Cláudia Martins quer autarquia como parceiro na intervenção social

A Candidata pelo PSD à presidência da Câmara Municipal da Praia da Vitória defende que a autarquia “deve constituir-se como um verdadeiro parceiro das instituições do Concelho, para que a resposta social seja célere e adequada. E para que não se dupliquem desnecessariamente valências e recursos”, afirmou.

Para Cláudia Martins, “a área social tem sido o parente pobre das políticas publicas do nosso Concelho. Para a nossa equipa as questões sociais vão muito além da construção de bairros socias, da oferta de cabazes e jantares de Natal”, advertiu.

“É necessário existir aqui uma verdadeira cooperação entre os vários parceiros sociais, capaz de sinalizar e diagnosticar cada caso, para que seja feita uma intervenção rápida e para que estas pessoas possam gradualmente ser integradas na sociedade”, acrescentou.

A candidata social-democrata pretende criar um Conselho Municipal de Ação Social “com reuniões regulares, com o objetivo de se encontrar uma verdadeira plataforma comum de intervenção”. Pretende, ainda, implementar o Programa Social + que consiste “na prestação de apoios não cumulativos às famílias em situação de maior vulnerabilidade social, nomeadamente ao nível alimentar, na área da saúde e da habitação”, prevendo ainda um fundo de emergência “a ser utilizado em situações excecionais, urgentes e de extrema carência”, explicou.

“Todas estas medidas terão regras muito próprias, de modo a que não se perpetuem dependências”, concluiu Cláudia Martins.

A candidata tem a seu lado, para a implementação destas medidas, Marília Coelho, enfermeira no concelho há 23 anos, atualmente coordenadora do setor de cuidados continuados e paliativos da Unidade de Saúde da Ilha Terceira, do Centro de Saúde da Praia da Vitória.

Marília Coelho afirma que, mesmo “não sendo política, aceitei este desafio em nome de todos os problemas sociais, desigualdades, discriminações e falta de acesso a serviços e à proteção social, que me deparo no meu dia-à-dia e ao longo de toda minha carreira profissional. Quero acreditar numa política com perspetivas altruístas, que luta contra a estagnação, passividade e indiferença que se vive no nosso concelho nos últimos anos. E eu acredito que a candidata Cláudia Martins tem estas perspetivas”, finalizou.

Ler Mais em: PSD Açores

Ver também

Vasco Cordeiro incapaz de exigir à República que cumpra os seus compromissos

Mónica Seidi considera que a reação de Vasco Cordeiro à inexistência no Orçamento do Estado para 2018 de qualquer verba para a execução do Plano de Revitalização Económica da Ilha Terceira (PREIT) con..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *