SOBRE A PROCISSÃO E A IMAGEM DO SANTO CRISTO QUE VEIO DA CALOURA NA VILA DE ÁGUA DE PAU MUITO SE DIVAGA …!

SOBRE A PROCISSÃO E A IMAGEM DO SANTO CRISTO QUE VEIO DA CALOURA NA VILA DE ÁGUA DE PAU MUITO SE DIVAGA …!

21 de Maio, 2017 0 Por Azores Today

Por Roberto Medeiros

Nas rádios, na televisão ou mesmo nos jornais muita coisa se diz e de diferentes versões a origem da imagem do Senhor Santo Cristo. Por favor não inventem só para não se repetirem ! Ainda hoje um comentador de rádio, foi pouco explicito e confundia um pouco a história. Uma história pode ser contada de várias maneiras mas nunca trocada, omitindo-se nomes de suas origens e elementos importantes. Foi o que me transmitiu um amigo por mensagem, incomodado.

O que o comentador devia dizer ou queria dizer sobre a origem da imagem do Santo Cristo e como é que ela chegou a P. Delgada, existe já muita informação escrita que conta (e que refiro aqui de forma resumida) como é que as filhas de Dinis da Mota de Vila Franca sairam de casa com uma amiga que em casa deles vivia e dirigindo-se para Santa Clara, pararam no Pisão e dali vislumbraram uma pequena capelinha (de invocação a Nossa Senhora da Conceição ou das Dores).

Desceram até lá (Vale de Cabaços ). Vinham fugidas de casa e levavam 3 menores consigo. Fugiam do pai que as tinha prometido em casamento a alguém. Como elas queriam seguir vida religiosa de retiro e oração decidiram ficar na Caloura.

O Administrador da Camara Municipal de Água de Pau em 1523 sabendo da sua presença ali, tratou de as apoiar com alimentos e avisaram os pais em Vila Franca para virem buscar as irmãs menores que estavam com sua irmã Petronilha da Mota. Assim foi. Até 1543 entraram 28 irmãs na Recoleta da Caloura. Entretanto com a ajuda do Capitão Rui G. Camara de Vila Franca duas irmãs conseguiram «bula» apostólica do Papa para poderem rezar missa. O Papa deu-lhes também uma imagem do Ecce-Homo para servir de sacrário na Ermida da Caloura.

Entretanto os pais de algumas das irmãs «clarissas», nome da irmandade da Caloura, iniciaram a construção de dois Conventos: um em Vila Franca, de Santo André e outro em Ponta Delgada, o da Esperança.

A ideia era retirar as irmãs para Vila Franca e Ponta Delgada por causa dos ataques dos piratas franceses. Assim, 19 irmãs foram para P. Delgada e levaram a imagem do Senhor Santo Cristo consigo. As outras 9 foram para Vila Franca do Campo.

A imagem manteve-se em prateleira no Convento da Esperança até o ano de 1700, altura em que a Madre Teresa da Anunciada decidiu colocá-la em andor e levá-la com os fieis em romaria pelas ruas de Ponta Delgada para pedir misericórdia a Deus para pararem os Tremores de Terra.

Foi assim que começaram as procissões em louvor do Senhor Santo Cristo dos Milagres com a imagem que veio da Caloura, na Vila de Água de Pau.

Muito simples a história, sem omissões nem divagações.

RoberTo MedeirOs – Caloura, Vila de Água de Pau