Bolieiro defende “humanização da cidade” para fazer aos desafios atuais

O Presidente da Câmara Municipal defendeu hoje, na sessão comemorativa do 472.º aniversário da cidade de Ponta Delgada, a necessidade de humanizar a cidade como forma de fazer face aos desafios atuais, nomeadamente aos que estão relacionados com a mobilidade.
Para José Manuel Bolieiro importa recensear “os nossos ativos de natureza, culturais, económicos e sociais, com potencial de revalorização e de preservação no domínio da competitividade global”.
E, numa era fortemente marcada pela mobilidade, em que “cada vez mais a cidade é o movimento de pessoas que não residem nem vivem na cidade ou na ilha, que vêm e estão cá uns tempos, alteram tudo e mobilizam todos”, impõe-se uma série de desafios qualitativos e quantitativos que exigem a “humanização da cidade com vista a futuro melhor”.
“Ponta Delgada não perderá as suas caraterísticas se mantiver, como defendemos, uma governança que tem em conta as exigências sociais que se fazem ouvir nas cidades e que associa os cidadãos e as associações locais aos projetos que lhes dizem respeito”, sustentou o edil.
“Estamos orgulhosos do que fomos e do que somos. Estamos confiantes no que seremos”, congratulou-se José Manuel Bolieiro.
Imbuída deste espírito, a Câmara Municipal de Ponta Delgada, através da Comissão de Toponímias e Distinções Honoríficas, atribuiu o Diploma de Reconhecimento Municipal a 27 dos mais antigos estabelecimentos atuais de comércio tradicional do centro histórico da cidade pelo seu contributo persistente para a valorização patrimonial da identidade coletiva.
Foram eles a Ourivesaria Picanço, Gil M. Teixeira & Irmão Lda., Tabacaria Autonomista, Louvre Michaelense, Farmácia Popular, Casa Singer, Tabacaria Mascote, Drogaria Açoriana, Tabacaria Açoriana, Loja da Preta, Londrina, Casa de Bordados Mários dos Reis Rodrigo, Avlis Lda., Papelaria Lusitana, Armazéns Toronto, Loja das Chitas, Casa dos Óculos Domingos Vieira, Mercado das Ervas, A Parisiense, Oculista Mendonça, Ourivesaria Rubi, Riviera, Casa de Sementes Serpa, Sapataria Eliela, Casa Brasil, Nova York/Quatro Estações e Ourivesaria Martins do Vale.
Perante o valor simbólico e o significado do momento, o Presidente da Câmara Municipal lembrou Henry Bergson e a ideia de que “a duração é o progresso contínuo que morde o futuro e vai inchando à medida que avança. E como o passado cresce sem parar, não há nenhum limite à sua preservação”, acrescentando que, no caso de Ponta Delgada, “temos memória, liberdade e criatividade, responsabilidade e sentido de justiça para reconhecer e homenagear as nossas lojas históricas, que não pararam no tempo, que duram pelo seu prestígio e se fazem tradição honrosa, com passado e presente, e também com futuro”.
A homenagem foi precedida por uma intervenção do presidente da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada, Mário Fortuna, sobre o Comércio Tradicional da Cidade de Ponta Delgada .
E porque a duração é um progresso contínuo, José Manuel Bolieiro lembrou alguns feitos mais recentes, como o facto de Ponta Delgada ter sido recetora de um prémio Portugal City Brand Ranking 2018. Ponta Delgada entrou pela primeira vez no Top 25 nacional do Portugal City Brand Ranking, e assumiu pela primeira vez a 15.ª posição no ranking nacional visitar. Em termos regionais, Ponta Delgada está, pela 5.ª edição consecutiva no 1.º lugar. Um prémio que reconhece a Ponta Delgada competitividade territorial positiva, e o contributo de Ponta Delgada para que São Miguel se confirme como motor de desenvolvimento dos Açores.
Na sessão comemorativa dos 472 anos da Cidade de Ponta Delgada teve lugar a apresentação e entrega do prémio "Portugal City Brand Ranking 2018", por João Vasco Neves, Partner & Strategy Consultant da "Bloom Consulting".
O programa do aniversário da elevação de Ponta Delgada a cidade foi extensivo a outros espaços e outras manifestações culturais, como o concerto pela Banda da Zona Militar dos Açores, a visita guiada aos principais monumentos do centro histórico da cidade, também para evocar o Ano Europeu do Património Cultural, e ainda o lançamento do livro “A Arquitetura Urbana de Ponta Delgada – Finais do Século XIX / Começos do Século XX, da autoria do arquiteto António Eduardo Soares de Sousa.
A encerrar o dia, e após a sessão solene, teve lugar o Encontro de Coros de Ponta Delgada na Igreja Matriz de São Sebastião, com o Coral de São José, o Coro Bach, o Orfeão Edmundo Machado de Oliveira e o Vox Cordis.

Sess o solene

Fonte: C. M. de Ponta Delgada