A ação do ERC Açores entra “em erupção” na icónica especial do vulcão

O Azores Airlines Rallye mostrou, mais uma vez, o porquê de ser a mais fabulosa abertura para o Campeonato Europeu de Ralis (FIA ERC). Enquanto alguns se deparam com dificuldades, Alexey Lukyanuk da Russian Performance Motorsport continua incólume na frente do rali.

Nem sequer uma manada de vacas a bloquear-lhe o caminho, na segunda passagem pela icónica especial do vulcão das Sete Cidades, conseguiu impedir Lukyanuk de continuar na liderança do rali. Aproveitando o furo de Moura durante a manhã, o russo conseguiu alargar a sua diferença para o açoriano em 21.8s.

As Sete Cidades foram palco de muitos momentos dramáticos, especialmente na segunda passagem quando um capotanço de Tomasz Kasperczyk (Tiger Energy Drink Rallye Team) e um problema na caixa de velocidades de Miguel Correia bloquearam e interromperam a especial por duas vezes seguidas.

Os lugares no pódio de sexta feira ficaram preenchidos com o compatriota de Moura, Bruno Magalhães, que veio a subir de posição até atingir o terceiro lugar, após um trio difícil de especiais, durante a parte da manhã, durante as quais se debateu com o equilíbrio do seu ŠKODA Fabia R5.

A luta pelos primeiros lugares no ERC Junior U28 continuou imediatamente a seguir a Magalhães, com Chris Ingram e Martin Koči a trocar de lugares ao longo do dia. Ao fazer uma primeira passagem rápida nas Sete Cidades, Ingram colocou-se inicialmente em terceiro lugar, mas depois da poupança nos pneus o remeter, de novo, para o quinto lugar durante a tarde, o piloto inglês conseguiu acabar na quarta posição da geral, 11.9s à frente de Koči.

Fredrik Åhlin ficou em terceiro na categoria ERC Junior U28s, mantendo o campeão português de ralis de 2010, Bernardo Sousa, afastado. Isto apesar de ter batido numa berma na primeira passagem pelas Sete Cidades.

Rhys Yates conseguiu ultrapassar o desafio colocado por um quarteto de pilotos locais e manteve a oitava posição da geral, mas admitiu que se desconcentrou quando ultrapassou Fabian Kriem – a braços com um furo – e fez um ligeiro pião nas Sete Cidades. Yates continua em quarto lugar no ERC Junior U28, com uma exígua vantagem de 3.2s sobre o seu mais próximo rival na categoria e na geral, Frank Tore Larsen.

Larsen teve um excelente desempenho e conseguiu manter-se à frente do mesmo quarteto de pilotos locais que “atormentou” Yates, conseguindo a nona posição da geral e a quinta no ERC Junior U28. Tudo isto apesar da sua posição de “varredor” do troço e de uma saída prematura na quinta feira deste rali em 2016, o que significa que o piloto não tinha experiência nas especiais de hoje.

Carlos Vieira fechou o top 10, mas não foi ajudado por um sistema de ALS partido durante a quarta especial. Luís Rego oscilou entre a 8.ª e 14.ª posições, estabilizando na 11.ª ao final do dia, mas com problemas na direção. Ricardo Teodósio, José Pedro Fontes, Dávid Botka e Łukasz Habaj completaram o top-15.

ERC Junior Under 27: Gago enfrenta a ponderosa Opel
Diogo Gago enfrentou a poderosa dupla de pilotos da ADAC Opel Rallye Junior Team com o seu PEUGEOT 208 R2 e foi bem-sucedido, passando do terceiro lugar para o primeiro, no decorrer de uma dramática batalha pela vitória na categoria.

Tom Kristensson fez a sua primeira, e última, jogada na primeira especial desta sexta-feira, sendo mais rápido do que Gago em 0.2s. Contudo, ele bateu de frente contra um muro, mesmo no final da especial e danificou significativamente o seu Opel Adam R2, o que levou ao seu abandono da prova.

O colega de equipa de Kristensson e líder anterior da categoria, Mārtiņš Sesks, teve um furo no pneu dianteiro direito e danificou o painel na penúltima especial do dia. Também Efrén Llarena perdeu mais de um minuto com um furo na malfadada prova deste ano das Sete Cidades.

O piloto Simon Wagner (Sainteloc Junior Team) tirou partido da falta de sorte dos outros pilotos e subiu para a terceira posição, tanto no ERC U27, como no ERC3. Depois do seu problema, Llarena caiu para a quarta posição do ERC Junior U27, e ocupa a quinta posição no ERC3, atrás de Rúben Rodrigues, também ao volante de um PEUGEOT 208 R2.

Dominik Brož e Catie Munnings terminaram o ERC U27 na quinta e sexta posições, respetivamente. Brož foi um dos muitos a sofre um furo e Munnings perdeu o pára-choques dianteiro na segunda passagem pela especial Feteiras Meo.

ERC2: Melegari lidera por puco tempo devido a problemas com a embraiagem

Zelindo Melegari tinha tirado partido do furo do seu principal rival, Sergei Remennik, nas Sete Cidades para “apanhar” o primeiro lugar, mas a sua liderança foi breve: só durou uma especial.

Remennik rapidamente recuperou o primeiro lugar, depois de Melegari ser forçado a gerir uma embraiagem partida ao longo das SS7 e SS8. O seu Subaru Impreza STI não conseguiu ir mais longe, forçando-o a desistir e a entregar o segundo lugar a Juan Carlos Alonso.

Menderes Okur fechou o pódio, mostrando-se incapaz de manter-se na luta de igual para igual face ao ritmo vertiginoso de Alonso. Okur está a cair facilmente nas garras de Luís Pimentel, que continua a recuperar de um turbo partido na quinta-feira.

O que é que vem a seguir?
A última etapa do Azores Airlines Rallye é constituída por seis provas especiais que contemplam 107.57 km de ação competitiva. Temo seu início pelas 9h38 (hora local) com a especial dos Graminhais.

Fonte: Azores Airlines Rallye

Ver também

Derrota em casa

Fonte: RTP Açores