PADRE FLORES: UM SERVIDOR DOS HOMENS AO SERVIÇO DE DEUS

PADRE FLORES: UM SERVIDOR DOS HOMENS AO SERVIÇO DE DEUS

9 de Setembro, 2017 0 Por Azores Today
 
 
Hoje, 9 de Setembro de 2017, celebramos o 87º aniversário de João Caetano Flores, o nosso Padre Flores da Ribeira Chã. Apesar da data ter caído no esquecimento de muitos, para outros há que a relembrar permanentemente porque a história está escrita e jamais poderá ser esquecida.
 
Falar da Ribeira Chã é o mesmo que falar do Padre João Caetano Flores. Esta pequena freguesia a ele tudo deve, mas também a todos aqueles que o rodearam nas suas constantes demandas, em nome deste povo, em nome desta terra, sob a protecção de Deus.
 
Nasceu no lugar da Fajã dos Vimes, freguesia da Ribeira Seca, na ilha de São Jorge, a 9 de Setembro de 1930, filho de João Caetano dos Santos e de Francisca Elvira Flores, um casal de agricultores. Faleceu na Ribeira Chã, a 2 de Dezembro de 1998.
A sua vida foi sempre de entrega a todos os seus projectos e acções sendo membro fundador e dirigente de várias associações, entre elas a Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos, e colaborador assíduo da imprensa periódica açoriana.
 
Matriculou-se em 1943 no Seminário Episcopal de Angra, celebrando ali a sua primeira missa a 22 de Maio de 1956. A 9 de Dezembro daquele ano foi colocado como cura do lugar da Ribeira Chã, na ilha de São Miguel, iniciando a sua carreira sacerdotal. Muito por sua influência, o curato de São José da Ribeira Chã, então dependente da paróquia de Água de Pau, seria elevado em 1966 a paróquia autónoma e pouco depois a freguesia civil.
 
Dotado de grande capacidade de liderança e trabalho, liderou em 1962 o processo que levaria à construção de uma nova igreja paroquial, encomendando um projecto, na altura considerado pouco convencional, ao arquitecto Eduardo Read Teixeira (1914-1996), no qual incluiu arte decorativa de Tomás Borba Vieira e Álvaro França. À construção da igreja seguiu-se o salão paroquial, inaugurado em 1965. Entre as suas iniciativas contam-se o Dispensário Materno-Infantil, instituição com um jardim-de-infância pioneiro na educação pré-escolar nos Açores, o Museu de Arte Sacra e Etnografia, a Casa Museu Maria dos Anjos Melo e o Quintal Etnográfico e de Endemismo Açórico.
 
O Padre Flores é recordado na toponímia e patrono da antiga escola básica da freguesia da Ribeira Chã, que ostentava o nome de EB1/JI Padre João Caetano Flores, estando neste momento convertida no Centro Comunitário Padre João Caetano Flores. (1)
 
Pessoalmente não o conheci, mas talvez este distanciamento me faça ver com outros olhos o resultado da sua constante teimosia e o achar que o tamanho de uma terra não se mede pela sua dimensão, mas sim pela sua cultura, pelo seu empenhamento, pelo compromisso com as pessoas, valores e tradição. Um dos exemplos que pretendo sempre seguir.
 
E, como alguém dizia recentemente, foi um padre que não se deixou usar pelos poderes, mas sim usar os poderes a favor do seu povo. Que assim seja, hoje e sempre.
 
José Pacheco
 
(1) Fonte Wikipédia