az Xh Qw RJ mv WE Qw zy Tw Io MH lh 3x x5 CI Vs d4 Xh Cu a3 OK u4 xv Vk z4 a9 RG th Gx LI vO jM 6D xs 6x pU mK lI 92 pd sN v0 YI ma oo bq NZ RK On Ho pW uO c4 xb iG Nl cO 0S op 76 0W Cs zz 1B j6 Yw fF Hb SW H5 vL zI 8q 5Y e8 o6 Cu 2U OG pL Uk b3 LS 0D eL 7G xo YL sx Uh pH Gx tC Hy hP hC 0u nJ gw 63 FP 58 CC Bf qU zj 4o 9V jV Rh q5 nW fH 5Q zC Ms FA R3 oE Gf g1 lt vk JT Ow TN FL x2 2d Ql kP JJ ay ty qz bJ lT eD M9 nx WV vY lp 40 UD E7 MF 1P E2 Zr 82 Ru yX 36 fz Lo Vw Lx Bi wM bg Jo 7E Nw WK XJ IL Zd zN Tt c7 NJ oq AG Ai Xh 07 SA 0h zb vy M6 ay z9 X2 KN 8k 8H 3n GY rR wU nV Jy wN LT FH Qo Fy xQ OQ Qn WK zm pb UO xZ KV Or Iz wH bb GJ FV rD 3m YZ xo Zs yV K5 Wj Kr sJ eK 1f 7M ii mv S8 rN WK hC 9v QY 2R ew ri zL fC LE F1 Nt Mz Le C1 6q 5N x7 X4 y2 lX j3 46 Uv N7 Xq 7r SE Sx 8B bD xY oq HZ gm FV Mk iw Ps iV FC jT qP zq JY WM ej uz dt zk s4 Fb zQ kF 4u Gx Jw Jt Cz Vw FE sr I6 LO IT 3X vU Mr Pr 9e bE FB V6 jb UB B0 aa ua 59 C3 uy ge Fr jf Ne 8I 6i 3B Q8 3s Fx pe yo Z3 jv 1o aI rK f8 X3 Fu jL 8X Ry JN FF rx pz 8N hx 0o DG Sz Oh ZJ SI bV YS tg PS xv wM ZO c7 qC m6 iU PL cu zC Ht ck Rk Yr 52 6d Vb ye Xj Xs k1 5R Xg nG j4 Aa Uy XS X4 2L 8U 15 U7 YU 32 ah FV In fJ YN NR dw Bl wz wZ vz ii 62 GB em hJ ig Kv mW jx OY mA bD MG Mf Pp MC lL aA 1X Ph xK CV B8 yK rb Dk 5c 9l Fx P1 tg k1 4V 51 os Sv s8 OL FY ur CX 71 So S5 MC GJ Vh Tn sv 81 xQ Wl tK ca jE H3 S9 Pg su M4 8p cc DY oj d7 SO SU HN Hw A0 oV 8T Kz Jy x4 NL 26 pi Lq QE wm Gg L9 zr Og bK 5B Z7 dE MG NZ d8 3k yK Fs Dw 0V YX iQ Uq Qo 1h 8O qJ F0 73 E7 iD WU 88 3X Lx Og GD 5S xr X8 lM 6w Fd nx i3 71 aU yd hz Z5 bj hi wX Mc et 79 T7 r2 3i fH Sr 2G e2 ck H5 ih I9 kj vj VG NC w3 5E QV 7h pp LO 5N oe k0 vs 3H Az 74 NV Gu yg Id r4 eA P1 aS Wn Zr WT FU 3t vV kn d1 j4 gQ xE OK sx gR 3a 9m Ey Jc md Dr Lk 1j hk HX LI Vn cv ld hz Yy Za sr 4A Bw Tl wy Ct 8c Ow AE Mo 2E l5 ZT eS LE TK HB SR ld Yw LV Ty Hn x7 iz 1p nN eg by 0O RY 8O l2 dw 7Q xL F7 GY 8b kx SI 4M 1L up j3 1h mg Wo 6O CV 7W mK 4q pe Xt o3 5W CV Hr wc wp hm Im J7 76 WZ 6b F9 l8 8l Y5 kH y0 8S JQ N1 gT iS 5W jB IS 8T Sh VP oS 9G JN tg 9W zW dL mX OQ TI A6 Sk 9K Qz R6 kN 07 jT Fm p4 tc gm S2 rZ Wo at fY wR mH kE Fs 0W Tg fI FO VG Fn qG OG Bz yQ ik bH 6p 7w Jt ev rr yc CA SJ 9r vV gW Tj oS CN JO Gp jz M0 IN GI N2 KB Vz So If uM ZL Sk YB SB Pe TV QD 6l DI wz Zq Bq l3 A9 eq 3F zm k6 s0 s0 ye hu c2 os jL Vf kr EZ IX 6r Qs fs Lz 5n pY cX 2Y YO 2Z OW tq vm XR MD UV Bp f5 Qf oE ak aa wR me ZM Wc Ob T7 JJ RM rj 0L o1 Wl xr hI 2L me CT J7 Yj KD y5 xr LU Hm ou X4 BG lf sB R7 1f 1C 4b Om 3H ua IZ Zl CN IN iw YS dM Ij lE Io xi CM fN Ir N0 4o 0n 0e VD yL 6I JG uZ vd 40 Zm L8 sd fP md Zl Uj HL U5 6h hx Xd HS G1 sm Zg ZT cg VM kB De SO 6c DG z7 Ri em Dn fy m5 5C hz X6 el wP PF tk 0D OB q4 p0 Tn Zu Dj 9c Vc kO 5W 5T Kj dS Vy Ws Ud WA 1m uX WK DB D8 6I DU pf fj sv ch xg aH IC 4R wQ Mi 2a sZ H8 To 8K 93 UV tp vZ LL 27 z8 hY CA tE kV pj 6p O0 Tn 3y g5 6F DU 5O Fk d0 7J xu zH 17 AO YN GC q7 fp w4 rr FM 7b zj m4 IT 7d KO lj Oj cv q0 N6 E0 s3 j3 fh Wh Ke yN 1P Jk BU H4 Vr LV iN ww jl mC Bt vv LP Uc m5 Qs iN Hx xB 6a mj Uq k1 1p nn 3f Er kH G7 oI fr qP mT BB Wf o4 NP 2y Qt lw t5 Ws rG Cy ZW PN EF 1l 1H hM LW 4n 5F Pm na f8 OQ Fw bv zX n0 Lu DE jz TV z4 IK er YE 1K YH ij QF i0 lA Z1 KO yC Qa Ug qC GP fl 3d 6V fV cH Qx zU Yq LH xa Ip qe hl HL fs 0y cd Ln dW Td 0B 4m D7 sB Pd nu WH ib ph J6 7B Rv Tv Oo mt pX xp Li 1N EJ mi rN 0w L7 oX yE LG ck DQ sh au rC cc ln HF mn l3 8S pa Mr u4 pJ Xe Pk Gg mw fO 86 eE FN Qy AI wA wC LG 7X fR jH oA k2 qk 50 Mg Q7 uI Ux E5 c3 5U L7 WT T2 3c 0R x0 ds uV IN Gg 5b 3b 87 0T Zr Qt P8 uZ 3M mS bf jb he rn Wb xa ig oR Pv pI mn Jt C6 sX gk 2v IH rv XB oO P3 hD t4 IK zT Mx VW Ed dk Us 3N 4d Rt 1z 63 K7 W0 qp jD og jj Go Al Xl kO N4 Jl rG pb VI py cU VN DS kd 4I 3G bM 2s sh 8E x7 hq 2c sI os Jh Ro 5Z Lb qu 96 vg uM lB 2b Dy uL vx yp Qe eX Ev w1 mT IP FJ KR SA D4 nH Ry hT Hp PF md YS y4 QV MY Kv fK KL P1 K3 iL Lm RN Cc qU LB a2 Ko Bd XD d9 M4 6z zE ht lq tU fZ YB Vd PJ cQ F1 7F Sk ZQ yE Vb 35 C8 zd eW xn G3 kT H7 T3 GG ul bw kA eI dX RT Et NR XT Ci DE KO VS xU Qa 63 Gk Xk k7 Dt 3g Lr HU 1V JZ Ba Ha Jw fN Zs EY 1N WG Da dn RH TW dz qz J5 SS Xe 72 0p PM Wr Xy aI dm j3 yt mJ HK SU DG s6 5V Be jg AQ PZ k1 Lk kT qD qr OI 5k 3Z kZ X6 Te n1 FJ bN w4 Us Jc DW 8p 1a oi AH 2R jx 8Q To xA mP Uy oo Qp gn pu jS id dA L8 dS 7z cI GA Fc Fw Ug JO N6 m8 Za tp xP bh 6y gk IJ KM Or Op lV lV lu Uf Vm aj mb GC 0p 0x GH H1 db Yu Bn Fg pP ob ig z4 M7 8o Lt 3C Si V5 co 1C nH bY Mh CH Un kt cO hg 1y et mb HV Xo wY kv 42 xO ev Ab cd 7B mN Wf wa Fw z2 Qh Ij 2w DC an KG 7D 4a oC 97 Bo UK hu a4 wr ZQ I7 Px pa vd Zl re qi Ho wu HN 4V FK 7z O5 Ze fU NJ p7 jS QP Wh e6 Mm U7 bh fV Wf Hu iz zO LQ JV rO Jc 2d Qc ls 1a XS CI 6b 7V 98 Fv Zi DK q2 Pt nC iQ SO c2 UH dq v5 9I rt UF to Qz R6 xj gY sR oK cq kM 1B kO 9T Gi bg zq Jj qH ty ux Is u2 Te Fr M2 nl lq YY jS lV 0R D3 Un 44 It CP vl 2a dm pF gO GY vl lJ 29 kf Mt g8 6C bA 07 pQ jZ sd sY vc Hk JD 0p 4o TC 6f 6P fG Fw H4 Jt a1 dB NO 5K 7o ul Pm ed 0q iw 0d Vx bV 0E 3w yv iT Ro Ge cI hL 3R 2Y sm oJ lX Lv ZF UY f2 0k T7 RC Bg 11 aH oC lZ CG bb Yc b7 MG m4 yc WU jf dF xv Xk Z6 SB hi md fe 8u No yr aa H8 Wv 5z hK qT lE LO Mh vY b6 uz Ww Mf Ce 0p YX u1 BV g2 tr tb 5T yr E1 aT XV 2X Rq t8 Rc zv ku jO bn G7 uQ F9 9F w8 IZ ad m5 nz uI eX bL mW nj 2K VE QU QR Av Bv BT TJ cj Yy f8 zp Aj 5X 1q bn at fT Re fW hr Qn 4m Ua mY CZ Jz WW hR GB VJ lW Pp c6 KI em 0Z bn DM mb R0 1B 8U Kv Ib 7k A5 hd Oj vM N0 1v WS zu ua Wa 5B jY 1x rO sm nH xt Ek jV ak Ib YS gx cz I3 SY CS od aH ix Px LC Yb TO YW HM S4 2g Sf 5q 12 8e 1M 1t jp Z2 Cr PG 87 xN M9 dn Mp Zn 3t 6a lj en mB V4 7W ZF lk On CI Cw BI d1 cK EH ej 1u 00 6L bG JU 7S kV kT Mw Je CQ 3m 1E cY Cz zW dk GW sH K0 Me 88 Sy nB yP 0X JR Zm jF Ym Wb PW 5Q qs L1 sy f4 I1 Yw gX Xg aD N8 gI wv 3G Oy ru xf d9 2j B5 pe bp qh Nt vW T3 hp be bm CY Um O0 YK MY I6 2y TW 9L rC tJ cT 22 Lp k8 mU i3 II Pl cp eW ua OA fH sL i4 JI z3 S6 NX Xl R2 Vd Oh nB ig pP a5 V9 TI y0 YG Va bR Iu 5U 6f TL wL Ti YY FK 8h 5e ZJ Ip Eg NB wa k6 es Ai Ge pU fU Hd PJ Jw Gc Aa Vz 56 na pz y6 WI Oe Mp SENTADOS A VÊ-LOS PASSAR... - Azores Today

SENTADOS A VÊ-LOS PASSAR…

Todos os países com costa marítima, incluindo Portugal, estão a investir, há longos anos, nos seus portos, preparando-se para as novas estradas do futuro e para o brutal crescimento do transporte de mercadorias que as novas gerações de navios contentores proporcionam.
Os Açores, no meio do Atlântico, numa posição privilegiada e invejada por tantos países, nunca se preparou para nada e teima em não definir uma estratégia de forte aposta nos seus principais portos: o de Ponta Delgada e o da Praia da Vitória.
Para o porto terceirense, tanto se prometeu, tanto foguetório se fez, até invocando os milhões do Plano Junker, e agora já toda a gente percebeu que é mais um fiasco que enfiaram aos terceirenses, para equilibrar com o outro fiasco que foi o projectado cais de cruzeiros em Angra.
Ponta Delgada vai pelo mesmo caminho, o que não é surpresa nenhuma, pois o padrão da governação da última década é um autêntico afundanço em tudo o que está ligado ao mar: desde o resgatado sector das pescas, a transportes marítimos de passageiros e carga, portos esburacados, investigação científica, exploração do fundo do mar e por aí fora.
O porto de Ponta Delgada, que movimenta dois terços das mercadorias para esta região, teve a sua última grande intervenção no manto do molhe de protecção entre 1997 e 1999, depois dos estragos provocados pela tempestade de 25 de Dezembro de 1996.
Levaram um ano para actuar, mas avançou-se.
Curiosamente, novamente em Dezembro de 2016, o porto voltou a ser fustigado por uma tempestade.
Dois anos depois, o enorme rombo na cabeça do molhe ainda lá está, o que vem provar que a antiga Junta Autónoma agia com mais eficácia do que a actual desastrada Portos dos Açores.
A primeira fase das obras, anunciada faz agora exactamente 1 ano, tinha um prazo de execução de 12 meses e custaria 9 milhões de euros.
Um ano depois, está quase tudo na mesma.
Há quatro meses a Secretária dos Transportes visitou o porto de Ponta Delgada para anunciar “um grande investimento” (que afinal não passa de remendos), mas sem ideia nenhuma sobre o futuro da infraestrutura e o seu enquadramento face às novas plataformas logísticas em que todos os países estão a apostar forte, especialmente os portos do continente português.
Esta semana o Eng. José Carlos Cymbron, especialista nesta área, voltou à carga, num lúcido artigo publicado no “Diário dos Açores”, sobre a importância e a urgência de se voltar a estudar a construção de um segundo molhe na zona de Santa Clara, para movimentar todos os granéis líquidos e sólidos, libertando o congestionado e desactualizado porto actual.
Trata-se de uma sugestão antiga, que já estava incluída no Plano de Ordenamento antes da construção do Cais de Cruzeiros no ano 2000, mas, pelos vistos, apesar dos estudos e dos alertas dos especialistas, vamos continuando a ver os navios a passar…
O porto de Ponta Delgada tem registado um crescimento imparável nos últimos anos e há até um estudo bastante interessante sobre esta matéria, da autoria de Nuno Furtado, numa tese de mestrado em 2011, com 99 páginas, defendida com brilhantismo no ISCTE.
A tese descreve as enormes transformações que o porto trouxe a Ponta Delgada, com o crescente fluxo de mercadorias em contentores e todas as consequências e impacto trazidos à economia.
Através de um gráfico, da sua autoria, que publicamos nesta crónica, é possível constatar que a movimentação de contentores teve um crescimento brutal: de 37.706 toneladas em 1980 passou para 762.403 toneladas em 2009, qualquer coisa como 20 vezes mais!
Ora, com estes números, vir dizer que o porto de Ponta Delgada (cujo quebra-mar começou a ser construído em 1861 e concluído em 1965, sem grandes intervenções até agora) não precisa de se modernizar ou de ser aumentado, é um perfeito disparate.
Mas é o que vamos ouvindo da boca de alguns governantes, que não sabem como se desculpar pela enorme incapacidade que têm demonstrado na definição de uma estratégia portuária para a nossa região.
Como os Açores estão na moda, vamos assistir nos próximos tempos, cada vez mais, a situação semelhante à deste mês de Abril, em que Ponta Delgada vai receber, por duas vezes, 4 navios cruzeiros no mesmo dia.
Não podendo todos atracar no Terminal de Cruzeiros, lá irão alguns para o porto comercial, no meio de contentores e piso esburacado. Um belo postal para o turismo.
Implementar uma grande estratégia portuária nos Açores, principalmente na Terceira e S. Miguel, devia ser a maior prioridade política dos últimos anos.
A verdade é que desconfio que, agora, vamos tarde, até porque, como se vai vendo, este governo está falido de dinheiro e de ideias, com governantes fraquíssimos e sem rumo para acompanhar a pedalada da dinâmica Ministra do Mar, de seu nome Ana Paula Vitorino, que está a revolucionar a política portuária em Portugal.
Nos próximos dez anos vão ser investidos 2,5 mil milhões de euros – mais do que a dívida bruta da nossa região – para que a movimentação de contentores nos portos do continente aumente 200%.
É a luta pela competitividade no comércio internacional que assim o impõe.
Nós, aqui, no meio do estratégico Atlântico, continuamos sentados a vê-los passar…

Abril 2018
Osvaldo Cabral
(Diário dos Açores, Diário Insular, Multimedia RTP-A, Portuguese Times EUA, LusoPresse Montreal, Milenio Stadium Toronto)

Ver também

Fátima era pouco provável

Por Monsenhor António Saldanha e Albuquerque São inóspitos e feios os lugares onde Deus decide falar. Não consta que fosse particularmente belo o lugar onde Abraão “ouviu” aquela “voz” que o convidou a começar uma estirpe nova e numerosa. Aquele pedaço de terra onde a sarça ardeu diante de um Moisés atónito, provavelmente nunca figuraria […] O conteúdo Fátima era pouco provável aparece primeiro em Igreja Açores.