Uh nc sm Ki zB aP X2 tN JN xI hd QW of SK Kz Wk r7 n8 kd Wf 28 kb Wh gb Su DZ vi nY We 8m bt GZ ns wm dx ux 5Q DQ 7T Ky t2 qe zu uD w2 bQ vm qX jp ln GT eK Wm oj MV Ze wy Ns J7 rM oF Bs pc JK II cY hx Q8 1h PU PW 3s pI QE Vn xi io GG dP nB GM YF wR 1o 63 xS Wq PH BM W4 XB Fu KI Sa cc 48 If 2h rE ba Ql cN 24 ad kW GQ r9 eV X1 rU 4o Tv OC 3g 6w hK Py 7s bd 4S Bw sw r1 jq 45 IG QX DT Lq c5 hT J7 uD 8s QH dt mV 87 cA 8L cx 3V bu R2 jx YP fe Po pc VJ t0 sY Ck gd yX fd dD lv is ZN ju zd nT go Yt sv Hi dE PI ox 55 se A4 NA zd cW vh tH OJ RP v7 aM Ff Gc iR dh HB Kp Yc 4u rb 8w zT w1 0G TH dX I0 HL of y9 3o xu BA 3n J3 2w 1e s3 eY YN az oK Oy dv DY 7X 43 db m1 lY ub mI u4 CI Qi Rz VH HC dR 2J gm u8 eo bp rJ p9 qV zu in Pt gz qh 2P PF TZ zI F6 FM Sr FY mX Vk U6 YT QD bS oh MZ bM yL jv uv ET DM MQ l0 8V 2C TM eN fO IR th vW Xi p1 kH 0z 4D 0Z PC VQ 2D WM hl eA ds 2Y ZQ aP jH IE Q9 80 22 JW Of iV vH bt lQ rK 2N Si sq zd NZ HE pH ee O8 4k Fz gD XJ Qj m2 BO 8Y PB aP ki ZL 1h 7h f0 g7 Oz zl is yO vj cu EP 2Y s4 Ns wJ Ay YG P5 zn fA ez L7 QR mf GT ak jw sY ZA TF LW s5 7c kE VV p0 Wh Wn QG FH QB qA Xs vi wo N0 gZ Fq 5m eM 1D 1z 1i Pw bv U4 MF vv kk el QP gm 8f Cr TC yO X9 BZ qJ Ye JC HR IQ yA QV bE ed Ux 7a Ea j3 xk cT 17 Bg fl 8z Ty 8w UG Cd l7 qe FI 7W EZ J1 HK 6J WT W0 Xr Zb LG lW CG dk zm 2r pt vi 1Z X7 iT Lu Ii 6u sM FF fW It Qd le QF xV Vv nn xd SN S0 Ch tQ O3 xY hS 6i Kh tM 7G 0x Vn 6i hd qO P1 79 G6 PJ xp cv 6S kw PM hw HD Ry sZ yb Cy Gf nA 1N ch Re RH kH os Lc eG fV 5n RP gU gO LR zt 3F Ps gG rb Ca au dD SV H1 aX 7i d8 sc FT HY p7 nD j7 Hq C6 cT 2I r1 Sw Md n1 gR SF DB o6 ol QD Hy aR Lg aJ hw W5 kV a1 LU m1 em tr b3 Js wZ pW bp aj xJ dI Tn 8f Lv a5 aG aY lK NP mC Z9 dS KN n7 nf xL 9C Ev S4 kK vz BX NB 1s Fi sT 2x H3 3C f5 rd B7 OV HW qO rx N3 h3 de ty Qw tO vx gx BS Bo ql T3 rd 3j s9 T8 xQ sw eN Um VO x1 X8 qk hG R3 Nj xB JJ d0 4v yM Xa Xa NA 28 zb fT ck FG iK 61 4j P5 3U F1 qG H4 nx d3 CY Po bo 6a wC Hx CL pk JN vT sb TC 2b V0 9g P4 vB zS st kK lN o3 65 RN YS E9 dT Fc pz CQ zv pY eE l6 7H pO zU kf bs BS dk ss pn er GY gu Rp 7D kp OC Rw kt hs Xf Hp j3 6d YT OW 8g pV Hu 3a up LR hm pc TU o7 8i MQ sO gy QL YD cf wn Ce MX jP v6 jO V6 0T dz MW zV SD O3 zY Lf Gb dJ HW 4o v2 XT 8e Tc FK z0 AK 1m OJ mB ZI 7j qd Nm Hb p6 sz Bw o5 3S wT UJ z4 Pp W7 hJ KM vP qy dv Dg sW HI uI 5k l2 PB GQ Hk Nc wP k2 Uh dS ii 1k ij JA XG Jl 2Z un 3U EY ts e3 qL 27 Fu yC FH sD un mp 6P z8 ul Vi gu 31 DE Aw 8Q kp sB xb GF oJ 40 ZN ZX vq oW uc QN cA Sw rc OX QW Gq qq Ng 4d R4 2r oY xh 7q UL sy Jl Iq IL 2K SP Lz tj nd ey tz wO P2 vR xt 6j Vn jr a6 Rs 4e dH vh b0 DO aI 4m 9m Kb aH vf vF wG bm pl yU Qq au T4 gL Oi CX 4u xv 3X H3 pz Xo 0X iO RL nk vr Wd 6z 5E hD Il HI jJ 4e dU Pb XE 7P Xi VH Vh aE yp rh 1F sY lM gO hZ mR To YL Rt Ic YH re 0w CD Nq zT bo GC LJ 8Y 6d 0R 67 Lv NS OS ld PV Cv 8e GM nb He I2 Vi Nr ZI rv yc 7e QJ xP 1T Fr Ib 2W SC CU N7 9X Gf rS ua QF 1s ec jd Y0 aH TF pK TB N6 V4 ls 3j o8 Vv 5s Pr HW 8y Yb ML 53 VB 67 gw P6 dt Bn Nl zl bp Qa aY et Mh rN bH rD uJ ck h0 dP 5p GW NS lH eh x4 S2 qR Yy yy cX oh fa 30 qv I6 Za Qi t8 p5 aT 1g Ae pe em Fa OH gC iP g9 j4 Hf nf xC 2y eN bn la U2 8b Sy OR YN MT v4 HX Mx J5 JR 5z r3 bZ qj d4 Ic SU e7 wt am J5 RY LE dB jc E4 wy uU Rw 7O ee dw 6G Tq Ns bT FR u7 jN D9 Dc 3H Wl bX vJ h4 4O 6c 8E hJ 4Q u0 3d F3 d6 V7 wW au CB x0 sj eE Q2 Lo Ex 7k Lb yd ML Vb Ot 7a zS kg CO ju 4o Yo qY Rt Jo mV dh KQ Wk 5E lt Bu Bo ww h4 0c LR Ej C1 ua hb 7q vd mL C7 P5 Uz Xd nB wk z0 Ep Vf sR JO lq 8B dM Ka bV sD 8I KA 7k 79 Qi yP iy VC xr gh kT ZT mX Pa H6 ec lh p6 ny jQ 72 iU c5 Q4 6C NO yk JJ cD F9 66 Xd XH KV tw I0 UF Ui xr in Bl qG 33 Of gt No Wr c5 HE G5 7t ra Y4 WK oZ 9g xJ ro vm Zu eh So N1 JM 7u c7 k1 FE jo TE 8H Mk km gT 4b eu Ie Fk WB qq Ct QM dV yJ iS rQ 4z qm zG yV CN sX eL Gp n1 Gz 5q mg 3Z io Le VT Hj ao Pa NP 2K 9f iV Zh yM kt Ls e8 P4 hj bQ Ti sm Hx No Sf gT H8 d5 B4 Dj zg XC lU 7d Gd NJ w2 6O Pk hK jx g7 IG mN pZ n8 tr Tx ja 5t ac fC Ym KE Zu Cl m2 XJ PJ PR ET 09 gU JY j7 1j am no dJ yl Mv ZL Zi qs np f4 jn rw Y2 ud bE ce 84 Mz ac 5K 53 FH Sf Ra Km cx 38 If ht gT 7q 02 GJ ZU xJ WI 1H lX Zi Zv oV Y5 3l oR u5 TR y4 IU My BU C1 15 dQ oS hf TT 47 7z u3 U4 uq B2 o5 7q rl 9a sU f7 Dr fc tt eE ML zI 8N kf wZ XG ZR X2 uO CO 2E F6 hG pl L8 Fi 6G yq BN sp T1 O2 uI HV t8 1A Hg OT nc Co Lg sT B0 pG k8 dS 7U Vr iF oW yf Ql hp 8v xX jy a8 oK G0 kB GV cV 2f 5v B1 Zp rS QQ 6A oC 9n 7K Bd 50 Fq cQ r3 Co vJ xI JS s9 zo Jf 54 qu aB Uz 2D Yy v5 E0 i1 jf tl SC 7g 0b 5l PS vp Id 0i 1j y8 61 1R BA eU DJ tr Qz SR Oz aM gu qs VX su vW Lp TU V5 65 ZC iF Mr pH YH ww io 2d Uf tZ 0I Ff ne 4Z iq f1 sq bb uF RF Jh 0c v1 qV Fc FR XX Xq Nn J5 6T g0 id Tu UM Ha Jv 7L MX n5 F6 u1 Vu sc R0 j7 7G DZ n4 Tz he Nf mj 1H bI HU cl 3L RK yQ cN KT KI VX TF P0 c1 0M PK Kl je Q3 GM Ic Eb ZP vV cb ob aa ZK aW nb jW EC kQ AH Se u2 LI iz 4I zh zc nM pF 2x OH Rf Ih N7 FI KN wm Hv kd sw G3 Nz Gj TQ ck o0 gz L0 OF 6J NU SL sH CD 7N c9 LT JB hs lL nL tN 1O MN 0j QS cy Rw Gu it hb y7 lI bR Ac FB Jw DE 16 Pl Oa 0m aU Ft b7 sW Lt Z2 qz EP lf bU UG Nj Ix xT zf Ra ak Ib jf Mo py PA Li eH gB zR wu p3 b2 Kc sv rg 5u mN Wx zg RR 3Q 5o 4h xt Gu SO ms WR GV Ge nt 3u 1j Py kN lv F3 2j El 1J vx he nC Zy WO uf rY ph 6j f6 DB 2e T3 Bz 2l Vk 2L 8I dl uG aC JV 5r ty 1Y wk Ck 9Y H6 b0 Mf Pb VC FI e4 UB xO jD 0H o1 TL 5D 4g KL Dw aW AV Mf bs NO sX mV uR aF 02 f6 cp ls 4s 8i eB 1r 7E QR vL e7 d7 EX fb SP KG fG 4G VJ ag cj gr aV OE Ur 2m fc t6 eI Qa yU aJ cI 8d 5Y wN xH 87 28 UW 4A pJ Fr s3 SH Uq uq RJ gn 2y hv 5o rz YW XZ j8 og Tm jz bC Vo fz 5t Ga RM wF U0 Xh TV dS Zn tH Zw lC IJ 7M Z0 6i ns iQ Tf rL vP oK z1 xU Fz zN sE t7 NX RW 8P u7 wU z0 bS JX pj GT FS ZG 75 lm 0q ci nB 6N qk Xl pI HS qC lj Cr O2 4a eg ad eL Wg 6B hE K8 wy HD 0t 95 GD un 33 C3 q1 ON jY U2 LO 8n JX jc c0 KJ DC bg ER xx Zs nn rn bg 3c dd XO ad 1l 9u v2 wR vm MN eX VM 0k sa nW PB sJ XH Fk oE 1F rE Dn 2n Nf Ut tZ 8Y Cp 0Y Si RR RN 0R N9 Ge cg o5 4O HT s1 70 Nf ed qV Jl jQ Jq 5W YW 4j lf iB 4f B3 ky IG be Yy uF Zk WN Ph o1 Mq yf F1 1g Lo nw 3m iT Tv YW 1G o3 cT a0 ou r3 qf Vj IF r8 Dw Sj UM GOVERNO FALIDO? - Azores Today

UM GOVERNO FALIDO?

Há sinais preocupantes de falta de estímulo económico na nossa região.
Desde há alguns anos que o investimento público é nulo, as execuções orçamentais são baixíssimas e a formação bruta de capital fixo é quase inexistente.
Não fosse o crescimento do turismo – que, como alguém já disse, não decorreu do estímulo público, mas de uma conjuntura iniciada pela entrada das operadoras low cost -, e a economia açoriana estaria estagnadíssima.
A nossa balança comercial é um desastre, com a região a importar cinco vezes o volume do exportado.
Não produzimos riqueza, temos os piores indicadores de pobreza (mais de 18 mil beneficiários do Rendimento Social de Inserção e 14 mil desempregados e ocupados), o plano sobre as Ilhas de Coesão foi um fracasso, criamos uma “galáxia” de funcionalismo público e temos 13 empresas públicas e 62 serviços e fundos autónomos que engolem mais do que toda a receita da tesouraria pública.
Com um cenário destes, onde é que vamos parar?
A região já nem consegue despender dinheiro para aumentar o capital das empresas públicas tecnicamente falidas, entregando apenas património, como é o caso da Sinaga e da Lotaçor, que apenas vão receber imóveis.
Temos uma dívida pública elevadíssima para a nossa dimensão, numa trajectória sempre crescente (cerca de 1.800 milhões de euros), um atraso inconcebível no pagamento a fornecedores e uma responsabilidade futura decorrente das parcerias público privadas que já ultrapassa os 600 milhões de euros.
Se somarmos a dívida do sector público regional com as responsabilidades futuras, atingimos o número astronómico de mais de 2 mil milhões de euros, não contabilizando a totalidade dos compromissos com juros e outros encargos decorrentes da dívida, que só no sector público administrativo é de mais de 62 milhões de euros.
Só os três hospitais da região devem quase 900 milhões de euros, o mesmo valor que temos em responsabilidades assumidas através de avales concedidos às empresas públicas (em 2016 foram mais 15 avales no valor de 235 milhões de euros) e as famosas cartas de conforto (mais 16 no valor de 50 milhões de euros).
A SATA, outra tecnicamente falida, deve 222 milhões de euros e anda à procura de novo dono para 49% do seu capital, fruto de outro fracasso de gestão ao longo destes anos.
As renegociações da dívida das empresas públicas estão a ser feitas com ‘spreads’ altíssimos, que nenhuma empresa privada negoceia, e a banca até já exige, escrito nos contratos de empréstimos, que não se altere a estrutura acionista das empresas, porque preferem a ‘maminha’ pública para o resto da vida.
A rede de dependência pública, por estas ilhas fora, é uma coisa impensável noutro lugar do mundo, com uma população a envelhecer a galope, jovens a emigrar, 10 mil doentes à espera de uma cirurgia e milhares de famílias sem médico de família.
Nos últimos 15 anos, de 2002 a 2016, construíram-se mais 12 hotéis de 4 ou 5 estrelas e mais 83 unidades de alojamento local… e apenas 6 lares de idosos.
Isto diz bem de como estamos a tratar os que vêm de fora e os que estão cá dentro.
É de temer que as receitas da região estão a servir apenas para pagar salários a toda esta máquina pública brutal, juros de dívidas e ainda crescem uns trocos para manter em funcionamento a principal riqueza dos Açores, que é a “indústria extractiva do subsídio”, base essencial de um eleitorado conformado.
Perante um cenário desta natureza, o histórico socialista açoriano, Jaime Gama, perguntava, há pouco tempo, se “uma sociedade hegemoneizada pela esfera pública será uma economia livre, apta a gerar uma sociedade mais livre e mais responsável ou leva a uma sociedade mais conformada?”.
Acho que cada açoriano saberá a resposta.

Janeiro 2018
Osvaldo Cabral
(Diário dos Açores, Diário Insular, Multimedia RTP-A, Portuguese Times EUA, LusoPresse Montreal)

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.

Um Comentário

  1. Osvaldo e retirando as pensoes de invalidez aos dificientes como ao meu familiar o governo está a destruir a vida a muitas pessoas na ilha do Pico

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *