Prémios aos produtores de ovinos e caprinos, no âmbito do POSEI, sofrem aumento da dotação financeira superior a 10%

O Diretor Regional da Agricultura salientou, em Vila do Porto, o aumento de 10,3% registado na dotação financeira dos prémios aos produtores de ovinos e caprinos em 2018, nos Açores, no âmbito do programa POSEI, para incentivar o crescimento deste setor.

“Trata-se de um crescimento significativo e que dá um sinal claro da aposta do Governo Regional na área da diversificação agrícola”, afirmou José Élio Ventura, que falava sábado nas comemorações do 32.º aniversário da Associação de Criadores de Ovinos e Caprinos (ARCOA), em que também participou o Diretor Regional do Desenvolvimento Rural, Fernando Sousa.

A portaria com as alterações ao programa POSEI, que resultam de um conjunto de propostas apresentadas pelos Açores e integralmente aceites pela Comissão Europeia, será publicada segunda-feira em Jornal Oficial.

José Élio Ventura frisou que o leite e a carne de qualidade que é produzido nas ilhas dos Açores não tem de se circunscrever apenas aos bovinos, considerando que a aposta da ARCOA nas ovelhas “tem um futuro promissor à vista”.

A ilha de Santa Maria, acrescentou o Diretor Regional, tem “boas condições climáticas e orográficas” para a criação de ovinos e caprinos, bem como “experiência acumulada” ao longo do tempo.

Em 2017, a ARCOA apostou na importação de ovelhas francesas de raça para incrementar a produção de leite em Santa Maria e promover a produção de queijo de ovelha, um projeto apoiado desde a primeira hora pelo Governo Regional.

“A ARCOA tem demonstrado determinação, dinamismo e, agora com mais intensidade, abraçou o projeto da produção de leite para queijo, assumindo os riscos de quem quer fazer mais do que está habituado”, afirmou José Élio Ventura, recordando que “o queijo de ovelha já fez história no passado nesta ilha e ombreou com o que de melhor se fazia no país”.

Apesar de admitir que este projeto terá de enfrentar “um caminho com delongas, sinuoso e com dificuldades várias”, o Diretor Regional da Agricultura manifestou-se convicto de que, “com paciência, força de vontade e, acima de tudo, persistência”, será possível alcançar resultados positivos.

“O Governo Regional tem dito sempre presente. Presente na operação de importação, presente na preparação dos terrenos e presente no que necessitarem no futuro”, frisou José Élio Ventura.

A ARCOA é uma “estrutura única” no contexto regional ao nível da produção de ovinos e caprinos e tem sido um parceiro imprescindível na definição da estratégia regional para este setor, acrescentou.

Na ocasião, o Diretor Regional destacou também a importância da carne de borrego, que considerou ser um produto “com grande potencial” a que têm sido associadas “novas técnicas de confeção e sabores”, permitindo aumentar a visibilidade deste produto na ilha de Santa Maria e na Região.

Fonte: GaCS/RM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *