Imigrantes / refugiados e agora?

Por António Rocha *

De assunto tão falado e considerado, porque o é verdadeiramente, calamidade mundial com epicentro na europa, eis que chega a hora de agir. Por norma teorizamos, condoemo-nos e ajudamos os que estão perto, assim como os que estão longe, enviando géneros, roupas, dinheiro; fazendo vigílias, orações, marchas… Desta feita, nada chegará aos necessitados de longe, os necessitados de longe chegarão a nós. Provenientes de contextos geográfico/socio/religioso/culturais tão diferentes, vêm havidos de paz, de acolhimento, de sossego, porventura do sossego que nunca tiveram e da paz que nunca aprenderam a construir. Vêm famintos de um pedaço de espaço que lhes mate a fome de dignidade. E agora, que fazer? Como agir? Por norma, associado à novidade vem o receio, o medo, que é, nesta primeira abordagem, tudo aquilo que temos de por de lado, para atuarmos como sempre, abrindo as portas do nosso coração para deixar fluir a caridade que é o amor ao serviço, o amor tornado a prática do comumente teorizado, o amor incarnado (imigrado).

Neste nosso pequeno recanto de grandes corações consideremos também a hipótese de servir, dentro das nossas possibilidades e de acordo com as nossas responsabilidades de cidadãos corresponsáveis por um mundo melhor. Aceitemos o outro apenas como o irmão peregrino que chega faminto de tudo.

A partir deste pequeno texto pretendo, apenas, deixar o apelo à necessária sensibilização social para esta novidade do servir. Urge concertar esforços, confluir dinâmicas e criar parcerias entre instituições, não perdendo, no entanto, o vislumbre do real objetivo: servir quem vem e não apenas avaliar qualitativa e quantitativamente quem serve. A par deste repto consideremos também o de poder auxiliar o próximo sem recorrer a “selfies”, câmaras, noticias ou todo o tipo de propagandas e/ou autopromoções fúteis.

Marquemos o nosso tempo disponibilizando tempo para servir.

  • António Rocha é diácono e professor de Educação Moral e Religiosa Católica

Fonte: Igreja dos Açores

Ver também

Ouvidoria de Vila Franca reabre Igrejas mas deixa Ponta Garça encerrada

Missas numa das duas freguesias mais afetadas pelo COVID nos Açores estão suspensas até 31 de janeiro As igrejas das paróquias da Ribeira das Tainhas, São Miguel, São Pedro e Água d´Alto, na ouvidoria de Vila Franca do Campo, em São Miguel, vão retomar as celebrações este domingo mas em Ponta Garça todos os atos […] O conteúdo Ouvidoria de Vila Franca reabre Igrejas mas deixa Ponta Garça encerrada aparece primeiro em Igreja Açores.