Governo não consegue explicar fundamentos da compra e suspensão da atividade da Sinaga

O grupo parlamentar do PSD/Açores considera preocupante o facto de o Governo regional não conseguir explicar os fundamentos técnicos, económicos e financeiros da compra da Sinaga e da decisão recente de suspender a atividade da açucareira.

Segundo António Almeida, deputado do PSD/Açores, as respostas do secretário regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, às perguntas dos deputados da Comissão de Economia, durante a audição requerida pelo PSD/Açores, constituem um obstáculo ao dever e ao direito de avaliação das decisões do executivo açoriano por parte da oposição.

“O secretário regional revelou impreparação e desconhecimento dos fundamentos técnicos, económicos e financeiros da compra da Sinaga e da suspensão da atividade, assumindo, inclusive, desconhecer a existência de um estudo de viabilidade económica e financeira da empresa”, frisou o porta-voz do PSD/Açores para a Agricultura.

António Almeida lamentou, por isso, que o PS tenha inviabilizado a audição requerida pelo PSD/Açores ao vice-presidente do Governo, Sérgio Ávila, responsável pela compra da Sinaga em 2010 – altura em que já eram conhecidas as circunstâncias de mercado alegadas para a suspensão da sua atividade – e que tem o dever de responder pela gestão danosa que conduziu a empresa à situação catastrófica em que se encontra.

O social-democrata adiantou que serão novamente requeridos documentos sobre a situação da empresa antes e depois da sua compra pela Região, frisando que, além de João Ponte não ter conseguido explicar as perspetivas para empresa, revelou “sinais contraditórios” sobre a decisão de reduzir a Sinaga ao empacotamento de açúcar.

“O Governo diz que se trata de uma suspensão da atividade transformadora, por tempo que não consegue clarificar, mas depois permite que sejam postos à venda os ativos em máquinas e equipamentos ligados à atividade agrícola. Subentende-se, naturalmente, que a produção de beterraba já não interessa à própria Sinaga”, explica.

Para António Almeida, a solução do executivo para a Sinaga revela que “ou Governo não tem racionalidade económica nas suas decisões ou tem outras razões que desconhecemos para manter a empresa com este perfil e quem sabe manter a administração numa solução que nem o próprio Governo nos dá nota se é viável ou não já em 2018”, salienta.

O deputado assegurou que o PSD/Açores acompanha a situação dos trabalhadores, nomeadamente os que serão transferidos para outros serviços da Administração Pública Regional, muitos deles para desempenhar funções que nada têm que ver com as suas categorias profissionais, e apelou ao diálogo do Governo com estes trabalhadores no sentido de os manter informados das intenções do executivo regional para a empresa.

A Sinaga foi adquirida em 2010 pela Região através da Ilhas de Valor S.A. e, sete anos após a intervenção do Governo regional, a empresa está numa situação de falência técnica, com um passivo de quase 27 milhões de euros, soma prejuízos consecutivos e sofre de um total estrangulamento de tesouraria.

Fonte: PSD Açores

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *