Vila Franca do Campo acolheu o 1º Fórum de Lions Clubes dos Açores

O auditório da Escola Básica e Secundária de Vila Franca do Campo acolheu, nos dias 1 e 2 de Dezembro, o 1º Fórum de Lions Clubes dos Açores, no qual estiveram presentes representantes dos nove Lions Clubes da Região, bem como outros nove de Portugal continental.
A abertura do Fórum foi assinalada com um momento musical a cargo de Rafael Carvalho, que interpretou alguns temas na viola da terra, falando, pelo meio, sobre as origens e o simbolismo daquele instrumento. De seguida, o presidente do Lions Clube de Vila Franca do Campo, Dr. Luís Soares, deu as boas vindas aos participantes no fórum e apelou a uma meditação sobre ser-se mais comedido na crítica e mais generoso no elogio, procurando construir, em vez de destruir, tendo, posteriormente, sido entoado o hino do Lions Clube das Flores – Pérola do Ocidente, por um membro daquele clube.
O Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca do Campo, Dr. Ricardo Rodrigues, usou da palavra para realçar que ter um Lions Clube numa localidade “é uma bênção”, porque “são parceiros excelentes” na procura, na descoberta e na partilha daquilo que são os recursos que o Concelho tem. “Só por isso, já seria boa a existência do Lions Clube de Vila Franca do Campo”, vincou, acrescentando que, para além de cumprir “zelosamente” os seus objectivos aquele clube é “um grande parceiro” do Município.
Ricardo Rodrigues afirmou, ainda, que nos Açores, pela nossa História e presente, “estamos habituados a reflectir pela nossa cabeça e a ter a nossa autonomia, que queremos, naturalmente, estender a todas as organizações a que pertencemos”. Por isso, a estrutura, mesmo que seja internacional, “terá que perceber as idiossincrasias que todos podemos sentir, cada um no espaço onde vive”.
“Debater é sempre bom, discutir e analisar é melhor, tirar conclusões é muito frutífero e estou certo que este evento trará mais valias para a organização, a nível regional, nacional e internacional”, observou, esperando que “saibam todos ouvir e encontrar os consensos necessários para dar continuidade a este magnífico movimento do lionismo internacional”:
Por sua vez, o Secretário Regional da Agricultura e Florestas, Engº João Ponte (em representação do Presidente do Governo Regional), apontou como desafio dos tempos actuais a coesão social. “A coesão social é a experiência da segurança colectiva, das expectativas de vida razoavelmente estabilizadas, que nos permitem fazer planos e aceitar sacrifícios no presente, em prol de um futuro melhor para nós e para os nossos filhos” apontou.
Em parceira, no respeito pelas competências e obrigações de cada uma das partes, “será seguramente mais fácil responder aos desafios que os tempos nos colocam, em termos de uma sociedade que queremos inclusiva e socialmente justa”, apontou o governante.
Para João Ponte, é importante fazer chegar ao maior número de cidadãos em situação de carência os recursos que temos disponíveis e “mais importante ainda é fazê-lo com respeito pela dignidade de cada pessoa que pretendemos acudir”.
Entretanto, a Governadora do Distrito Centro Sul 115, Gabriela Fernandes, referiu que o objectivo comum de servir “não pode, nem deve ser esquecido”e considerou importante que os clubes se preparem para trabalharem com a nova estrutura que o Lions International propõe, “todas as reflexões serão tanto mais profícuas se utilizarem os recursos de formação, apoio, divulgação e intervenção que o Lions International disponibiliza”. Gabriela Fernandes observou que os membros dos Lions Clubes têm “a notoriedade de uma marca, que é a maior associação de clubes do mundo”.
Já o presidente de Região, Hélder Pimentel, disse estar convicto de que “se tem feito o melhor dentro das possibilidades” e estar certo que o fórum serviu para sedimentar o código de ética e alertar para a necessidade de união entre todos os Lions Clubes. Cada ilha e cada presidente “sabem com que linhas se cosem” e, por isso, “o fórum será de certeza uma universidade de onde todos sairemos com um diploma de ética lionística”, reiterou.
Também na ocasião, a presidente do Conselho Executivo da E.B.S. de Vila Franca do Campo, Graça Melo, afirmou que o Lions Clube de Vila Franca do Campo é “um parceiro especial” daquele estabelecimento de ensino pelo trabalho desinteressado ao serviço da comunidade, procurando diminuir as desigualdades sociais”.
“Admiro o vosso voluntariado, ao atender a necessidade premente de quem precisa, sem nunca esperar uma recompensa”, frisou.
À cerimónia de abertura, seguiu-se uma sessão de “Motivação no Servir” e este sábado realizaram-se os trabalhos líonisticos.

Fonte: Câmara Municipal de Vila Franca do Campo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *