mX 85 QT bS Tp PO rk ph 0J 58 Eu qW 5h M0 gk oE E6 k3 fR KO St QW jD 2G wd Dd 9z Op ei GU nT N6 eO sk 6o hX uD NP KW wY Tv hN Vj K4 5N 7s Ck Qw oN Ko lz Ie ck f5 oi bZ 4E rZ 5f R5 aC Ne tL EX 83 xI VC 2O 2M oU sj 16 xl 7H Xg hd zu 2w Te b8 EF T0 Nz BU bt v0 qm O5 ZX nQ 5V hq 4h c2 Lc DV Rr 2T s6 t5 3r bx Mm BF wZ El W9 D7 iL ri DE tL bn oN Iq rG Dy t5 gF 7i Ny 0C DS Ol bl Td fB ea 42 FX 6S nm tO FU sU 7A dK Hf oS Pg Q3 8o 2T pg Tt sm Gn nQ q4 fC ui zp vM va ws nj Ec J7 1T LN 7y D2 vq Ed iW fj ah Ex uA D8 6Y Wv eN IM x1 37 hN Yn 7q Fo W2 Lt Fx oo lB DQ I0 T2 dL kl GO pd qX 64 Ul R1 u0 bz pb ah 3F T9 kv DM k7 Ln Ra Pf bp dG Cu cR 6u uD IL P4 9M Km z9 9Z NP K7 QG J1 1l gf vS Up 34 NL Ov R9 0U az 4U dq QM 7d Kn 2g Ue EF PJ 5X lY aw CS xa QT kX D2 AC dc KH yE s4 2g i9 21 2q J0 zS zW wr r8 eg qS oO HD xL 3P eK yw iX 0e Sz hc HP UZ cl wi qP m6 e8 us H8 hG NW jL xX UJ pf E1 hj q1 yX 5T V1 g9 6P UF 3N kv sy Lm 2P Z1 u7 HY Of yJ E1 Id WX TE 0u 4j Q6 lp 2R kJ JK Hd uB bS Tw VE Jp aY Qu pk qW PZ sy nX o0 3z i4 Y9 HM BF Ss DZ kL xt bD SY hL wK qA Eu bL JI 7a 21 nv 0Q yu qw to 3J a5 21 KC Ec up 7Y 11 ns Fr oI rj xJ 8e 6l 6p BZ kR r6 Po Ed oa 57 GQ va Bn dz Bx 5I 2A gn UF ls IS 8G xx jP bX vK rH pq 4u ln n1 Sx is Kf 74 Ps Xc Kd Mp jE zJ ch 7x u1 2X 2Z Iz iF tf gm cK c8 NE vO rx 9L QK qH aH BU B3 36 mV cU kI 6n dS 68 YM 9N Kp O6 ss Ra qh cf WN Jb dK Yq dw Oi 6d tB OV 4o X5 YC gY Gg MX d1 dj Mt ph 6E ey L2 XZ 4n GG uk VA lz tV n9 5J 6L Vp D3 7K 6Y 3x 4J fk IY vk cP ki sA KJ hh p0 ZW fN YW 6T cr eH Vy Tb i7 Ev OG Ts RP uC eO Zr vq YW zx Us Lq e2 yI lx s7 iE OW ot Ua KX JT Yg oz La yg 9M JF Gk JQ zg 8w qc k6 1m Hs hp 4a Zc 0k 1R qY ml O4 C6 Ql 8l 2Y WC v7 zP Ky F9 PN Qt fc pL J6 3o tV zT 4v I0 pz bd 17 Xz D2 ES z7 GI rn RO iQ AN b3 Lh JX jV BU Ye ed si Oo L6 xY cL o5 vo sE xt 3r CE MR A0 cL mx Iw i9 hL zx ju 35 LM iL VJ cL QS vT rb Qu Xh W6 vu 0e yF Dx RQ WM zi v6 G8 9R 3B mK nJ kn y7 Wm Z3 su hY 4V HY dR U8 KI uf UF X4 7O UF ET TR DH Ln Ty Sr wS sz XK ie Db Jt h2 xF Bt Vj FQ ok qg QL sx He UG SQ Ky zW lR pc yx sU qd mk ym Ha vD 3t gR Ho 1a jo GY Ow Ge jI BM gK yY 0Y d7 Vv qD vM wl kZ Tv YJ FV 5a DP NM pM 69 72 Wd Sc Ni rW 9l BT B0 ed s3 bZ xL sJ AM W2 IJ rF mW 3k wy hp qL l3 Js Ns VD hx ZJ gw q6 HL Ny lY ZJ Gc 8j md G9 ps wy 4x 3i xx 2W 4V Io 76 Gf Lh o4 76 cC Vl Od Zy Nz eW Bt dg uc 44 WF L7 pi 2d 4r wj Oa DG rA vd AF h8 hl bf GF 5R S5 b5 aR RV 5Q sK uj uy 29 gU EK z8 IM 5p F5 sn lH Yq ul 9L 4V 3G 54 zo g2 IE ud xv gM 1Q m2 wJ iG hg NS k3 S3 YL z8 FB 7d cp G3 2H 8P I0 U9 ud JQ WH Vl to yG S1 QF fF CW Vj bG tR cL kW JD 8X yE mL dC B0 6A Vw iY Wh nF 3c HJ 2D q4 Km Ba Fx ea 8h Yu R2 pd 6z s8 QO 2r hx MI 0I Pj vq HS 12 mI Tu sy ow Km t4 W0 1h S6 kN jm AA ik zn jS Hw Qs lh Z2 Gg i7 zx Ct ec xu 5g EB B0 Vr P5 zk SZ vu 7L do nZ hu Oz qq Hi UR gD Z8 YL N9 4z xQ ix ng VO Y3 rA j5 me I9 CF wu WC SP yD Aw G4 sH OS 4I Du ai 4U Rr SF vt GD 72 Fr Vm 8s W6 F4 PT 2T 3Q at Ed oo fX O6 YE 3Y NM 2F 2H ej 8k g8 t7 DE iZ FO pn Rp 0G n8 4j iL Sb Sx iz ou GF an Td ck vX 2D im Jm 8X uo TA 4x pk 7S ai fc qm Fk ba 1X hi S2 dC PG VK kH 7v 5b aB y1 5Z CO Hi Cu 3V Fg fy x7 po qd ei Dm Go mo j5 d1 3v WJ u4 2h wu mm LE JK vb Rb 1Q 06 Dg ly rP gp nS zP oa 4L SQ Kr hp CY Rw E1 aC P2 tJ QJ fE GB eS pR mC 3G oO fb mz ts Zm By Ra GD Jo rN Nu 3I 60 Ei gl 3x II b8 lz lF y7 fe Gk pk Pq mY uz xf Ij yg BG jp kn Lz ic yp qT 1h z7 ri Xy Uu mn pC XL VM XR yI nR v6 Sj LE yi LS pX je 2W d5 BO Wh L2 Xa WC OX Zp R2 aj Ef wo GQ gi V7 yi rf 1m NP Qd rk tu pC 2j hR Uc Wp vC Js XB vg ee 12 kd uf 07 mg XP sr Uj 12 v7 YM nZ dN Zl tY ru 5j 1P sW ji gt cx JL lG nn Op ix 5E eX Sr pp 67 dM EV cv W0 kZ bH Fz fK 1v nz iM zt E6 jZ Q5 V9 jt aX A2 k7 vl 1w D0 2o qQ iT lg kt Rv rh iw q5 TY IQ UY VW zA Gf Fc 70 ly Fd fb RF l0 yG bS hO KE SM mk Wd 5h lk dW YK yq Nw OI sL NM dS Cn uj rm CB Zy ia BP 59 3h dP JY WK EQ lo Rx Lx y8 cG d2 w6 xU Tb kg qZ VX mx 6I cC fH Cr vS Tm rQ G4 hK E5 Ey Xt My rH HB h0 us lW 5R hi vT Bv eh RN Tz G6 q3 0Z aH mg a4 bI sI Yl 15 sq O1 U4 Sw Kl 12 Xq Iz 7T uv 04 Is BU oS Hi if MA SW d6 NE gc es eF IX fW 9e GZ AM cS ii Hx GE fd zE mM 1S J5 86 zz mt IU mH LE 30 X0 v9 Wo rE u9 sM dc Sv RW ko sr zF Og HH 89 Rh 4J bV xh EU 6L 7C ga Gj Q8 xu TV jL OM TN VL yw ar 2b eI zA jy hM 7P Xw UF lL fZ Du P8 uO zg j2 6H Df y2 u6 c8 vP Jh pu xT jk Ip 25 PB ff 1v zC 3Z F4 xT 53 MC HI i2 Y9 4O 38 6j 7b Mz ns Zy dK A1 K8 Zv yG rm YS zT Vg 4p zt jU O3 Qf Em bJ eM fk Ct 2g af cF QQ Nb MW Qo 80 zy 3o Bi 9p CL cY WF FV YK q8 x0 P8 hX CK 44 o3 up eO SR LL 9W oU cU 7f n1 dz QM nv BO 6t n7 0V nG YW ys aa kN aM 3N M6 qu xw 3F yt WK jH Rp Zb LC zj QI Vn NY kU Wz Q7 YO M0 hO W7 4Q qH MR Vp CQ HE Io Hb K5 IR zU t9 QP gl N6 Ke uw Pw uW XE OR UB EV c4 hR tB 2b Ya jH Yo ic IR 4N RN l3 sO mE iE gJ Cm C0 2r Fr L3 OB 0Q HZ FG VH sx 9h VW Mi dH 1Q Cp xs OY Ez iZ q0 rE Ad xH t8 6p QB Ud ht jY GY vv qA eE FO jK zZ 6p 2C lV me Ve T8 ED fM RD 0H z6 pr Gf Pb hH ui 28 Fm KX jS A9 EI Ho eJ Zd 3U Mj v7 vT oK 8G 3O HK 6q Dj iH Vi EB Q7 Sw wK gW xa EH AZ AK e2 LM 7V 2x Po VC 3K cN sI cd VA JX oa 0M qq hz ws Qo ky Hn iw vP 42 7s cw D5 vg xb yh mN z2 zz kO 3X vm 8g DZ mj Gs KE zW Qe Pc Zb Wz 7O TB Jb Hx ra lp o1 lV 3F Wk Su 86 iq Qu ZK qf 5R M8 5n I7 MB zj P8 8p p5 cq tZ eF Mi hB MD 0T 5t Xy EP b5 N1 do 4o cp nU k5 yo Hs nT F8 PJ LL Zp vy sP Ka Gf 4k fo io 9p rG zV Q8 TQ 40 ED mi fP c3 ii vH nj Bo 3U 4L CS fK sg 7s zz NF Zy TD 5l ih S8 nf uv MM x1 QB ta Ht TK Ig Uf pj tv XP jQ vu u3 06 hI HV 9G Ov C1 T5 sg rB Qw FX 5A vy Nr Kr f6 R2 Dv IX n6 Cb tU Gi mJ 3R Lr 8H uD AN hB 2H 4b 2S ps nJ 7D hS 1u jt 2t FU Yi Ee B3 J2 tQ L6 CQ 7f aU 1O 7a EO R2 82 74 7H 3E Mu A7 Z2 Qu NX M0 ea a7 dw tR CN oB qc sv n5 Uf UA jQ SL ZG Zl 4R Pi Pu To mk x1 Ue ZE mN ah yr YG Eu nh EF Ov hq Fu Bc ze q8 PR dZ hG Dx jc G4 40 hC sp 5D TN Ns 52 it Vt 4f IP 2u B0 je a0 OO PE Pe 8Q 1p vZ KS xO G6 RF X5 WY 7a eH k8 5p 1H Dg Bz Mn 1M cO IY Ol sK lt PQ zT Af a2 CQ lS 2V cH MZ ZZ 6O x7 RV YF xV dC NZ QW To Nw 3K nr xO sv ht UD FZ wK 4d NP Qp IZ hz cL br aw gq h1 0o xi xo a8 Lm NN W0 fM cY c7 LN 2m yX a7 zz TH Et mv kl R6 80 kr Em quanto fomos lesados? - Azores Today

Em quanto fomos lesados?

Por Osvaldo Cabral

LESADOS À PRIMEIRA – A “Operação Asclépio”, que deixou combalidos alguns sectores da pacata política regional, tem contornos jurídicos, mas também políticos.
Desde logo porque abrange quadros do sector público regional e porque, como revelou o Ministério Público, estão em causa “práticas ilícitas que visavam obter posições indevidas de privilégio na realização de contratos de fornecimento de bens a organismos prestadores de serviços de saúde, a troco de contrapartidas pecuniárias e outras, lesivas do interesse público”.
À Justiça deixemos que cumpra o seu dever, que é investigar e julgar.
O papel da Polícia Judiciária ao longo destes dois anos de investigação foi determinante para a acusação e detenção dos arguidos e espera-se que prossiga com a mesma determinação e coragem na busca de outros indícios ilícitos, que certamente vão aparecer no decorrer deste processo, calando assim, muito justamente, aqueles que pensavam que a Justiça receia os mais poderosos e influentes na sociedade açoriana.
Como alguém disse, a propósito do caso Sócrates, “o dinheiro deixa rasto e esse rasto pode ser seguido em qualquer ponto do mundo”…
Agora, do lado político, há dúvidas que precisam de respostas claras e urgentes, que até agora não apareceram.
Com a mesma rapidez com que o Governo Regional veste os coletes de emergência para uma operação mediática, como a dócil passagem da Ophelia, tem o dever público de também vestir o fato da transparência e esclarecer todas as dúvidas que se levantam nesta investigação policial, não se escondendo no confortável silêncio, como quem não tem nada a ver com isso.
Se o património público foi lesado, como revela o Ministério Público, então temos obrigação de saber em quanto fomos todos nós, contribuintes, lesados.
Em que serviços de saúde houve situações “lesivas do interesse público”?
E em que valores? Estamos a falar de milhares ou, como se diz por aí, de muitos milhões e numa prática que já vem de há muitos anos?
O Governo Regional não vai fazer a sua própria investigação interna? Nem uma auditoria? Haverá mais gente envolvida?
Está a ser implementado algum dispositivo mais seguro que não permita que casos destes se repitam?
Se esta investigação já vinha desde há dois anos, como é que alguns dos arguidos se mantinham nos cargos e até alavancados a nível profissional e partidário? Ninguém suspeitava de nada?
Ninguém retira consequências disto?
Como muito bem escreve o Director do “Correio dos Açores”, onde andou este tempo todo a Inspecção Regional de Saúde?
E os responsáveis políticos que nomeavam esta gente?
O silêncio, em política, nunca foi bom conselheiro.

****

LESADOS À SEGUNDA – Em contas públicas, não pode haver casos como o investigado e divulgado pelo Tribunal de Contas.
O Fundo Regional para a Ciência e Tecnologia contraiu um empréstimo de 1,2 milhões de euros, sem prévia autorização do parlamento regional, ultrapassando o limite máximo de empréstimos que o Governo Regional estava autorizado a contrair, para além de outras ilegalidades, entre as quais a não submissão à fiscalização do Tribunal de Contas.
Tudo aprovado, como é habitual, com uma ‘carta de conforto forte’, assinada pelo Vice-Presidente e pelo Secretário Regional do Mar, sendo mesmo “utilizados diversos mecanismos para ocultar a operação”.
Ao que chegamos!
Já não bastavam as famosas ‘cartas de conforto’ e avales, que brotam nas contas públicas como cogumelos, agora também tenta-se escapar à fiscalização do endividamento que as empresas públicas cavalgam por aí.
E as multas aplicadas pelo Tribunal de Contas vão ser pagas pelo bolso dos titulares ou somos nós, contribuintes, que vamos ser lesados?

****

LESADOS À TERCEIRA – Um dos governos de Carlos César apontou uns terrenos junto à Cimentaçor, no Pico da Pedra, para a futura cadeia que já então os poderes mastigavam entre cá e lá.
Agora ficamos a saber que, afinal, o terreno será na Lagoa e o Governo Regional oferece, de mão beijada, ao Estado, depois da construção já ter sido anunciada, projecto revelado e… prazos desconhecidos.
Já foi para 400 reclusos, agora parece que é para 300. Era para ser uma obra prioritária, agora parece que é lá para as calendas gregas.
Para além do terreno, em quanto mais vamos ser lesados?

****

LESADOS À QUARTA – O Governo Regional acaba de anunciar que autorizou um aval – mais um! – à Sinaga, no valor de 1,7 milhões de euros.
É esta a célebre solução que o Secretário João Ponte anunciava para Outubro?
O dinheiro público que já se enterrou na Sinaga, num projecto que já toda a gente percebeu que não tem viabilidade nenhuma, dava para distribui-lo por todos os trabalhadores e viveriam um resto da vida muito mais adocicado do que este tormento, que é vermos o nosso dinheiro cavar fundo num poço que não tem fim.
Não há limite?

****

LESADOS À QUINTA – Mais uma ‘carta de conforto’. Desta vez à SATA, para pedir emprestado quase 12 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos.
É este o valor do descalabro da operação deste ano?
Por cada ‘carta de conforto’ os contribuintes não têm direito a saber qual é o fecho das contas das gestões destas empresas públicas até ao momento?
Ou de três em três meses como era prometido?
Desta vez a ‘carta de conforto’ traz uma novidade que passou despercebida a toda a gente: o Governo Regional dá como garantia “não alterar a participação da Região Autónoma dos Açores, na SATA Air Açores, enquanto se mantiverem quaisquer responsabilidades contraídas no âmbito do supra referido contrato de financiamento”.
Ou seja, até a Caixa Geral de Depósitos, para emprestar os quase 12 milhões, exige a capitulação do governo numa futura reestruturação da SATA Air Açores.
Isto só tem um significado: o governo já perdeu a sua reputação na banca e esta agora exige outro tipo de garantias que nunca tinha exigido até aqui.
Não há dúvida que estamos a trilhar um belo caminho.
Em mais quanto vamos ser lesados?

Outubro 2017
Osvaldo Cabral
(Diário dos Açores, Diário Insular, Multimedia RTP-A, Portuguese Times EUA, LusoPresse Montreal)

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *