A MINHA FILHA NÃO TEVE UMA PLAYSTATION 4

A MINHA FILHA NÃO TEVE UMA PLAYSTATION 4

8 de Janeiro, 2017 0 Por Azores Today

Por José Pacheco

Pois é verdade que não teve mesmo uma destas consolas de jogos Playstation 4. E tudo isto vem a respeito de uma conversa que tive com ela sobre o reinício das aulas e as prendas que os colegas tiveram, ou não, neste natal.

A verdade é que muito me espantei quando me disse que um dos colegas tinha recebido uma das referidas consolas. Até aqui poderia parecer um normal, mesmo que discutível, presente de natal, mas só me espantei pelo facto de ser uma família incluída no grupo de “pobres” que recebem e vivem pedindo ajudas financeiras e não só.

Nós os “ricos” que pagamos a prestação da casa, do carro para ir trabalhar, o combustível, seguros, as compras da mercearia, da luz, da água, da cantina da escola, da roupa, os livros, e, especialmente, os impostos, ficamos com muita pouca folga para presentes destes.

Continuamos a viver numa sociedade que cava, um cada vez mais profundo, fosso entre quem trabalha e quem vive da “caridade”. Vivemos numa sociedade que incentiva a preguiça e penaliza, todos os dias, quem se esforça na labuta diária.

O mal nunca esteve em quem recebe, mas sim em quem dá, que desta forma tenta obter alguma contrapartida, mais não seja, no santo dia das urnas.

Há pobreza sim pelos nossos lados e esta deve ser apoiada e, principalmente, combatida. Mas certamente todos estarão agora a pensar que nem sempre vai o dito apoio para quem realmente precisa, mas sim para quem mais sabe “chorar”.

E para não esticarmos muito a conversa, vamos apenas recordar os sacos de comida deitados nos contentores de lixo, tal como muitas roupas doadas à caridade, histórias que certamente todos conhecem.

Na verdade, a minha filha até teve uma viola, não das caras, mas do preço que foi possível comprar, mas isto sou eu que, tolamente, insisto em trabalhar e sou “rico”.

Faz-nos pensar, não faz? Pelo menos a mim fez e muito.

 

José Pacheco