Lukyanuk: vitória categórica e em grande estilo no ERC Azores Airlines Rallye

Alexey Lukyanuk colocou a fasquia bem alta para os seus rivais do ERC, ao liderar o Azores Airlines Rallye desde a tarde de quinta-feira até à última especial de sábado, celebrando a sua vitória com volteios antes da linha de chegada. Os pilotos portugueses, Ricardo Moura e Bruno Magalhães, deram o seu melhor, mas não conseguiram responder à rapidez do ritmo de Lukyanuk.

Chris Ingram ganhou a dramática batalha pela vitória na categoria ERC Junior U28, ao passar para o primeiro lugar durante a última especial de sábado, depois de o seu principal rival, Martin Koči, ter sofrido um acidente. Diogo Gago segurou a vitória caseira da categoria ERC Junior U27, ao bater os pilotos Mārtiņš Sesks (ADAC Opel Junior Rallye Team) e Efrén Llarena (Team Rallye Spain). Juan Carlos Alonso encetou uma recuperação fabulosa e ganhou no ERC2, ao recuperar de uma bomba de combustível partida na quinta-feira e bater Sergei Remennik.

Resumo da 2.ª Etapa: Lukyanuk abre a sua conta no ERC 2018 com uma vitória

Com uma vantagem de 21.8s sobre o herói local, Ricardo Moura, Lukyanuk encontrou maneira de contornar os problemas com a fuga de óleo dos travões, ganhou as duas especiais da manhã de sábado e quase que dobrou a sua vantagem sobre Moura para 37.8s.

Moura usou tudo o que tinha para tentar controlar o escorregadio russo, mas a pressão exercida foi um bocado longe demais e o açoriano bateu numa berma e entrou em pião com o seu ŠKODA Fabia R5, na passagem matutina pela especial da Tronqueira (SS11).

Atrás, Bruno Magalhães começou o dia em terceiro lugar e a um passo dos líderes, mas um diferencial traseiro partido custou-lhe mais de meio-minuto e arruinou as hipóteses que tinha de sonhar com uma vitória em casa, por volta do serviço do meio-dia.

Lukyanuk fez uma abordagem consistente às especiais finais, conservando os pneus e tentando não cometer erros. O ritmo de Moura diminuiu ao longo da tarde, o que o levou a perder 47.9s para o líder antes da especial final.

O piloto da Russia Performance Motorsport pôs os corações a mil a apenas algumas centenas de metros do final da última passagem pela Tronqueira. O russo resolveu celebrar a sua vitória, fazendo piões para deleite dos fãs. A sua tirada artística custou-lhe quase meio-minuto, mas com quase um minuto de avanço, oferecer espetáculo aos fãs que assistiam não fez mossa na classificação. Ganhou com 16.4s de avanço.

“A disputa com estes dois foi excelente. Estou muito orgulhoso por estar a lutar pela vitória com eles e ganhar em frente a tanta gente, com os espetadores sempre a puxarem por nós. Muito obrigado, Açores!” afirmou Lukyanuk.

“Controlei ao máximo a minha forma mais óbvia de pilotar e os meus sentimentos, a minha vontade de andar sempre mais depressa. Foi um rali difícil para o meu autocontrolo. Na última especial, estava em pulgas antes do final, e soltei tudo o que tinha nos piões. Estou muito feliz pela equipa, pelos patrocinadores e por toda a gente. Espero que continuemos assim!”

Apesar de ter feito uma “má escolha de pneus” (segundo as palavras do próprio), Magalhães continuou a pressionar e aproximou-se de Moura, mas faltaram-lhe 9.3s para tirar o segundo lugar ao açoriano.

Os pilotos nacionais, Carlos Vieira e Bernardo Sousa, perderam a oportunidade de terminarem no top-10, depois de sofrerem acidentes na especial de abertura de sábado. Vieira dobrou a suspensão traseira direita e perdeu mais de quatro minutos, enquanto Sousa viu as temperaturas do óleo subir e teve que desistir.

A SS11 foi atrasada devido ao acidente de Frank Tore Larsen, que enfiou o carro numa árvore, bloqueou o troço e viu-se forçado a desistir. Hubert Ptaszek também contribuiu para o dramático desfecho da última especial, ao embater numa casa de arrumos de uma quinta, resultado de uma confusão causada por uma incorreção nas notas de andamento.

Chris Ingram, Fredrik Åhlin, Norbert Herczig, Łukasz Habaj, Rhys Yates, Ricardo Teodósio e José Pedro Fontes ocuparam as restantes posições do top-10.

ERC Junior U28: Ingram derrota Koči num final dramático

Chris Ingram terminou a sua estreia no ERC Junior U28 e na categoria de 4 rodas motrizes com uma vitória de primeira, retomando a liderança na última especial de sábado, depois de Martin Koči sofrer um acidente.

Ingram tinha dilatado a sua vantagem para 15.8s depois da primeira especial de sábado, mas um furo na primeira passagem pela Tronqueira enviou-o de novo para as garras de Koči. Ingram, atual campeão do ERC Junior U27, entrou em modo de poupança de pneus na SS12 e cedeu o primeiro lugar a Koči. Contudo, deu resposta imediata na SS13, retomando a liderança e proporcionando um final fantástico em que o que o separava do seu rival eram uns meros 4.7s. O excelente esforço de Koči teve um fim desastroso na segunda passagem pela Tronqueira, quando rasgou um pneu do seu Fabia 5 (ŠKODA Slovakia) e se viu impossibilitado de completar a especial.

Fredrik Åhlin herdou o segundo lugar de Koči e fez uma abordagem sensata e direta ao seu final de prova, o que o levou ao pódio da categoria ERC U28, naquela que foi apenas a sua segunda prova no ERC.

Do mesmo modo, Rhys Yates conseguiu o seu primeiro pódio ERC U28, ao conquistar a terceira posição. Numa abordagem deliberadamente cautelosa, com o objetivo de manter pontos no campeonato português, Luís Rego trouxe o seu Ford Fiesta R5 para casa inteiro em conjunto com o quarto lugar. Já Fabian Kreim fez o tempo mais rápido de todos na SS13, batendo até o “foguete russo” Lukyanuk e o vice-campeão europeu, Bruno Magalhães, na sua caminhada rumo ao quinto lugar na categoria.

Tamara Molinaro teve a infelicidade de furar em ambas as passagens pela Tronqueira, mas a sua perseverança foi recompensada com o sexto lugar na categoria ERC U28.

Atrás de Molinaro, estavam os “desistentes” de sexta e quinta-feira, Tomasz Kasperczyk, Laurent Pellier e Pierre-Louis Loubet que asseguraram as posições sete a nove. Loubet (patrocinado pela OSCARO) mostrou indícios do que poderia ter sido a sua prova, ao conseguir os três melhores tempos num total de cinco provas especiais durante este sábado à tarde.

Hubert Ptaszek despistou-se e embateu contra uma casa de arrumos de uma quinta com o seu ŠKODA Fabia R5, tendo ficado atolado durante mais de 20 minutos. Espectadores que se encontravam na vizinhança vieram em seu auxílio e ajudaram-no a remover o carro. Este incidente levou a que caísse para o décimo lugar, atrás de Pellier e Loubet.

ERC Junior U27: Gago corre rumo a vitória caseira
Diogo Gago deu bom uso ao seu conhecimento das estradas de São Miguel, e ao volante do seu PEUGEOT 208 R2, dilatou a sua liderança de 40s para mais de um minuto, relativamente a sexta-feira, e assegurou a vitória na categoria ERC Junior U27.

Mārtiņš Sesks esteve envolvido num aceso duelo pela vitória com Gago, durante o dia de sexta-feira, mas no sábado passou a olhar para trás, para Efrén Llarena, que após ter sofrido um furo e perdido um minuto na sexta-feira, começou a ganhar-lhe terreno sábado. Um problema na caixa de velocidades selaria o destino da batalha entre os dois pilotos, com Sesks a perder a primeira e segunda durante a última passagem na Tronqueira e Llarena a fisgar-lhe a segunda posição.

Simon Wagner parecia preparadíssimo para ocupar a quarta posição, mas uma miríade de problemas técnicos levou o seu carro a parar um pouco depois da penúltima especial da etapa 2. Problemas na direção conjugados com uma caixa de velocidades solta dificultaram-lhe a finalização da SS14, sendo que uma falha total da caixa de velocidades o colocou fora da competição, quando só faltavam 22 km para terminar o rali. Consequentemente, Dominik Brož passou a ocupar o quarto lugar, enquanto a colega de equipa de Wagner, Catie Munnings (Sainteloc Junior Team), passou para a quinta posição.

Mattia Vita tinha abandonado o rali, na sexta-feira, devido a uma suspensão fronteira esquerda partida, mas regressou no sábado para reclamar o sexto lugar na categoria ERC Junior U27.

ERC2: Alonso termina regresso espetacular com vitória

Juan Carlos Alonso transformou um déficit de 2m53.6s na quinta-feira à noite numa vitória na categoria no sábado. Com uma condução estupenda, foi apanhando e ultrapassando todos os seus rivais. Alonso tinha sido retido por uma falha na bomba de combustível na superespecial de quinta-feira, mas na sexta-feira à noite, já tinha chegado ao segundo lugar, a um minuto do líder do ERC2 Sergei Remennik. Na especial de abertura da segunda etapa, Alonso já tinha ganho mais 15s; entretanto, um pião que enfiou o carro de Remennik entre duas rochas permitiu-lhe subir para primeiro e ganhar uma vantagem que nunca mais perdeu.

O segundo lugar de Remennik quase se esfumou quando o piloto da ERC2 Russian Performance Motorsport bateu contra outra rocha, agora na segunda e última passagem pela especial da Tronqueira. Meio-coxo, ele lá chegou ao final com mais de quatro minutos de atraso, mas manteve a segunda posição. Um problema no turbo tinha atrasado Luís Pimentel, na quinta – feira, mas a sua paciência for recompensada com um lugar no pódio.

Menderes Okur acabou em quarto, ao volante do seu Subaru Impreza STI (Toksport WRT). O piloto estava feliz por ter terminado aquela que foi somente a sua segunda experiência no ERC.

Zelindo Melegari regressou para a segunda etapa, após ter abandonado na sexta-feira com uma embraiagem partida. Contudo, o fim do seu dia chegou mais cedo, devido a um acidente ocorrido durante a SS13.

ERC Ladies: Molinaro perservera para ganhar na categoria
Tamara Molinaro não teve um rali fácil. A um problema nos travões do seu Ford Fiesta R5, na quinta-feira, seguiu-se um motor que parava ocasionalmente, na sexta-feira de manhã. Depois, duas interrupções em duas especiais levaram a reajustes no tempo, durante a primeira etapa. Na manhã de sábado, um espesso nevoeiro dificultou-lhe o encontro com um ritmo regular. Juntando-se a isto tudo, dois furos durante o dia de sábado não lhe fizeram a vida nada fácil, mas Molinaro não baixou os braços e conseguiu terminar em primeiro na categoria ERC Ladies.

Neste que foi o seu segundo rali ERC em piso de terra, Catie Munnings conseguiu atingir o seu objetivo: fazer todos os quilómetros da prova para ganhar experiência. A perda de um pára-choques dianteiro na sexta-feira foi o maior contratempo que Munnings enfrentou na sua caminhada para o segundo lugar no ERC Ladies e quinto no ERC Junior U27.

Emma Falcón não conseguiu voltar para a segunda etapa. Depois de uma aterragem menos suave na sexta-feira, a piloto viu-se obrigada a desistir a meio do dia, devido a fortes dores nas costas. Não querendo arriscar, Fálcon vai focar-se na sua recuperação, de modo a voltar em plena forma, em Maio, para a prova em casa do Rally Islas Canarias.

Fonte: Azores Airlines Rallye