Multas de dezenas de viaturas em redor do hospital do Divino Espírito Santo geram descontentamento e revolta

Está a gerar um forte descontentamento e revolta da parte de utentes e visitantes de doentes do Hospital do Divino Espírito Santo a decisão que levou a Polícia de Segurança Pública a multar todas as viaturas que se encontram mal estacionadas em redor da unidade hospitalar.
Revelam leitores que contactaram o ‘Correio dos Açores’ que, em horas de ponta, como aconteceu ontem de manhã, agentes da PSP multaram uma série de viaturas. Houve doentes que foram a tratamento ao Serviço de Urgência, colocaram a viatura em cima do passeio, como habitualmente faziam quase em frente aos olhos do agente da PSP porque não tinham outro espaço, e, quando regressaram ontem, foram confrontados com a multa.
O mesmo tratamento tiveram visitantes de doentes que se encontram internados no Hospital do Divino Espírito Santo, não tiveram lugar nos parques de estacionamento e, quando regressaram à viatura, foram surpreendidos com a multa.
Os agentes da PSP mudaram o seu comportamento em relação às viaturas em redor do hospital de Ponta Delgada por decisão superior, estando, assim, a desempenhar as suas funções no quadro da lei. Não podem, por isso, ser acusados de má fé por estarem a agir de acordo com orientações da unidade hospitalar
Contudo, é notório que a PSP de São Miguel, com a falta de recursos humanos que tem, para ter agentes a passar multas em redor do Hospital do ‘Divino, não está em outros locais, lembrando o dito popular de que ‘quando o cobertor é curto, cobre-se a cabeça e fica-se com os pés destapados e ao cobrir-se os pés, é a cabeça que fica de fora’.
O que está a acontecer junto ao hospital é uma situação completa que, no entender dos nossos leitores, devia ter um outro tipo de tratamento que não passar multas em locais onde antes se estacionava sem correr este risco.
E é esta realidade que leva um leitor a escrever que, “numa cidade cheia de locais pilhados, de desempregados, toxicodependentes, repatriados que levam todo o santo dia a importunar os pacatos cidadãos, que já levou a que algumas igrejas contratassem seguranças privados, onde existem estabelecimentos comerciais que são assaltados em plena hora de expediente e à luz do dia e em que ninguém vê a PSP, é muito estranho que procurem doentes que estão em tratamento no hospital para lhes extorquir dinheiro e se calhar privando muitos de comprarem os medicamentos necessários para os seus tratamentos”.

Fonte Correio dos Açores de 14 de Novembro de 2017