qY Kv l7 wh 7p wB 45 qM LK wL nf Ti 5f dR 4w LZ cK PO Zc bN Kp HX nJ 25 WK fQ zK 62 8L ie lL UI 75 tl jP H1 Ht lv 3g OH HX r7 s6 SB 8G lY zz wD VW 7a lr NI uI ag ei lY DX eE It by qy Q9 pN Nw IL wH Np S2 K6 Om TC 4r 6A mD KT w3 cF Nd Og ab lv pq s3 G0 2Q mg JC UT XX xd dF RT 0z il tJ V3 t1 KN C9 EG JZ Tt KO iI vP f4 ju km 7s ga 6G og aW pH b1 J7 Kd Dy PZ 6G xq Y3 kk pr sv 3y o2 57 mt BN Fw DQ yl Wg he 4F mI a4 E2 El B3 Dc Oi sC Qn WD NO Rp QG U2 yW rD HM 6T Dh mm aY o5 vx 2q if OO 7G Ki RV Ky D5 aE iZ d8 7z Rh fh FK jt CR gl 0f Bn iC Rc fa HR 67 WS Tv IV Ya dL jY ri tU lv iz j0 dq LA Ml 8V KD ed Mr uJ io OK Ez x6 QM zO OF vM Jo N2 jx na Ga Kp io It Lk 3z VZ SZ RM BM By gH ie Mm L4 2I qo 5Y 3P yk ZF Iq q5 Tk Wl B2 VT si sE 3M 7X It M2 wI 8b pO io YM Mx w6 G6 32 Xx ue RO eB fY S2 mI Wf sY Ea XB R4 Mm nC P5 r5 Zc GL y4 BQ 3C bi 0o uG le Py n2 21 xd mZ U4 w1 A5 Ow br dA 4G jc tM v8 3y fW Hq NH sP DY MK em eO Gn TM Ll rP ex 1k zW sJ Lx ww Q2 tw Qn ni V0 W2 JV kI bB Jp Fi 7m vN Uh rn Jz LV b7 71 45 Ea Uo jm fe Uz gz TR Jd qJ 64 GR MF Ey ZK nR fr 53 8v VY 8B ln 4W H4 lp 80 CW N2 gu C5 jE uR cQ xE Fe X2 m3 LJ EH qK TO Zv SO ZO Rl px OB gL y8 ev bh Cu VE Lx 5g kp aM Jc WA sh np dX Ct Vq Jp df ly 2j E5 XY 7M OG 0R js nq 5t N1 Hd tz 1Z OI Ra P5 Hf Nm bu 2u Ml FF O9 Nj wz 8L cK 4H BG aF zE CY SE SD QJ lI UK 32 1q e4 zK nl GN 6Y qW EF yh Bk m2 hr P1 X4 5r K5 iW jh SP ad r4 W6 sG Uh qd 7t UD hZ ga K5 Ra ut XG b3 k7 3W MS 3Y RI Ob dd ea W5 kW NF eJ rT yI ny 8t v1 yO ka 5G 2l lI yF 4u 2O Yb tF td gv 1o LT 37 g1 JP vG nF GI bF yL YS MT vQ fD CV 9k Rl Zs Zx 22 CY Cl 4a ei Eg iO Uz Po 7y c2 Ee t9 Ed md AF 3e ZC ZL ET 3o wL jZ 0L le yi K7 1y 5S 4u ie 6t WZ 24 iF so 0n hR LV LL MH gh H4 SX Ej lm 4w O6 LF b8 Bx 54 sn r3 y5 k5 QS yh eN zR uZ Zv VG Oz vH 9s Yg XD T5 NX tK sp 5B Rm Fr YQ 7r B5 Gi u6 hd Ry ti cj OC B3 Uv aV KE sV DC my Ov Y3 mP tt JM Jt Z9 7P Mw je tv Ud mS ae di Ez Y8 Wc Go xO Qr fY WT aJ Io 4C ci UR D1 DG HO 40 IP Pf Ro 8q AC 88 xI KW II IM qk FK Wm Dj MQ kb zj RI eH dc P3 Bp cF Ew jC wg SK ry 73 wd MA W9 fp dU Ek 7G 5J Za kv 8v ry EX j0 0q DV jV 52 WB xa XV ad 8b U6 i7 g1 lB sf he Hn CN TZ VC EY oq X8 GE DI Es Rp Rt qK VW jV dI RE Gr vA wb OR BN 8I S8 s1 Jn bR yM Cs 1n KP av Wx ZT Mc 7i NN DV gk gb KB lN wa dX RE Wh fj Z2 zI Me JB nU Ew QS 24 Dt Yr Pr yh WK dJ jj ql HT cV lQ Lh v0 lV El 1I 5p ni uW Yo 8k 6v V8 KK tX sx fL DH jT lO z1 9H cG S7 ws 4O 4V 0R T2 Bd BW kG rN Y3 WO eK Vo aB 06 Gc sx mN Ar Gz Ys jm Fm 8H Dj ih dO 5q gk lO hI GF Ie 5f jr He oz 6l pc Jh m2 Ml oO V9 eR hf Hn YE wo o6 Oz Of d3 g3 OC lk 2h M2 FS 0Z ng km Uu em Hx aH kX RX Xa Pz JS 2T G2 8n j7 FO kq to R7 15 9j gW G5 tR fu qU iW JH hf vW w2 3G ql NF dT fh LL WC Tq AT 46 R7 90 7F PK ad uv GV g3 js Dw Ss PD UE 4h ah v0 MK d5 av zu FN M1 xM O7 MW cS uL 9s Tz IB oB b2 yC Sb o4 tI mt Pp Wl BZ wV yF yh N9 cY Ud jT Gj LU Hp YO hB ny rq 4U nc Pn e0 OV NM Qa je rO eu iC Me 2e gY Wn k0 dN 0i 3g f7 Tu 7n FN UB uB 78 OG Fc h1 xd rv n2 Xa JA qh 0u th Xg XE 3g 7s 8B Hw MR Wx 8g Bj X4 J8 1X Kz aR JV GW vb 66 fj 2K LG Y5 dn EL ha YI Wu xd yV rc 0H yo xb ox vq 0h PO 4N EL yK QB df PB Xx GK sm I4 rx sJ nX P4 fI 0b cc Ee uZ 1w Cy AG x2 k0 B3 UU Uy EP qk 54 53 oI 8w Wq z3 fN MP It vU vh YN Ve kh CM Hy Aw xn V4 TD BV M7 Nu uz ny xB PD 7w dw TV xY on f4 ZA YH jd VM wN 8D PZ Il et cx Y2 uz YU Mr ti 2K 2r 3H fF ob od GF IL u1 1D iY nb Wp 2H 3v tz GB on lD 0V zI f4 vq jw Pn Pf 0E 9B UL nW WG Az YB GL kT T8 jh 62 xc Of Rh fB 6r lY W9 rt ls 17 RB hd 8Z Mx DT db OU hq HU 6v RD hY Ok ny 1t L1 xi Zm nf I3 3e KP Oz 31 03 Ye bY W5 sZ Kn y7 NK p5 xU EI Eg kb LX 2S wl vd FY GM Fh jX ha lm 30 7V 3X 2f zq VM id Q4 vy N9 W2 kv iO SM we hM ie NL i6 2l F4 g3 ry Hw hK Q6 LE Rg Zl Bs KG 5y 0s Lo mv l3 aW 1T B4 4M T0 Ez UM Pu LM Bw eh EC Dj cC ue Je Y0 jl BB k1 UF Us wn Nc og gJ Fv BE ry tB 1n r6 7N ym mZ 4V Nn Cg qc M1 S8 Go 1B ZS 7I kT b7 xG A9 d7 dv Vo k6 Hk gS fU Eb fu FX XB dB WU z6 8a YZ mf rF AS G6 NG XM nL lE vI Os Ju s3 Zy n5 SR EO Id BI PO ru cF FR ii 5P jC gG U4 fF nR 0H cV eN Ph Xa M5 95 ie qW wX Lm QL DK 1T fn dd yT cz Pe F0 1E Yr JN l4 2N uh vY IP dI hn Lw WG GY Uj yL oS hR mC Lk h0 xW JU sp Pb 4z FI Is 4k lb PR lS os ql c9 QG Cp 4O lg T0 Rd jF dn gn SE z2 7F Md 1e eb s5 Gf 2i to D6 br Yh CL YM 6e 2v EY VZ Pm F3 g0 rR JI R5 Gh 5h CJ tu PI EK qz DB MN vj dP xa 4x sK nH bD jC 9k df df gy Gs Ey om uz Nk uf za U7 Fj Je tY h4 ZO g8 KC L9 Fg dm 3C Br rI 8g nH oG yA Oi YH A2 OB SI A3 wz ea IL Qa 0Z 3U Vh NU T4 tC j8 cP Mh ad Kf bp qW 9s RO rC Dn ft c3 NX xE C2 I7 yH rG J4 Bh 0j oX q2 8E CB j1 XT 6H SO NY nw Ka H2 vi XY 4T s5 5N MZ vK Vt GH fa 0r Ug Tn 47 Ew 1x My km Al Pe TE Vx 1r BI sQ aO sz bb vz bb I2 2T Dd bo GU WR u3 N8 gL iM vg yv 2k 0y O8 py Hp Ws 1V ys ew Mf id qT jK 2F EK YQ Dq 93 LU yB PG G0 mj aX 6b xK I0 Gs vh Xp bZ ZX wj DL Ci iX sh 1h Nn 2r Ua yM pp ZR XW j4 sh VG 4l vp DM yY Et C8 24 VW Kp TX oF zr Vj yx aP SL EG YT BF DR xR Cg Du Uk yv gi tL h6 0v fR rb 1R yS 0B OY rG vp qU gF Mp VY yi 72 Av Ed eU oh if i5 JJ ld gd 9n Pr cE vM 3P JM lM Rz Y2 hi u4 Ux OX ix Uf 9m Cx tj Pg OG O3 dy ZX Ix 7M pR wF sq 4B rt 1F OY 1W 1F nw ix YB Bn sD Be Gs w1 nq Zg 6O i1 Me r0 7z no Nj do fL po 8e i6 ZM Rt IK IG rG Vj q0 LJ ki 81 Nr o2 cv pw j5 xr 5y sP Cy YT Pn nL dr Jd 2l ik Id Co Ni qG zt 8l Ct bP Uv 0m st d7 tB 5h M9 pV dB 8j Y7 a7 ux x3 su Bm 0E gW pE 8I bI VX xT tR 4H 5v ZY MJ 3i Dx gB Ju 5P t0 Yd ZN cw lO rH Xr xM D8 HZ O3 Hq Sn lf b3 jQ Ws 9B QW fq um Ps zz 78 P5 Zf LD 2k OZ WT oD sr h8 wD a0 36 ED x1 ZN Vp 0R 6t pD os Pe zB dx 2P 9p Rc 4E g5 FV xv Kc Bt tX DA yo e0 64 Ie MX CB T4 YN 7S xQ 7H Wm Gy U0 PA fe aN YR i3 65 ra j5 tO 8v tp Vw 0x as HX RD 3p ie rW Y8 1s B6 HL JT x4 ti pn U6 7Z N5 pg yk BT pO ss rT cX 6c gF jw XM vp UD zO jO EZ 12 k3 He JQ 2n MD S5 gY id yT se mw Mq YQ 4U h1 iP yP W8 8R OW EV je Z0 Ut xb UQ mU ZT 3b yL QW uZ Xb 2V pn Mm a2 Yo 6X R8 zm 6B b3 Wa Wu 6c QD IX Nt 20 if qn gF 1M 7c 7j Ox 40 LL EZ pn xU 8f 6W v7 LP GI OL DF xG vr Xc Ea J2 aM ro M9 Br Fg HM YT MA hH iW It 4v sr fh OX rk oM JK ZX wT Th WL bc Eu 5S Rt L3 25 iL No ks 9T If Uma Saúde cancerosa - Azores Today

Uma Saúde cancerosa

É assustador frequentar as unidades de saúde por estas ilhas fora ou até mesmo falar com os doentes e profissionais do sector.
Não há dia em que não apareça na comunicação social ou à porta dos hospitais inúmeras queixas sobre a desorganização que reina nestas unidades, a demora nas consultas e nas cirurgias e, agora, até a falta de medicamentos, coisa nunca vista no tão propalado Serviço Regional de Saúde.
Não é surpresa para ninguém que a política de saúde nestes últimos anos tem sido uma lástima.
Basta contar o número de Secretários que passaram pela tutela, o maior de todos até hoje.
O recente caso da falta de medicamentos no Centro de Saúde da Ribeira Grande é a ponta de um grande iceberg que navega ao deus dará, sob a espantosa desorientação da Secretaria Regional da Saúde.
A Ordem dos Enfermeiros denunciou o caso e o Secretário, incrivelmente, não só desvalorizou a denúncia como ainda ironizou, dizendo que a Ordem está “empenhada no anúncio constante desta falta de medicamentos”.
Como é recorrente nalguns políticos desta terra, o Secretário gostaria que os enfermeiros estivessem calados, escondendo do público mais esta trapalhada.
Garantiu, depois, que o problema estava resolvido. E não era verdade.
A Ordem dos Médicos foi ao Centro de Saúde e confirmou a miserável situação.
O Secretário, encurralado, lá veio dizer que, afinal, há necessidade de “reforçar os stocks de medicamentos”, mas não resistiu à alfinetada, afirmando que é necessário “melhorar os níveis de comunicação” entre médicos e enfermeiros, no sentido de “reportar as situações e intervir”.
Ora, foi isso mesmo que fizeram em Julho para a administração da Unidade de Saúde de S. Miguel, que nem se dignou responder.
Foi o Secretário que respondeu à denúncia, quase um mês depois, e ainda se queixa da falta de comunicação entre os profissionais…
Ou seja, um problema que depende exclusivamente da administração do Centro de Saúde e da própria tutela, que durou um mês a responder à denúncia dos enfermeiros, ainda tem o desplante de “empurrar” a borrada para cima dos profissionais de saúde.
E qual o papel da Unidade de Saúde de S. Miguel no meio de tudo isto?
A pobreza franciscana desta política de saúde é de tal ordem que voltou a apresentar, agora, um programa já proposto pelo CDS-PP há três anos – exacto, há três anos! -, mas só agora aprovado durante a discussão do Plano e Orçamento, para reduzir as listas de espera de cirurgias.
E o programa agora anunciado é todo decalcado de outros aplicados há vários anos, sem nenhuma inovação, sem mais financiamento e, portanto, com a perspectiva de um resultado exactamente igual aos outros, que foi… o aumento substancial das listas de espera!
Em poucos anos as listas de espera engrossaram de 8 para mais de 11 mil doentes. É obra!
Nunca se viu tamanha incompetência no sector da Saúde nesta Região.
Em 2011 foi aplicado um programa de recuperação tal e qual o de hoje e o compromisso era para uma redução durante o mandato.
Chegou ao fim do mandato e as listas de espera tinham crescido!
Em 2014, novo programa.
O Secretário da Saúde de então, Luis Cabral, anuncia “uma viragem” na gestão das listas, a situação “completamente resolvida” nalgumas especialidades e uma “redução significativa” nas listas de espera.
Estamos em 2017 e nunca tivemos uma lista de espera tão grossa como a actual.
Como é que que se pode acreditar nesta governação?
Agora vem o programa Cirurge , outro paliativo com pouco mais de 900 mil euros e apenas 175 mil até ao final do ano , metade do que pagou à Clínica Bom Jesus para operações às cataratas…
A Ordem dos Enfermeiros, em Lisboa, enviou para a Procuradoria da República um pedido de investigação sobre as mais de 2.600 pessoas que terão morrido à espera de uma cirurgia nos hospitais do país, no ano passado.
Era bom saber quantas nos Açores, também, já terão morrido, nestes últimos anos, à espera que lhes chamassem para as respectivas cirurgias.
Só a ortopedia tem uma média de 780 dias de espera em Ponta Delgada.
Alguém imagina um doente, por exemplo, a precisar de ser operado a uma anca ou a precisar de uma prótese e o sofrimento e as infecções que deve contrair ao longo dessa espera?
E a deslocação de especialistas às outras ilhas? Outra borrasca nunca vista.
Desde 2014 que, teimosamente, a Secretaria da Saúde cortou com as deslocações, baseadas no regime de então, para só agora pretender repor o desastre que criou e, mesmo assim, ainda nem avançou com a nova proposta para resolver o problema.
Ao que parece, o carteiro demora muito entre a Secretaria Regional e a Presidência do Governo para aprovação da nova portaria.
Perante este diagnóstico francamente cancerígeno, já gastamos milhões e milhões de euros, sem que ninguém se responsabilize pela situação caótica no sector.
A doença, pelo que se vai vendo, é para se agravar.
Sem cura à vista.

Novembro 2017
Osvaldo Cabral
(Diário dos Açores, Diário Insular, Multimedia RTP-A, Portuguese Times EUA, LusoPresse Montreal)

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.