os de 28 de fevereiro, frisando que ainda não se conhecem os dados de março e de abril, o que configura uma “ocultação de informação”.

“O Governo não faz publicar os resultados porque eles não vos são favoráveis. Em Ponta Delgada, no início de abril de 2018, o número de utentes à espera de uma cirurgia tinha aumentado de 7383 doentes para 9100. Portanto, mais 1717 doentes em espera. Os senhores chegaram tarde ao problema”, apontou.

Em relação ao atraso na reintrodução da política de deslocação de médicos especialistas às várias ilhas dos Açores — medida inaugurada pelo PSD/Açores em 1986, regulamentada pelo PS em 1997 e abandonada pelo Governo de Vasco Cordeiro — o porta-voz do PSD/Açores para a Saúde foi categórico na responsabilização de um Governo socialista que “reage em vez de agir”.

“Muitos doentes açorianos ficaram semanas e meses à espera de conhecerem o diagnóstico das suas doenças porque não tinham médicos especialistas nas suas ilhas”, reforçou à margem do debate, depois de notar que o Governo não cumpriu o prazo por si anunciado para enviar aos parceiros sociais a proposta de portaria que regulamenta a deslocação dos médicos especialistas.

“Era para ser em abril de 2017, mas só em abril último fizeram chegar a proposta ocultando, porém, o valor da deslocação da diária dos profissionais de saúde, que será, com certeza, decidida à posteriori por um despacho conjunto do secretário regional da Saúde e do vice-presidente do Governo, que é quem autoriza, quem assina e quem dá o dinheiro”, afirmou Luís Maurício.

Fonte: PSD Açores