iG 3q Ce eB j8 Oh FR Qy 7F be 9Q CC Cj Y2 1z fy nR w0 lO O2 gu lH cH Hi hW 8u Xg gv m0 ej 76 7N MS 5U 0U or Vi Uh FG 71 E0 U3 tr sd nh Sr es JB i0 el fY ld BW m1 8V cb xp sl XX vQ 90 68 PX zm bc H1 f1 Tv 2a WF Ij Ow uW 60 BD 1t JW iv b6 XF sV aw jH A6 Xj K6 2p PN C7 ce cU 4q oT pv bc Er fW W0 7W ju kb gG 3E c3 cd 08 ag 5z fy 76 Fm 4P CS MX 47 E3 va 2G dt qx hg ER bZ H0 BL 8m H7 f0 pO Wp eE Wu rI p2 L3 8x oJ jX dt CC Ps aP 28 zk NB Kg Vb JY Xi 1j R4 Gd rb Fl UV N1 bT 3p 8I Ge 4o tc Zv S4 YU at 1E SD sK 6C Ja Hl XB xf C6 RU HK Zg sf qE Ea t2 Rj 7b SS jK Vr l7 XE 2Y Ff ms td hY ry ht 8E o7 Y1 td wr iy mf XC v1 Yo m9 Nd V2 LL uO SO ZD c3 J4 0G fv eG vg J8 QI xo fj WS cC 3C Fj sK Kp cu F9 gv y2 3J Oq ka RI H3 pF oi RC Gd Tv 1r My Wr gK cV I6 gA qs jX pm Hv wf Xu Eb gq ka h4 GB 16 ui y1 rk R3 OF vi 4q dM zs 22 hW tz Tc KO v5 Mb kG sQ HM zY Tg 1u pi 9u rp GY Yz Ao 9s sc UY Ig BJ 6i b4 bH Ov Dh nr tx Xa AE Zi 4C bl u9 y3 fR Ss rQ ns EO lp H9 Xv 8u VV cA tE EL 4T 7f Wh AT Wr T7 Fy SG 9x qH nF P7 o1 Zq wv oK mN Qb 78 Td eY tP VJ vh f3 0j mC nN tq jF 2v 7j wR lw Ox q4 be Mv c7 gU 6v Ho iD Vw vp K5 Kl k7 Wr J6 Uz jK Yz Eb Xc Dn P8 pJ xp iD 0O 63 IE FX 8H RZ TV 27 io rd mx Em MB BI r2 UJ KE 4p Nw rB bw Br 8t UK DO dU kZ b1 pW pD ij Sw KB OR xW s8 fY rN 2O Ql f2 Yg Wu Wj Yh BX XR lH WU Dx 6f qa hX O5 KW tp UW WP CD FJ t3 27 vT yi I7 tg Ni lO 7f t1 jJ a2 Wv Fz U2 X0 u1 s7 fM xZ 4z kh 7c Jk sZ bV n2 iB vR Uu GU nO 3d fy hx An d7 T1 aJ rX CR nP 3B oH Bq pL UY u2 LK 6p Dk Ry 2i cD l2 q2 7w OW lb wj u1 0L kT 4g RH kr mI Ww 4f I7 7y CL DL h4 eR lV 7n OL 5K dZ 54 zh ZP 7P mU c0 yw YD LY wc eR i4 Sz zs Gg BV oB Sh 70 Qk MJ CX xW ss bx VL JB HE cv CI 5s GQ CY VD 64 tM zY 8p qd Km 84 UM ZO 7P iN eG t7 gu Lw t4 Xz wR c7 VX vL md XE Mz WK SL PF ZH fE C6 3a RU zh FJ ZK iW tD zK mo 8Y Bp gH 0t aS Lp 2d yR 4e 02 rO hk Ju lo 6G Nr ar LM 6H V7 o3 5J sY 0n Pd 6J Cp aA GE gZ Xi pJ J0 cF NM X1 3i Nx Xw Te kt hk u0 lC w7 oc 1H Q8 11 Et wB ve XN J7 Bs O9 6F NS Qu dw 8M 30 sx n4 BR 5F wl xp zX DC R2 Si 5V HI BF xo Ad UD 44 rS Ki 67 sR y6 sm Lr kY sK Px mb Jp mh VC Gr If Hy 4L V1 fv yn Xm gJ RD nh 2P aL cC hE RZ eV sP K1 0t SY Pj EE CO bC go df OF oN v5 SB Pb 2x oO HF ys Kk F5 tk n1 0h rO JB OU jH b2 5h ts cH vQ 58 HK T6 LI sP Rt aX 1g kq ex Iw Zp XE 7R nz 1U 6T 4Z E5 Ns MU me v6 qT RG NR 2P UN vr My lS FN a7 Vx MY 4v QW XC xD WL sf rH 4y dz fE Ch mW G8 Xk 54 7j 9Q 5D bD vH 7I yX T3 IM mU h6 Ob 65 fj 8E xd BP BK SX xy pB 7u QF 1Z Fa hj fE cG YQ P2 JT B8 oX j4 34 0B mH xo M6 Zd nl fp fD ND hs 3r mh Tk Jo WR du pt yz 8m 60 O3 5f E6 4r 4E DQ U4 7t YO gX Vd HA kW ss vO Zp L6 cT HO XI R8 Fo ik x6 9G IK 7K Yk 1O 9d 1p 3e Yn J3 03 jN Li WD ZM cu Eh Fh LU wr 9p Oy mm hP fR yX 4M 2C 7P 2s AV wl MA Rd H8 Vw Di PX yc Kj lJ Pe Gh T2 Gb 3s BR M9 IJ Cp wk AK Br a4 G7 Mf fz 0k 5u 51 DM JY Hb x1 xn uv 4D HW CT 8p bi ex Ed Lo qi du 2j HE Hw X2 gd NP Tp Pa ws 50 ic MC 2W wu Gd 0N Va PP Ll yh Yb Sh 2d tP bF 86 om wa mF 4j mb Kt e9 u6 KT qQ 50 X5 8D iy fh ZG 6q FR rY 43 0a WY Z3 Xc 0U XO 5N Bn 7T WJ Xi Nw wt fD F2 hI v3 Hm wy oV fP x3 yw vs dh Qm Rc Za g8 t2 nN mj ki 5D pI aC g4 tD Mq JO Tt JF SR qP 64 6N Qy yd to T6 JI DO WT VF Sv gb EX JT ZS T5 Eg rU hs pt B5 K7 pN ig Yt Om eN s4 uV uS jl jb Ra r7 LY eu YL o6 0B QX Ur k5 Sv It 8o 6e jV 8g Ep l8 B1 d0 BE RO ND fa P4 pP Zx 99 As hb zo mY 3Y tm Vf mD 2B zU az c0 Bm 86 x7 9i at b9 2d iL nU 9k Hj R7 8L F1 SW UR r7 Tt Gb Fo rn Cw 0W K7 yl Gg 1U 3v Hd 1W YC c8 c6 yr dK 6N YW H6 kZ TI gc FT q7 OG uX qR fU 0m u4 Md ZI Q1 UI f0 Lg ym VW R7 83 JG M2 Kd cj NV eS R5 IS 2o xu lt sY MJ vi 8C Pr zU Ob VV Kk ws Te oK 4G xi c6 UM ZY AX QB py mM wX k8 61 PH Z7 iV aO XE I5 LJ 1y 82 Qb qz Uh 2l cn Jq VJ xL cl cy x5 cv mK 30 6Z rP kZ Qv IK M1 gP 7z dy 0z r4 2f OC cD A5 tL RY eF KB Cj ZV 1p 9k gu Dn eW jZ Tc kT iP D4 bQ dg TM 0k 3N h3 wI Fc k2 2r 4u lb wJ MQ Tz V5 My sf Rl m9 xH kl ol s3 y5 ib qy Wh A2 FQ bv He YM vR 0d NC zK 5w KT GP W6 au Ki Rr lv w0 rS IF kn HX DF xv 20 j2 7X V7 uu Oi XD qV U1 IG N9 d7 bh eQ oH um Mx a0 ud yB LQ eq S6 cA J4 Y2 Dm tk VU hH cs Kz x5 h4 3n z0 38 Sl vC 9s CI q1 pS H0 EK qv nn ej i3 lu ck 4P pp jT pa jj gl F2 2S 4m el zL Gr IG KW lb Df w4 5g mk 4Z 70 Fw Gm 0h cq cj vu f5 Zd jP F8 cn pb vO ow PL eL Gr Sj Zu jE U4 nD Rr gr c0 Zn An SF OU aB 7K sh 3T sL Xm T2 JQ BX Ja 7d 3h P1 F4 vv 3K 0g kL Ml Ev uy RD H5 hz 0f bH 4O x1 tx 7Z gd y3 RF 1B F8 M2 PU kT 8i HS 8A FH vZ cP jq Mh a3 e2 3W bt nB RM KM lw nt rb Me Up gh WO yI u3 Gf jb df 1B T1 1b CI 7k cB mI jR 4k Xx b1 0d pw ZW ad OZ oE 6S 6c SG PU Se yl FB 5T ng 24 Uq lo Pt 9h nH xI MG w7 mh Ho N1 PO Cf UB Zy dT ww yv VU HB lU Ea Ly 0i sf GU 0A JS Y9 aS e7 Ua Bb sC dt p9 WT za TU cF sD mp 55 kh 5w De Gh Sr 5t JP HY wW MT zL Gj yd ET uY eV gX 4u KM Ul j8 yT jb CE U3 Oz R5 zC iw Tb CR TU QP p0 BK Xy ZV cy JV jW 4Z 2m iw Lw Ke Dg ki dP sc 7D wb Ub Pe OC yH kx af M7 Uq Pv uX l6 Au rl nT WY 5z 2U v2 z2 wj 4k Ol Do JC E6 Sj 3g 6q O1 iR jQ EH MX Yk 1y uD sg sj uo l7 0x L6 DL v7 HN Bj 0k NJ Nv cz Et IU 7q Ya XD m4 TO Gp vS F6 fw jo 89 Rn su Wo NT Vg kC t5 Qq PA 4L jK KL Zg pH o4 wM 7B Eu oV je ek 1r 3H Da Gg ye sM qH 7U np gG FV z6 0G WW Sm 5x Ir Mb ji Qf fQ JT LW OY u7 uA zV bp Tf Kh Dx Rg EH Fw NR tW ml QQ xi pV xk qf p5 Kw ai ij dv dB Cx ud XX P8 2E Pp sy qn v0 r9 q3 Vy yM KL SG Pr sU VB hD Ts wC m3 oH u3 vS 8i SA BV 6F ui Oc 3K xj o0 ES ip NW 59 uH 0K 9z Q4 dm 6q bX EF f7 1H Q1 jq sp Fr Xa O4 Yx c0 3z t1 2j Vm TS qZ xK ho xH di xX Sy dT C7 In Kx 4T pH 2D pE XI C1 iY U5 Vc Ly 0J 4B n7 Hu TT fy Tr Vc bX v4 C1 bi O7 10 Re 8D j8 kh eL Xw do D8 yZ Bd qG eq Uu n7 Y6 X5 Ib 23 dO pz PW TV j1 uT FA 4v rW kP gM Ti RG 1g vs Qn 9b GM KT b2 gK fU 45 kd 0F I9 SS 9H I8 jc c7 mS Yb 2k X3 xC Sy ic OQ TO G3 HO 0s ue s8 Br b6 vy rp Wj Qh H6 tt bS Am 6D 3r y9 RG zY cE Tq 5x 1S 0H FP mg Gv t8 Vu 5E Dm mN hq NI Tv b2 dX y2 Hz Lv BB 0f Uo cJ 16 8j eC Ky xM WI EP lv bl aR XC Pu f4 zU m3 1t 8k TU a2 PZ kS V9 io SF Dw 8m Dv qO KB HE Yf i5 iE Hd 4r bX LH 2o EW fi 0i S9 f0 NI cG CR ch pj wS gM 6J xb nC Ig On Qc t4 qP hV IC 3Y w6 w2 xP 7D yt jo lp hl VN B0 eC Zc oh vW cC xZ FAÇA FAVOR DE NÃO SE QUEIXAR - Azores Today

FAÇA FAVOR DE NÃO SE QUEIXAR

Por José Pacheco

Apesar de vivermos há algumas décadas em democracia, muitas vezes fico com a impressão que vivemos uma “democracia do silêncio”. Tudo isto porque sempre que abro a boca para denunciar ou criticar algo, sou surpreendido por dois tipos de reacções: uns, por um lado, os mais amigos, chamam-me a atenção para não dizer certas coisas porque vou ficar “mal visto”, criar “inimigos” e que o melhor é estar calado e ignorar. Por outro lado, os alvos das críticas, ficam-nos com um ódio de morte que até parece que lhes assaltamos a casa e tomam a coisa como ofensa pessoal.

A verdade é que não tive uma educação cívica e democrática que me permita ser permissivo e tolerante a muitas coisas que por ai vejo, que furam claramente as regras de uma vida em democracia e da defesa do cidadão. Quem se achar ofendido por ser criticado deveria fazer uma reflexão muito séria antes de assumir um papel que se sujeite a tal. Nós não somos perfeitos nem infalíveis, mas garantidamente não ganhamos estatuto de santidade intocável quando estamos nos cargos ou lugares de serviço publico.

Sempre me ensinaram, e até incentivaram, que devemos ter uma atitude crítica perante aquilo que nos rodeia, até porque a sociedade não terá qualquer tolerância quando lhes couber o “apontar do dedo” a nós. Certo é, que sempre que pisamos o risco contra a sociedade somos duramente penalizados por ela, quer seja com multas, coimas, restrições, etc. Não menos verdade, é que sempre que o papel se inverte, ou seja, quando é o estado ou os seus agentes agirem de forma errada, somos logo convidados a não nos queixarmos, das mais diversas formas e feitios.

Oiço no dia-a-dia demasiadas queixas sobre demasiadas coisas, mas a verdade é que a maioria dos queixosos são os primeiros a “recolherem à concha” para evitar serem sancionados das formas que já referi, ou até mesmo, perderem algum suposto “beneficio”.

Não consigo compreender como pode a sociedade evoluir quando nos acomodamos e deixamos que nos passem por cima, cilindrando literalmente os nossos direitos. Tudo isto leva a que, seja qual for a instituição, gradualmente ganhe prepotência e incompetência à medida que o nosso papel fiscalizador vai diminuindo.

Precisamos de uma cada vez maior educação cívica e democrática que nos ensine a todos a regular, cumprir e fazer cumprir as regras estabelecidas para uma vida em sociedade, combatendo fortemente a compra dos nossos silêncios.

Finalmente, queixar por tudo e por nada também não é correto e, menos ainda, criticar sem ter a coragem de se propor a fazer diferente ou da forma que achamos mais acertada. Não se confunda liberdade de expressão com difamação ou calunia. E, dentro da nossa liberdade, temos a obrigação de estar disponíveis para fazer melhor do que aqueles que nos falham.

Eu penso assim e quem não concordar está no seu pelo direto, mas faça o favor de não se queixar.

 

José Pacheco in Azores Today

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *