Vasco Cordeiro satisfeito com arranque do processo de instalação de radar meteorológico

O Presidente do Governo dos Açores manifestou-se hoje satisfeito com o arranque do processo de instalação do radar meteorológico na ilha Terceira e salientou que este deve ser um primeiro passo para a cobertura das necessidades da Região nesta matéria.

“A constituição de uma rede de radares na Região Autónoma dos Açores, capaz de providenciar uma cobertura e leitura atempada dos fenómenos meteorológicos no conjunto das nove ilhas e ao longo dos cerca de 600 km que as separam, implica que se avance, de forma rápida, para a instalação do radar meteorológico em São Miguel e, também, para um terceiro na ilha das Flores”, defendeu Vasco Cordeiro.

O Presidente do Executivo açoriano falava, em Angra do Heroísmo, na assinatura do contrato de arrendamento de um terreno ao Instituto Português do Mar e da Atmosfera para a instalação de uma Estação de Radar Meteorológico na Serra de Santa Barbara, cerimónia que contou com a presença da Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

Segundo disse, só com a conclusão integral dos investimentos nesta rede de radares se poderá afirmar que os Açores estarão em condições de igualdade com o restante país neste domínio e que os Açorianos gozam do mesmo grau de atenção e apoio do Estado que os seus restantes concidadãos.

“Tenho a certeza de que a senhora Ministra e o atual Governo da República partilham desta preocupação comum e quererão acompanhar o grau de ambição que o Governo dos Açores impõe a este dossier”, afirmou Vasco Cordeiro, lembrando que a importância deste processo tem a ver com a segurança dos Açorianos e com a proteção dos seus bens, mas também com um conjunto alargado de atividades civis, com destaque para a navegação aérea.

Na sua intervenção, o Presidente do Governo destacou, por outro lado, que a assinatura deste contrato constitui um bom exemplo da concretização prática da Declaração Conjunta assinada, em abril de 2016, entre os dois Governos e que tem tido desenvolvimentos concretos, aos mais diversos níveis, na solução de problemas e desafios que se colocam aos Açorianos.

“Basta referir, a título de exemplo, e apenas no que concerne aqui à ilha Terceira, a assunção clara do Plano de Revitalização Económica da Ilha Terceira como “documento estratégico e orientador” das ações do Governo da República neste domínio, o que permitiu que se esteja a avançar em áreas como o processo de certificação da base para uso civil e a operação ‘low cost’ para a Terceira, entre muitas outras”, destacou.

Vasco Cordeiro considerou também que existem muitas outras áreas em que essa colaboração conjunta, “sem atropelos de competências, mas convergente e não excludente, pode, mais rápida e mais facilmente, produzir resultados” a bem dos Açores e do país, como é o caso do Mar.

Em concreto, o Presidente do Governo referiu-se aos esforços que Ana Paula Vitorino tem liderado, quer quanto à captação de investimento externo para o sistema portuário nacional, quer quanto à definição de medidas que reforcem a competitividade dos portos nacionais.

“Estes são dois casos bem elucidativos do potencial que ainda encerra a abordagem conjunta a matérias de importância decisiva para o nosso futuro coletivo, seja no continente, seja nos Açores, seja na Madeira”, preconizou o Presidente do Governo.

“Por isso, o desafio que aqui lhe deixo é o de, quer num caso, quer noutro, ter uma abordagem que inclua, que integre, que seja convergente que, no fundo, potencie as vantagens que, também os Açores e a Madeira podem, – lembro, por exemplo, o Porto da Praia da Vitória – apresentar para o seu posicionamento e, o mesmo é dizê-lo, para o posicionamento do país”, afirmou Vasco Cordeiro.

Fonte: GaCS/PC